Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Dezembro 8, 2021

Coletes Amarelos Contra Macron: A Leitura Geopolítica da Limes

José Mateus
Analista e conferencista de Geo-estratégia e Inteligência Económica

Macron na sua rendição aos ‘gilets jaunes’

Macron Entalado entre a ‘Rua’ e a Alemanha

A rua francesa é há séculos um factor inevitável para avaliar a dimensão daqueles que exercem o poder em Paris e a sua margem de manobra no exterior. Os efeitos dos protestos destas semanas podem, portanto, ser avaliados com lentes geopolíticas.

As razões que desencadearam as manifestações são as mais discrepantes. Uma delas diz respeito ao equilíbrio de poder na Europa. Para tentar revigorar o eixo franco-alemão, portanto, o uso da Alemanha como multiplicador de poder, o presidente Emmanuel Macron propôs a Angela Merkel uma série de reformas para a UE. Para convencer Berlim de que era um interlocutor confiável, ajustou-se ao discurso da austeridade, prometendo arrumar as contas do Estado – a França estava lutando até recentemente com os parâmetros de Maastricht.

As receitas económicas importadas da Alemanha, porém, alimentaram a insatisfação popular. Não é coincidência que um Macron em dificuldade visível tenha prometido aumentar o salário mínimo de cem euros, não taxar horas extraordinárias e reduzir as taxas sobre as reformas. O governo providencia assim dotações orçamentais de 8-10 mil milhões de euros.

Tudo isto, porém, terá impacto no orçamento, trazendo Paris de volta à lista dos maus estudantes, na boa e firme companhia italiana, e potencialmente abrindo uma frente de crise com Bruxelas e, mais importante, com Berlim. Nesta última capital há uma sucessão entre Merkel e Annegret Kramp-Karrenbauer: à primeira resta a direcção da política externa, enquanto a segunda constrói suas credenciais em casa para garantir à CDU a supremacia nacional. Será, portanto, difícil a Macron obter garantias que vão além do cosmético.

As convulsões de Macron são muito interessantes para a Itália. Isto é demonstrado pelo tweet do ministro do Interior, Matteo Salvini, que espera explorar o actual impasse (e futuro resfriamento) entre a França e a Alemanha para aproximar Roma de Berlim. Não será fácil: da República Federal, o nosso país tende a ser visto como uma arma de destruição em massa (para o euro e para os migrantes) e não como uma oportunidade.

Mas o governo italiano não se jogará nos braços dos alemães. Ele vai querer ficar com os EUA em uma tentativa de amortecer a Alemanha na Europa. E poderá usar as possíveis superações da dívida pública da França para defender sua causa sobre o crescimento da capacidade de gastos, que continua sendo um objectivo mesmo que a Comissão Europeia esteja disposta a aceitar um aumento do deficit, em 2019, de 1,8% para 1,95% (porém rebaixando a proposta inicial de 2,34%).

Em qualquer caso, Roma não estará totalmente alinhada com nenhum dos nossos principais parceiros europeus.

Le conseguenze strategiche dello scontro tra la piazza e Macron


Exclusivo Tornado / IntelNomics


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -