Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Dezembro 8, 2021

Henrique Neto ao ataque, Sampaio da Nóvoa à defesa

debatenovoaneto (5)

Os candidatos presidenciais Sampaio da Nóvoa e Henrique Neto foram aos respectivos percursos políticos e profissionais buscar argumentos para que os portugueses votem neles, em mais um debate presidencial, este transmitido na RTP.

Sampaio da Nóvoa lembrou a sua experiência universitária, em especial o processo, que liderou, de fusão entre a Universidade de Lisboa e a Universidade Técnica de Lisboa e as dificuldades que teve de vencer para justificar estar bem preparado para o cargo e sintonizado com os grandes problemas e desafios do país.

Henrique Neto apresentou como um dos principais trunfos ter sido durante seis anos “crítico activo da governação de José Sócrates”, tendo alertado, em devido tempo, para as consequências negativas que a política seguida teria para o país. Em face da dívida herdada, admite que a austeridade levada a cabo por Passos Coelho seria necessária, mas contesta a divisão de sacrifícios que foi feita e que penalizou, essencialmente, a classe média.

Quanto a Sampaio da Nóvoa, criticou que se tivesse mantido calado, apenas se manifestando contra uma medida “corporativa” tomada pelo governo de José Sócrates. No discurso do seu opositor de debate apenas vê “um vazio de ideias e de propostas”.

Acusações rejeitadas por Sampaio da Nóvoa. O ex-reitor diz que, pelo contrário, sempre foi muito interventivo, sempre disse o que pensava e que, na altura, acusavam-no era de falar de mais e não do contrário. Quanto ao futuro do país, considera que ele passa essencialmente pela juventude e por áreas que conhece bem, as da educação, qualificação e conhecimento. No que diz respeito ao seu posicionamento político, assumiu-se como “mais próximo de governações e dimensão que tenham a ver com forças políticas à esquerda” e garantiu que se candidata contra austeridade.

O debate foi marcado por consecutivos ataques políticos de Henrique Neto, que, por várias vezes, acusou o seu opositor de dizer pouco mais que banalidade e de não ter noção da realidade concreta da esmagadora maioria dos cidadãos. E entre ataques de um e defesas do outro lado esgotou-se o tempo do debate, numa altura em que ambos se preparavam para  começar a discutir temas concretos dos seus programas.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -