Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Janeiro 22, 2022

Europa: Semana de acção contra a deportação de afegãos

Amnistia Internacional mobiliza em toda a Europa semana de acção contra a deportação de afegãos.

Em recente public statement a Amnistia Internacional insta os governos da Europa a porem fim imediatamente às deportações de requerentes de asilo para o Afeganistão, onde estas pessoas enfrentam manifesta falta de segurança e são colocadas em risco de morte e de tortura, numa clara violação da lei internacional.

Mobilizar a Europa contra a deportação de afegãos

Esta declaração pública é emitida em plena semana de acção (6-10 de Outubro) contra as deportações de afegãos por países europeus, e durante a qual a organização de direitos humanos mobiliza uma série de iniciativas, incluindo uma acção junto ao edifício do Parlamento Europeu na próxima quarta-feira, 10 de Outubro, dia em que membros do Parlamento Europeu e responsáveis da Comissão Europeia se reúnem para debater os regressos forçados de afegãos.

Ao forçar um número crescente de pessoas a retornar ao Afeganistão nos últimos dois anos, os governos da Europa colocaram dezenas de milhares de vidas em risco imediato. O Afeganistão não é um lugar seguro. Reivindicar o contrário é uma negação do derramamento de sangue em massa visto no chão”.

Esta semana de acção deve servir como um lembrete para os governos nacionais da UE e da Europa sobre as suas responsabilidades sob o direito internacional. Os líderes do continente nunca devem abandonar os que fogem do conflito e da violência, quanto mais enviá-los para o perigo”.

A Amnistia Internacional tem documentado como requerentes de asilo afegãos têm vindo a ser forçados por Estados europeus a voltar ao país de origem.  Por exemplo, o relatório de investigação publicado em Outubro de 2017,  intitulado Forced Back to Danger: Asylum-Seekers Returned from Europe to Afghanistan” (Forçados a voltar ao perigo: requerentes de asilo devolvidos da Europa ao Afeganistão). Onde se detalha casos lancinantes de afegãos sujeitos a retornos forçados pela Noruega, Holanda, Suécia e Alemanha e que acabaram por ser mortos, feridos em ataques à bomba ou abandonados a uma vida de terror profundo de serem perseguidos devido à sua orientação sexual ou conversação ao cristianismo.

Apelo que visa impedir a estudante Taibeh Abbasi de ser deportada para o Afeganistão!

A história de Taibeh começou por ser de esperança. Após a sua família ter fugido de um Afeganistão dilacerado pela guerra, enfrentaram a discriminação, no Irão, antes de encontrarem a segurança que procuravam na Noruega. Após tantas tormentas foi-lhe finalmente permitido sonhar vir a ser médica, fez da Noruega a sua casa, fez amigos e pôde continuar os seus estudos.

Mas tudo isso mudou quando, dois anos depois, o governo norueguês reverteu a sua decisão. Disseram à família que teriam que deixar a sua casa e seriam deportados para o Afeganistão, um sítio onde Taibeh nunca esteve e que sabemos não ser um local seguro.

Mas Taibeh não está sozinha. Os seus colegas e amigos começaram uma campanha para impedir a sua deportação, organizando um protesto com milhares de pessoas que demonstraram o seu apoio a Taibeh. Agora, mais do que nunca, eles precisam da nossa ajuda, já que tanto ela como a sua família podem ser deportados a qualquer instante.

Não vejo futuro nenhum para mim e para os meus irmãos no Afeganistão. As únicas imagens que surgem na minha mente são negativas.”

Petição em defesa da jovem Taibeh Abbasi

A organização de direitos humanos mantém uma petição em defesa da jovem Taibeh Abbasi, que permanece em risco iminente de deportação para o Afeganistão: É urgente impedir a deportação de Taibeh!

 

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -