Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Dezembro 9, 2021

Carbono atmosférico regista valores mais altos de sempre

Nélson Abreu, em Los Angeles
Engenheiro electrotécnico e educador sobre ciência e consciência. Descendente de Goa, nasceu em Portugal, e reside em Los Angeles.

Em Abril o planeta atingiu 410 ppm de carbono atmosférico pela primeira vez na história humana.

A quantidade de carbono na atmosfera da Terra quebrou a escala em Abril ultrapassando o marco de 410 partes por milhão (ppm) pela primeira vez na história humana.

É uma nova atmosfera com a qual a humanidade terá que lidar, uma que prende mais calor e que faz com que o clima mude de forma acelerada”

O dióxido de carbono não atinge esta dimensão há milhões de anos”

Desde que o planeta atingiu o perigoso “novo normal” de 400 ppm no ano passado, os cientistas vêm alertando que o passo acelerado das concentrações de CO2 significa que a humanidade marcha cada vez mais próxima da imprevisível linha vermelha do caos do clima descontrolado.

Além disso, os níveis de carbono ainda não chegaram ao pico anual, o que significa que poderão em breve crescer ainda mais. Tudo isto, sem contar com a libertação de gás metano devido ao derreter do gelo até agora permanente.

Mas, apesar da ameaça sem precedentes, a acção climática tem sido interrompida nos Estados Unidos pelo presidente Donald Trump e do seu chefe da Agência de Protecção Ambiental dos Estados Unidos, Scott Pruitt, forçando activistas e cidadãos preocupados a sair às ruas para pedir ao governo que faça algo para enfrentar a ameaça de devastação planetária.

Marcha pela Ciência

A Marcha pela Ciência viu dezenas de milhares de pessoas reunirem-se em Washington DC e em todo o mundo para enviar uma mensagem ao governo Trump de que a governança deveria basear-se em pesquisas e factos – não em ideologia.

Trata-se de força em unidade, diversos grupos de pessoas estão a unir-se como nunca antes e a criar uma linha vermelha de protecção contra o capitalismo, o militarismo e o racismo”

Disse Kandi Mossett, organizadora de campanha de energia e clima indígena com a Indigenous Environmental Network, um dos grupos está a organizar a acção directa.

Estamos aqui por soluções como direitos indígenas, desinvestimento e energias renováveis e continuamos a lutar por uma transição justa em alternativa à economia baseada em combustíveis fósseis”

Na véspera da Marcha do Clima do Povo, os senadores Jeff Merkley, Bernie Sanders e Ed Markey estiveram ao lado dos líderes do movimento para apresentar uma legislação que eliminaria completamente o uso de combustíveis fósseis até 2050. O “100 by ’50 Act” delineia um plano arrojado para apoiar os trabalhadores e para priorizar as comunidades de baixa renda, substituindo petróleo, carvão e gás por fontes de energia limpa, como o vento e a energia solar. Várias cidades já aderiram ao plano, mostrando que a liderança se encontra hoje ao nível regional.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -