Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Maio 22, 2022
- Publicidade -

Nome do autor

Delmar Gonçalves, de Moçambique

De Quelimane, República de Moçambique. Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora (CEMD) e Coordenador Literário da Editorial Minerva. Venceu o Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em 1987; o Galardão África Today em 2006; e o Prémio Lusofonia 2017.
148 Artigos
0 COMENTÁRIOS

Renascer eternamente

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Potência dos impotentes" No sonho nostálgico de um regresso anunciado revejo mofanas adultos semi-nús e descalços deambulando pelas ruas do Maputo maputense De pistola em punho surge...

O mar

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Sou..." Sou uma voz do silêncio abafado um grito sem ruído luz transparente mapa transfronteiriço fronteira infinita amplexo fraterno. II O mar assobia e canta aos seixos do caminho e sempre sobre...

Lírios

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Natal enjaulado" O Natal está preso na jaula do Deus cifrão Por isso lamento estas labaredas Consomem-me os ventos poluentes deste fogo do cifrão ardente. II "Lírios" Colhi lírios no teu corpo que é...

Bêbado

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Bêbado" Ah bêbado... Por que mágoas te rebelas, por que entraves por que aberrações(?) Ah bêbado... Se soubesses quantas soluções melhores encontrarias! Se procurasses ...! Se soubesses quanta dor...

Cartas à liberdade

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Argumentos para justificar a aplicação da lei da xambocada em Moçambique que não tem justificação" Houve xambocada para acabar com a candonga Houve...

Nas margens entre os dois rios

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "A desgraça dos poetas" Desgraçados dos poetas pensadores e reflexivos desgraçados dos poetas verdadeiros e apaixonados desgraçados dos poetas sonhadores e utópicos desgraçados dos poetas fracos e sensíveis desgraçados...

Gorongosa

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I Este poeta exilado não para de sucumbir As agruras do tempo dilaceram-no Voltai-lhe o rosto para o berço natal para que ele exale o seu último...

Há silêncio

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Jamusse" Num modesto bairro de caniço chuabo nasceu um menino misto que nem era branco nem era negro. Mas nunca pensara em raças ou cores nem rejeitara...

Monólogo de um mestiço

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Apesar do mar azul há pântanos de incertezas." II Sinto a acidez do ódio nas pálpebras da minha quietude. II "Mucutu" Saudade ancestral de passados que nos preenchem os vazios...

Tristeza

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I Venho de um país do início do mar onde toda a acosta é cromática e a lua arredonda nossa sina. Venho de um país de...

Pensamentos

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Interpelação" Sol que queimas do lado das planícies onde combate meu irmão que "novas" me trazes? E o sol em brasa responde: O mensageiro traz-nos "novas"...

O poder em África e a dominante estratégia da defesa de interesses externos

A durabilidade da permanência no poder não é uma questão irrisória, é uma questão fundamental. Na verdade sempre o foi. O multimilionário africano Mo Ibrahim...

Os poemas nunca são fechados

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I Nas alcovas do cifrão moram homens como nós ao portão uivam lobos canções sem melodia A alcateia é um convite velado à ilusão da utopia...

Martin Luther King Jr

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Refúgio" Um dia terei de plantar o verde do quintal no céu estrelado E então terei cactos de cimento pintados na terra! II "As duas faces do Cão Tinhoso" Cão...

Voz inquieta

Poemas de Delmar Maia Gonçalves I "Voz inquieta" Inquietem-se povos do mundo Sim, povos do mundo inteiro inquietem-se inquietem-se contra a injustiça ainda que isso vos custe o encarceramento ainda que isso...

Últimas notícias

- Publicidade -