Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Dezembro 5, 2021

EUA: greve paralisa a GM

José Carlos Ruy, em São Paulo
Jornalista e escritor.

Quase 50.000 trabalhadores do UAW (United Automobile Workers – Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Automobilística) estão em greve na GM, contra um sistema de trabalho de dois níveis que mina a solidariedade dos trabalhadores. A batalha é piorada pois enfrenta também acusações de corrupção contra a própria liderança sindical.

por Jane Slaughter e Chris Brooks

Quarenta e nove mil trabalhadores da indústria automobilística estão em greve na General Motors, a maior paralisação do setor privado desde 2007.

A produção parou em cinquenta e cinco fábricas e centros de peças. Segundo vários analistas, a greve pode custar, em lucros, para a GM, entre 50 milhões a 100 milhões de dólares por dia. Antes da greve, a empresa esperava faturar 3,5 bilhões de dólares apenas neste trimestre.

Entrar em greve foi “assustador e animador ao mesmo tempo”, disse Shawn Edwards, uma trabalhadora da GM em Detroit-Hamtramck, há três anos no emprego. “É assustador porque temos vidas a manter e não sabemos quanto tempo ficaremos parados. É animador porque estamos nos posicionando”, disse ela. “Não estamos aceitando concessões de uma empresa com lucros de bilhões de dólares. ”

Os grevistas esperam recuperar o terreno perdido desde que o United Auto Workers (UAW) concordou com os salários de dois níveis em 2007, na Grande Recessão, seguidos pelo resgate da indústria de automóveis, quando a GM recebeu 50 bilhões de dólares do governo e ainda mais concessões.

Desde então, a empresa se recuperou, gerando 35 bilhões dedólares em lucros nos últimos três anos. A GM não pagou imposto de renda federal no ano passado, mas pagou 22 milhões de dólares à executiva Mary Barra.

No entanto, trabalhadores sindicalizados, cujos contratos já foram a principal estrela do setor privado, continuam a ficar para trás, à medida que a GM enche suas fábricas com trabalhadores temporários precarizados, e outros de uma subsidiária chamada GM Subsystems, todos com salários baixos e fazendo um trabalho antes feito por funcionários regulares da GM. Como uma indicação da queda nos números e no poder dos sindicatos, quando o UAW parou a GM por dois dias, em 2007, a força de trabalho era de 74.000 trablhadores.

Insatisfeita, a GM exige mais concessões de seus funcionários sobrecarregados, um sinal de que a empresa vê o UAW como um inimigo fácil.

Piquetes na fábrica de montagem da GM em Detroit, em 16 de setembro, mostraram que a igualdade entre trabalhadores temporários e trabalhadores de segundo escalão era sua prioridade.
Hoje, os trabalhadores terceirizados ganham menos de 15 dólares por hora; antes, eles seriam funcionários diretos da GM e cobertos pelo contrato negociado pelo sindicato, que paga o dobro aos trabalhadores do Nível Um: cerca de 31 dólares.

A fábrica da GM em Spring Hill, Tennessee, tem 5.200 funcionários. Mas apenas 3.600 estão sob o contrato da GM. Os outros são considerados “parceiros fornecedores” e trabalham para empresas independentes no local.

No GM Tech Center, nos arredores de Detroit, há 1.300 trabalhadores empregados pela GM e 550 empregados pela Aramark, realizando trabalhos de zeladoria e qualificados.
Michael Mucci, da Detroit-Hamtramck, disse que literalmente aceitou o emprego de seu pai – mas o empregador de seu pai era a GM e ele é o Aramark. “Eu tenho os mesmos chefes que ele”, disse Mucci.

A GM enfraquece ainda mais os padrões, contando com os chamados trabalhadores temporários, ou “permatemps”, que fazem os mesmos trabalhos que os trabalhadores regulares e têm salários muito menores – cerca de 15 dólares por hora – e benefícios piores.

“Como temporária, você não tem absolutamente nenhum direito”, disse uma trabalhadora. Os funcionários temporários podem perder apenas três dias de trabalho por ano, sem remuneração, com aprovação prévia e podem ser forçados a trabalhar semanas de sete dias. Muitos o mantêm por anos na esperança de eventualmente serem elevados ao que a GM chama de status “em progressão” (Nível Dois).

Na última semana de fevereiro, quando as verificações da participação nos lucros chegam, temos dois trabalhadores lado a lado que fizeram o mesmo trabalho durante todo o ano e um recebe 11.000 dólares e o outro não recebe nada”.

Quando o tempo foi autorizado pela primeira vez anos atrás, as três grandes montadoras (Ford, GM e Chrysler) disseram que iriam substituir os ausentes. Mas agora a GM diz que 7% de sua força de trabalho é temporária. Segundo Herron, existem mais de 200 em Spring Hill.

“Esses trabalhadores não estão preenchendo um buraco de noventa dias para que outro trabalhador possa sair de férias”, disse ele. “Eles trabalham toda semana por três anos sem parar. Então eles merecem ser compensados como qualquer outra pessoa.”


por Jane Slaughter e Chris Brooks. Jane Slaughter é jornalista e membro do DSA em Detroit / Chris Brooks é jornalista  | Texto em português do Brasil, em que resumo, adaptação e tradução é de José Carlos Ruy

Exclusivo Editorial PV (Fonte: Jacobin)/ Tornado


Transferência Bancária

Nome: Quarto Poder Associação Cívica e Cultural
Banco: Montepio Geral
IBAN: PT50 0036 0039 9910 0321 080 93
SWIFT/BIC: MPIOPTPL

Pagamento de Serviços

Entidade: 21 312
Referência: 122 651 941
Valor: (desde €1)

Pagamento PayPal

Envie-nos o comprovativo para o seguinte endereço electrónico: [email protected]

Ao fazer o envio, indique o seu nome, número de contribuinte e morada, que oportunamente lhe enviaremos um recibo via e-mail.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -