Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Julho 21, 2024

Bannon tenta unificar a direita e influenciar eleições europeias

Documentário do jornal britânico The Guardian aponta que o empresário Steve Bannon, que atuou nas campanhas do presidente dos EUA, Donald Trump, e do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), tem planos para ampliar a presença de parlamentares ligados à extrema direita da Europa.

Um documentário produzido pelo jornal britânico The Guardian aponta que o empresário Steve Bannon, que atuou em prol da campanha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e do presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro(PSL), tem planos para ampliar a presença de parlamentares ligados à extrema direita da Europa, além de querer unificar partidos e lideranças, no que ele chama de “Movimento”. Segundo o The Guardian, “populistas de direita estão em ascensão em toda a Europa” e Bannon vem intensificando estas ações, pouco após deixar a Casa Branca, o que pode ser visto como um desafio a legalidade, já que podem representar uma interferência indevida nas eleições.

“O Movimento foi definido pelo Guardian no documentário como a operação de uma “máquina de campanha para impulsionar a extrema direita na Europa”. A ideia de Bannon é “muito simples”: “unificar os movimentos patrióticos de direita na Europa”. O diretor administrativo do Movimento é o político belga Mischael Modrikamen. Ele disse à reportagem que o Movimento fará oposição em nível internacional às “forças globalistas””, ressalta matéria sobre o documentário no GGN.

Ainda conforme o documentário, “Bannon estaria oferecendo aos partidos de direita e extrema direita ajuda com “pesquisas, análises de dados, mídias sociais, criação de “salas de guerra” para campanha eleitorais, mas isso, segundo o Guardian, “é ilegal na maioria dos países da Europa” sondados pelo empresário. De 9 países onde há ativos de interesse de Bannon, sete têm leis restritivas sobre a participação de estrangeiros na eleição”, destaca o GGN.

“O jornal também coloca em dúvida as intenções de Bannon, um americano, em interferir nas eleições europeias. Como isso pode ser diferente da Rússia ou da China interferindo nos Estados Unidos? Bannon respondeu: “Eu estou fazendo isso como um populista, não como alguém associado à Casa Branca.” Foi lembrado, na sequência, de que até pouco tempo atrás ele tinha um cargo junto a Trump”, ressalta o texto.

Leia a íntegra no GGN e veja o documentário.

 

Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial Brasil247 / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -