Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Agosto 2, 2021

Bullying

Nélson Abreu, em Los Angeles
Engenheiro electrotécnico e educador sobre ciência e consciência. Descendente de Goa, nasceu em Portugal, e reside em Los Angeles.

IKEA causa controvérsia e consciencialização por meio de bullying de plantas

PortuguêsEnglishA Ikea e a agência Memac Ogilvy Dubai decidiram ilustrar o sofrimento causado pelo bullying usando plantas. Organizaram uma demonstração numa escola no Dubai, onde as plantas foram expostas a mensagens gravadas. Uma planta foi exposta a comentários positivos e positivos, enquanto outras receberam comentários negativos e insultuosos.

 

Um vídeo viral afirma que, após 30 dias, as diferenças foram dramáticas. A planta exposta a mensagens negativas murchava, enquanto a outra prosperava. A maioria dos cientistas expressou cepticismo, mas a IKEA afirma que não é uma farsa. Também explica que ajudou as crianças a tornarem-se mais sensíveis aos efeitos do bullying. Segundo informações, a IKEA e os Emirados Árabes Unidos estão a ponderar repetir a experiência. Estudos anteriores mostraram que as plantas podem ser estimuladas pelo som, mas a maioria dos cientistas permanece céptica de que a intenção ou a qualidade da informação dirigida a um indivíduo pode ter efeitos distintos.

 

 

Um dos programas mais extensos sobre os efeitos da exteriorização da intenção foi o Princeton Engineering Anomalies Research. Durante 3 décadas, os cientistas estudaram a questão de saber se a intenção e a emoção humanas podem afectar os eventos físicos. O programa de pesquisa indica que um efeito pequeno, mas estatisticamente significativo, pode existir, permitindo mudanças no comportamento de sistemas físicos aleatórios.

 

Dia 10 de Junho, uma startup sediada na Califórnia apresentará pesquisas semelhantes na 37ª conferência anual da Society for Scientific Exploration. O estudo apresenta um método experimental de baixo custo que pode ser facilmente replicado. Em vez de mensagens gravadas, a experiência emprega a emissão silenciosa de intenções positivas (“energia”) a alguma distância de um conjunto de flores (cravos brancos) durante vários dias. Um ou dois conjuntos de flores de controle são deixados sem qualquer “tratamento”, mas em condições físicas semelhantes (iluminação, temperatura, água, etc). Um estudo piloto resultou em diferenças notáveis ​​em murchamento. Um estudo maior e independente conduzido por estudantes da Universidade do Colorado tentará avaliar o suposto efeito este ano.

 

Esse tipo de investigação já foi feito anteriormente, mas a verdadeira inovação veio com o desenvolvimento de um método para quantificar esse efeito. Ao tirar fotografias das amostras tratadas e de controle, a diferença na descoloração dos cravos brancos pode ser quantificada comparando quão claras ou escuras elas são — o que pode ser quantificado. Quanto maior a diferença na descoloração entre amostras “tratadas” e de controle, maior a proporção numérica. Em teoria, isso poderia servir como uma medida do potencial do “biocampo” energético ou informático de uma pessoa.

 

O cientista Wagner Alegretti, de Portugal, apresentou recentemente um estudo em Miami, no Silicon Valley e em Xangai, que pretende detectar efeitos físicos dessa “energia vital”. Alegretti demonstra que ao intencionalmente tentar influenciar uma amostra biológica, como um ovo, colocado na máquina cria efeitos de excitação parecidos com a activação cerebral. O conceito de energia humana ou campo de influência da informação faz parte das tradições do mundo todo. É também um modelo conceitual usado para discutir as práticas complementares de medicina alternativa. No entanto, está longe de ser um fenómeno comprovado e amplamente aceite na ciência.

 

O teste final pode ser o desenvolvimento de tecnologias de conscientização e aplicações públicas diárias. Por exemplo, a tomada de energia em estado de alerta, a depressão, a ansiedade e a ansiedade, melhora a saúde, a produtividade e a criatividade. Juntamente com mais estudos de replicação e influências culturais, como a crescente reintegração da humanidade com a natureza, como a ioga, a mídia como um IKEA e filmes de Hollywood como o Avatar pode ajudar o “chi” a voltar a estar em voga.

Ikea and the agency Memac Ogilvy Dubai have decided to illustrate the suffering caused by bullying using plants. They organized a demonstration at a school in Dubai, where the plants were exposed to recorded messages. One plant was exposed to positive and positive comments, while others received negative and insulting comments.

 

A viral video claims that after 30 days, the differences were dramatic. The plant exposed to negative messages withered while the other thrived. Most scientists expressed skepticism, but IKEA says it is not a scam. It also explains that it has helped children become more sensitive to the effects of bullying. According to information, IKEA and the United Arab Emirates are considering replicating the experiment. Previous studies have shown that plants can be stimulated by sound, but most scientists remain skeptical that the intent or quality of information directed at an individual can have distinct effects.

 

 

One of the more extensive programs on the effects of the externalization of intention was Princeton Engineering Anomalies Research. For three decades, scientists have studied the question of whether human intention and emotion can affect physical events. The research program indicates that a small but statistically significant effect may exist, allowing for changes in the behavior of random physical systems.

 

On June 10, a California-based startup will present similar research at the Society of Scientific Exploration’s 37th annual conference. The study presents a low cost experimental method that can be easily replicated. Instead of recorded messages, the experiment employs the silent emission of positive intentions (“energy”) at some distance from a set of flowers (white carnations) for several days. One or two sets of control flowers are left without any “treatment” but under similar physical conditions (lighting, temperature, water, etc.). A pilot study resulted in notable differences in wilting. A larger, more independent study conducted by students at the University of Colorado will attempt to evaluate the alleged effect this year.

 

This type of research has been done previously, but the real innovation came with the development of a method to quantify this effect. When taking photographs of treated and control samples, the difference in discoloration of whiteheads can be quantified by comparing how light or dark they are – which can be quantified. The greater the difference in discoloration between “treated” and control samples, the greater the numerical ratio. In theory, this could serve as a measure of the potential of a person’s energy or computing “biofield”.

 

Wagner Alegretti, from Portugal, recently presented a study in Miami, Silicon Valley and Shanghai, which aims to detect the physical effects of this “life-energy.” Alegretti demonstrates that by intentionally attempting to influence a biological sample, such as an egg, placed in the fMRI creates excitation effects similar to brain activation. The concept of human energy or field of influence or information is part of the traditions of the whole world. It is also a conceptual framework used to model complementary practices of alternative medicine. However, it is far from being a proven and widely accepted phenomenon in science.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -