Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Julho 19, 2024

Sou de esquerda e defendo os valores de esquerda com muito orgulho

Fernando Rodrigues, em Lyon
Fernando Rodrigues, em Lyon
Melómano e activista social

Actualmente existe uma moda mundial na Politica de achar que os valores de esquerda e direita são todos a mesma coisa e assim “meter tudo no mesmo saco”. Esta moda conseguiu convencer que isso de esquerda ou direita é velho e está ultrapassado.Mas porque existe essa moda? Nada acontece por acaso e não é por acaso que milhões de pessoas no mundo pensam e defendem assim. É urgente analisar e estudar as causas que levaram a que essa moda se tenha instalado com um sucesso tão grande que está a mudar o mundo e infelizmente para muito pior.

Após a queda do Muro de Berlim o mundo mudou e a correlação de forças na sociedade também. Isso levou a que o ultra liberalismo extremista conseguisse chegar ao poder mundial, impondo as suas leis e um pensamento único: no fundo uma ditadura extremista disfarçada de democracia.

Como o conseguiu? Através do domínio dos meios de comunicação social e impondo uma visão única de sociedade; domínio da classe política, transformada num corpo de funcionários dessa ditadura ultra liberal extremista; políticas totalmente viradas para o endividamento colectivo e individual, transformando os Países e os Povos em escravos do crédito e da dívida; mudança de mentalidade, de colectiva para individual e egoísta; domínio absoluto da Internacional Socialista e Social-democrata através da corrupção e de um sistema mafioso; saque de todas as riquezas mundiais pela força das armas. Estas foram as bases para o domínio da ditadura mundial após a queda do Muro de Berlim.

As forças de esquerda e os Sindicatos não estavam minimamente preparados para esta mudança, em parte porque ficaram KO com a queda do Muro de Berlim, noutra parte porque não a compreenderam, lutando entre si, principalmente os Trotskistas que acreditaram que finalmente as suas teses iriam vencer e derrotar todos aqueles que ficaram atordoados com a queda do Muro de Berlim, e ainda, rm terceiro lugar, porque a esquerda Socialista e Social-democrata se entregaram totalmente nas mãos da nova ditadura ultra liberal extremista aliciada pelo dinheiro que conseguia ganhar, através da corrupção e de um sistema mafioso.

Perante o atrás exposto o que aconteceu? Os ultras liberais extremistas criaram um sistema, pseudo-democrático, uma espécie de jogo entre dois sócios, a direita e a Internacional socialista e social-democrata, dando a ilusão aos povos que tinham escolha democrática, mas não tinham pois as politicas aplicadas no Mundo eram de sentido único: Governo de direita ou Governo “socialista/social-democrata” defendem exactamente as mesmas politicas ultra liberais extremistas – privatização total da sociedade, nomeadamente dos lucros, nacionalização dos prejuízos.

Lucro máximo para os accionistas, escravidão e ordenados de miséria para os trabalhadores, descapitalização total dos Países através da fuga de capitais para Paraísos Fiscais, todos os direitos e regalias das classes trabalhadoras, conseguidos no século XX, excluídos e substituídos pela lei da selva do “salve-se quem puder”, individualismo máximo e luta entre as classes trabalhadoras de forma individual e egoísta, retirando força aos Sindicatos ou, se possível, acabar com eles.

Perante isto a referida moda do “todos iguais” tem razão de ser e é concreta e real. É verdade, sim: é exactamente igual ter um Governo de direita ou um governo “Socialista ou Social-democrata”, actualmente. Como é lógico existem pequenas nuances senão seria descarado de mais; nuances de pouca importância e que levam a que os Povos balancem entre a direita e a Internacional Socialista, mas o resultado final é exactamente o mesmo.

Mas…. O sistema ultra liberal extremista compreendeu ainda que tudo isto podia levar a que as classes trabalhadoras devido ao elevado sistema de escravatura se podiam revoltar ou cair para o lado das forças verdadeiramente de esquerda e colocar em perigo a sua ditadura. Como tem muita experiência no assunto foi buscar uma das suas armas mais poderosas já utilizada varias vezes durante os séculos em que lutou e dominou o poder, desta vez com duas vertentes para não correr quaisquer riscos: a primeira vertente criou os movimentos da moda do “são todos iguais”, que afirmam que não ser de direita nem de esquerda, mas que no fundo resultam da união efectiva entra a direita e a Internacional socialista / Social-democrata. São na prática o verdadeiro Partido do sistema, exemplos concretos disso são TRUMP e MACRON. Segunda vertente a extrema-direita procurou captar todos os descontentes e enfraquecer as forças verdadeiramente de esquerda e os Sindicatos. Isto não é novo, já com Mussolini e Hitler, nos anos 20, essas tropas de choque tinham sido utilizadas pelo sistema para derrotar as forças verdadeiramente de esquerda e os sindicatos.

Perante esta catástrofe Mundial o que devem fazer a esquerda e os Sindicatos? Primeiro ponto sair do Burguesismo em que caíram, sair do quentinho do Parlamento, recuar, dar um passo atrás, reorganizar as suas bases, sair do casulo e deixar de trabalhar em circuito fechado: Parlamento, militantes. As forças verdadeiramente de esquerda e Sindicais, estão a cometer erros enormes querendo lutar com pedras contra um sistema que utiliza “armas nucleares”.

As forças de esquerda e Sindicais cometeram o enorme erro de pensar que no Parlamento podiam lutar contra o sistema. Tal não é possível e as provas estão bem à vista. A luta dos Partidos de esquerda tem de ser em primeiro lugar nas ruas, nas fábricas, nos locais de trabalho, junto dos trabalhadores. A luta Parlamentar nunca pode estar em primeiro lugar, como acontece neste momento. As forças de esquerda e Sindicais têm de recuar, fazer um trabalho de politização, explicar o que são os valores de esquerda, milhares de vezes, em todos os lugares onde tal for possível. Voltar de novo ao trabalho de base concreto e realista. Por exemplo, em Portugal, é um erro enorme das forças de esquerda e Sindicais, levarem ao colo o PS. Isso vai ter resultados catastróficos para as forças de esquerda, para os Sindicatos e para as Classes trabalhadoras.

As forças de esquerda e Sindicais, a nível mundial, têm culpas enormes ao deixar, e em alguns casos serem cúmplices, avançar a moda do “todos iguais” metendo todos no mesmo saco e isso está a ter resultados catastróficos.

Acordar, reorganizar-se, voltar aos fundamentos de esquerda, defender por todos os meios disponíveis os valores de esquerda. É essencial explicar milhares de vezes o que são os valores de esquerda, no fundo e resumindo. é preciso derrotar a moda do “todos iguais”, que é uma das bases, talvez a mais importante, de que a ditadura que comanda o Mundo utiliza: o analfabetismo político.

Por isso os TRUMP e os MACRON estão a chegar ao poder em todo o lado, por isso a extrema-direita tem uma importância enorme no Mundo de novo e consegue chegar de novo ao poder. Por isso a esquerda está sendo derrotada em todo o lado e em muitos lugares aniquilada, por isso os Sindicatos perderam força e influência e estão a ser massacrados.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -