Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 6, 2022

Fuja: uma animação documental poderosa sobre refugiados de guerra

É o primeiro filme da história do Oscar a ser indicado para melhor filme estrangeiro, animação e documentário, falando sobre um cidadão dinamarquês gay e ex-refugiado afegão.

por Yael Friedman e Deborah Shaw, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O documentário animado dinamarquês Flee, dirigido por Jonas Poher Rasmussen, é um feito poderoso de narrativa. Tanto que ganhou vários prêmios e indicações.

Flee conta a história de Amin Nawabi, um cidadão dinamarquês gay e ex-refugiado afegão que se tornou um acadêmico de sucesso. O público viaja com Amin enquanto ele relembra sua infância em Cabul, no Afeganistão, durante a ascensão dos Mujahideen, e a fuga de sua família do país, pois temem por suas vidas no final dos anos 1980.

É o primeiro filme da história do Oscar a ser indicado para melhor filme internacional, animação e documentário. Esses prêmios e indicações falam sobre a importância e o potencial dos documentários animados para alcançar o público global e iluminar as principais questões sociais.

À primeira vista, documentários animados podem parecer uma contradição em termos. A animação é comumente associada à comédia, entretenimento infantil e fantasia. Os documentários estão associados à representação de realidades sociais e políticas por meio de evidências visíveis. A primeira implica escapismo e subjetividade, enquanto a segunda um grau de objetividade e uma forma de evidência fotográfica ou arquivística.

No entanto, a animação tem uma longa história de uso como ferramenta para expressar comentários políticos e sociais, e foi usada em documentários já em 1918. Flee segue outros filmes de animação de zonas de conflito que fizeram sucesso internacional, Persépolis (2007) e Valsa com Bashir (2008). Esses filmes usam a animação como meio de mediar as realidades do trauma da guerra de um ponto de vista subjetivo.

Fuja, o poder da animação e a perspectiva pessoal

O cineasta, Jonas Rasmussen, é amigo de Amin desde que estudavam juntos. O relacionamento deles é fundamental para criar um retrato íntimo da vida de um refugiado, pois Rasmussen entrevista seu amigo de uma maneira que lembra a terapia. Isso permite que Amin conte sua própria história de fugir do Afeganistão quando adolescente para a Rússia e sua subsequente jornada para a Dinamarca.

Em documentários animados, a animação geralmente é um substituto para o que a ação ao vivo não pode retratar. Ele tende a se mover em um eixo entre o realismo e a abstração. Em Fuga a escolha de usar a animação também emanava das circunstâncias políticas de ser refugiado. O formulário permite o anonimato necessário que protege a identidade do protagonista (Amin é um pseudônimo).

Como o filme se relaciona com eventos reais, era importante que o estilo de animação mantivesse uma conexão com a realidade. A estética do filme é, portanto, amplamente realista. Desenhando cenas da perspectiva de uma câmera imaginária de ação ao vivo, o filme segue muitas convenções visuais dos filmes documentários.

O filme também intercala imagens de notícias com lembranças animadas de Amin. Isso fornece o contexto histórico e, combinado com a animação realista, coloca a história individual de Amin dentro das realidades sociais e históricas compartilhadas por muitos requerentes de asilo que fugiram do Afeganistão no final dos anos 1980.

Onde a natureza libertadora da animação toma forma plena é em partes do filme que envolvem as memórias traumáticas de Amin. Estes são representados usando imagens mais abstratas e poéticas.

Um de nós (Yael) escreveu recentemente um capítulo de um livro sobre animação no Oriente Médio. Ela argumenta que a animação funciona evocativamente para visualizar a natureza “invisível” do trauma, permitindo-nos vislumbrar a subjetividade dos protagonistas. Isto, argumentamos, é onde a animação em Fuja tem o potencial de quebrar a representação estereotipada de refugiados, homossexualidade, muçulmanos e afegãos.

O papel do cinema na humanização dos requerentes de asilo

Filmes que apresentam os pontos de vista dos requerentes de asilo desafiam as visões anti-imigrantes na mídia e os políticos que os retratam como criminosos. Fugir ajuda bastante a combater essas narrativas prejudiciais que continuam a moldar a experiência dos refugiados hoje. Ao retratar uma experiência dos anos 1980, o filme transcende seu momento histórico ao apresentar paralelos apontados com a geopolítica do nosso momento atual.

Flee desafia a narrativa prejudicial estereotipada de refugiados apresentando uma história difícil, mas também comovente, de um homem multifacetado. FinalCutforReal

Em particular, o filme ressoa com eventos contemporâneos em torno das falhas na proteção dos refugiados afegãos após a retirada das forças americanas e internacionais em 2021, o que levou o Talibã a tomar o controle do país.

O filme também destaca as diferenças na experiência contemporânea dos refugiados. A fuga pode ser vista como um impulso de relações públicas para a Dinamarca, um país que aceita e integra requerentes de asilo. No entanto, a realidade que Amin enfrentaria hoje é muito diferente. Com o nacionalismo aumentando em todo o mundo, as políticas que restringem a migração e o asilo estão em ascensão. Sob as atuais políticas de asilo dinamarqueses, parece menos provável que ele tenha recebido asilo.

O governo dinamarquês está tentando impedir pedidos de asilo com uma nova legislação que permite que refugiados sejam deportados de países terceiros onde seus pedidos devem ser processados. Esta é uma medida que preocupou estudiosos de direitos humanos e instituições da UE.

Através da lente libertadora da animação, Flee apresenta uma história comovente de um homem que recebe outra chance de viver, amar e prosperar. Isso nos mostra que o mundo deu passos para trás nos últimos anos, mostrando uma Dinamarca mais acolhedora do passado. Vamos torcer para que os governos que definem as políticas de imigração prestem atenção a essa história e aprendam as histórias por trás das estatísticas, antes de rejeitar os requerentes de asilo que as políticas ocidentais ajudaram a criar.


por Yael Friedman e Deborah Shaw, em The Conversation |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Yael Friedman é professora principal em teoria e prática cinematográfica, Universidade de Portsmouth
  • Deborah Shaw é professora de Cinema e Estudos de Tela, Universidade de Portsmouth

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Além Tejo (1)

Titãs cantam: “Comida”

Caminhar

- Publicidade -