Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Dezembro 6, 2021

Criança, Mulher e Filha

Delmar Gonçalves, de Moçambique
De Quelimane, República de Moçambique. Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora (CEMD) e Coordenador Literário da Editorial Minerva. Venceu o Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em 1987; o Galardão África Today em 2006; e o Prémio Lusofonia 2017.

Poemas de Delmar Maia Gonçalves

“Criança, Mulher e Filha”

Para a Luna Delmar (minha filha)

Queria contar-te
o quanto este mundo é belo
Queria contar-te
quanta alegria trazem as crianças
que nascem um pouco por todo o lado
Queria contar-te
que apesar das dificuldades da vida
haverá sempre uma saída razoável, aceitável, possível.

Queria expressar-te
todo o amor que sinto por ti
Queria expressar-te
todas as alegrias que tive na vida.

Queria falar-te
das minhas apreensões e medos
Queria falar-te
das armadilhas que o mundo tece.

Queria falar-te
das ilusões que nos transmitem
diariamente
Queria falar-te
das riquezas provenientes
da diferença
Queria falar-te
da beleza da fantasia
Queria falar-te
da pureza da natureza
e da sua vitalidade
Queria falar-te
de Moçambique, minha mátria amada
Queria falar-te
das virtudes da paz
e dos horrores da guerra
Queria falar-te
por fim ,da inevitabilidade
da morte.

 

“Mulher XIII”

Queria que fizesses
um desenho
redondo
magno
infinito
e azul como o mar
verde como a esperança.

Queria que fizesses
um desenho
como só tu sabes
lindo
e singular.

Queria que fizesses
um desenho
que fosse a expressão
de ti própria
de sorriso aberto
de olhar perfeito
de corpo inteiro.

Queria que fizesses
um desenho
que fosse
o teu eu.

 

“Mulher XXI”

Se os teus olhos falassem
comeria
tâmaras
no sepulcro sacro
da minha ignota existência.

 

“Mulher XV” – Eternidade interrompida

Era noite
amamo-nos e sonhamos
intensamente
loucamente
eternamente
dois corpos unidos
num só
foram segundos, minutos, horas.

Amamo-nos e sonhamos
intensamente
desesperadamente
eternamente
duas almas unidas
numa só Esgotaram-se
os segundos, os minutos, as horas
Foi-se a noite com o sonho
veio o dia com a realidade.

 

“Mulher IX”

Basta um olhar
para te sentir
Basta um sorriso
para te compreender.

 

“Mulher XXXI”

Sinto saudades
de momentos
que contigo
não vivi.

 


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anterior(Não)
Próximo artigoSem Querer
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -