Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

A Colômbia pára: Indígenas lideram a greve geral e desafiam governo

Ao lado de trabalhadores e universitários, os indígenas foram os protagonistas nesta quarta-feira (4) do terceiro dia de greve geral na Colômbia. As grandes paralisações nacionais protestam contra medidas econômicas e sociais do governo do presidente Iván Duque, no poder há 16 meses. Conforme pesquisa divulgada no mesmo dia, 70% dos colombianos reprovam a gestão do atual mandatário, e 74% concordam com os protestos.

As 134 concentrações e as 184 marchas convocadas em todo o país causaram grandes congestionamentos nas áreas urbanas e também bloqueios em estradas. Na maioria dos casos, as manifestações ocorreram de maneira pacífica. Em Medellín, no entanto, foram registrados confrontos. Em Bogotá e Cali, também, além de “panelaços” ao fim dos protestos.

A primeira da sequência de greves gerais no país ocorreu em 21 de novembro. Desde então, uma pessoa morreu em Bogotá e outras três mortes são investigadas na região de Valle del Cauca, departamento onde fica Cali. Na capital Bogotá, o comércio e as empresas funcionaram normalmente, e o número de manifestantes nas ruas ficou longe da multidão vista nas duas primeiras edições da greve.

No dia 21 de novembro, estima-se que ao menos 250 mil pessoas participaram dos protestos, convocados sob o lema “Contra o pacotaço de Duke, a OCDE, o FMI e o Banco Mundial. Pela vida e pela paz”. Nesta quarta-feira, segundo a ministra do Interior, Nancy Patricia Gutiérrez, 40 mil manifestantes teriam ido às ruas. Os organizadores afirmam que o número de participantes foi maior.

Povos indígenas da Colômbia reclamam de falta de assistência do governo federal, do clima de intimidação e da ameaça imposta por grupos armados. No protesto desta quarta, indígenas de departamentos como Cauca, Risaralda e Nariño participaram de uma marcha da Universidade Nacional até a Plaza de Bolívar, coração político da capital, segurando cartazes com dizeres como: “A Colômbia acordou” e “Resista”.

“O governo está atropelando os povos indígenas. O governo tem que nos ouvir”, disse Víctor Fernando Gañán, que viajou ao menos 380 quilômetros de sua reserva até Bogotá. “Não temos mais medo. Por isso, estamos aqui, marchando.” Líderes indígenas se dizem vítimas de um genocídio. Desde a assinatura do tratado de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), em 2016, 198 indígenas foram assassinados no país.


Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -