Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Dezembro 4, 2021

Carnavalville

Eduardo Águaboa
Escritor, Ensaísta, Comentador político especializado em ideias gerais

man-and-bike

 

Nos braços dessa febre, parecendo não distinguir lá muito bem a realidade do fingimento, provavelmente cheio de aventuras falhadas, identificava-se perfeitamente com a representação.

O homem à primeira vista era um poema.

E qual é o papel dos poemas senão a de um tolo idealista?
O de alguém que anda a perseguir o «felizes para sempre»?
O de alguém que toma Viagra mental como quem chupa rebuçados de mentol?

E assim o homem passou a noite agitando a superfície ou a profundidade da sua respeitável existência, da qual, os restantes pares na pista e os fregueses do bar só lhe viam e imaginavam os contornos do corpo. Nada mais para além disso.

Por fim, esgotado, num espectáculo de elegância, vestiu o sobretudo, pegou na bicicleta que encolhia o frio da madrugada e lá foi pedalando como se estivesse a ler o livro do seu corpo, à luz daquele candeeiro, a Lua.

Mas um pequeno pormenor atraiu a atenção de quem o seguiu até à Pensão do Amor: no sítio da bicicleta reservado à garrafa de água tinha uma de vinho tinto.

Em que trono se imaginaria sentado?

Nota do Director

As opiniões expressas nos artigos de Opinião apenas vinculam os respectivos autores e não reflectem necessariamente os pontos de vista da Redacção ou do Jornal.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorCoração Intriguista
Próximo artigoO Mar estava a ressonar
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -