Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Fevereiro 1, 2023

Em Outubro, balança comercial da China com quedas acima das esperadas

abrandamento-china

As exportações de Outubro cairam 7,3 por cento relativamente ao ano anterior, enquanto as importações encolheram 1,4 por cento; são dados oficiais desta terça-feira, que levantam temores de que uma recuperação mais ampla vista nos últimos meses poderá vacilar.

Enquanto dados recentes sugeriam a estabilidade na segunda maior economia do mundo, os analistas advertiam que um possível boom imobiliário, que gerou uma parte significativa do crescimento, poderia, no limite, estar a inflaccionar a procura de materiais de construção como o cimento e o aço.

Quedas na balança comercial

Com efeito, as importações da China de minério de ferro, petróleo, carvão e cobre cairam em Outubro, logo após os níveis de procura terem feito disparar os preços dessas matérias-primas.

Embora alguns analistas argumentassem que o declínio pudesse ser sazonal, dados da consultora Custeel.com sugeriam que as indústrias de siderurgia estavam a efectuar cortes e mesmo a iniciar o trabalho de manutenção mais cedo que o habitual, como reflexo das crescentes subidas nos preços das matérias-primas, tais como minério de ferro e o carvão, e a consequente diminuiçao de lucros.

Analistas consultados pela Reuters esperavam que as exportações de Outubro caissem 6 por cento face ao ano anterior, em comparação com uma contração de 10 por cento em Setembro. Por seu lado, nas importações esperava-se uma queda de 1 por cento após a descida em 1,9 por cento de Setembro.

“A nossa conclusão é que a procura externa permanece lenta mas não piorou significativamente. Embora tanto as exportações como as importações tenham ficado aquém das expectativas, melhoraram no espaço de um ano”.

Mesmo assim, as exportações da China nos primeiros 10 meses do ano cairam 7,7 por cento face ao mesmo período do ano anterior, enquanto as importações cairam 7,5 por cento.

As exportações bloquearam o crescimento econômico deste ano devido a uma procura global teimosamente lenta, obrigando os legisladores a depender de maiores gastos do governo e de empréstimos bancários para impulsionar a actividade económica. As fracas exportações consumiram 7,8 por cento do PIB do país nos primeiros três trimestres deste ano.

As importações caíram pelo segundo mês consecutivo, depois de terem subido, pela primeira vez em quase dois anos. em Agosto.

Esse facto deixou o país com um superávit de 49,06 mil milhões de dólares no mês de Outubro, contra previsões de 51,7 mil milhões e 41,99 mil milhões em Setembro.

Abrandamento previsível em 2017

Os números da importação de minério de ferro por parte da China, em Outubro, são os mais baixos desde Fevereiro, enquanto as importações de cobre, um material-chave usado na construção civil, baixaram para níveis de há 21 meses.

As importações de carvão cairam quase 12 por cento a partir de Setembro. O Ministério do comércio afirmou, na passada semana, que a China vai enfrentar grandes pressões no que concerne o comércio exterior no quarto trimestre, com as incertezas a manterem-se em 2017.

Fonte: Reuters

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -