Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Junho 22, 2024

Interesses inconfessáveis na entrega da Embraer à Boeing

Presidente da Abradin: “entrega da Embraer para a Boeing envolve interesses inconfessáveis”.

O economista Aurélio Valporto, presidente da Associação dos Investidores Minoritários do Brasil (Abradin), afirmou que a entrega da Embraer para a Boeing é um negócio lesivo aos interesses nacionais, que atende prioritariamente à necessidade da fabricante de aviões norte-americana de superar o atraso tecnológico que a colocou em desvantagem no seguimento de jatos para suprir o cobiçado mercado internacional de aviação regional.

A verdade é que o departamento de projetos da Boeing está velho e ultrapassado, seus projetos não têm condições tecnológicas de concorrer com as novas versões do A320 (produzidos pela Airbus)”.

O presidente da Abradin adverte, em artigo publicado no portal Viu!, que interesses obscuros envolvem a entrega da Embraer para a fabricante de aviões dos EUA.

Está claro que qualquer um que conheça as ‘entranhas’ desta verdadeira negociata e ainda assim defenda a concretização das negociações está, na verdade, defendendo interesses inconfessáveis”, denuncia o economista.

Aurélio Valporto aponta que a Boeing teve sérios problemas com seu Boeing a 737-MAX, a quarta geração da família 737, “que resultaram não somente numa turbina menos eficiente por conta de problemas de projeto no trem de pouso mas, aparentemente, problemas eletrônicos e de projeto graves que resultaram em acidentes fatais que resultaram na morte de todos os ocupantes”.

Por outro lado, a Embraer tem um corpo de projetistas extremamente capacitado, bem como projeta e fabrica trens de pouso, através da sua subsidiária ELEB, uma das cobiças da Boeing para resolver suas deficiências em trens de pouso. No entendimento de muitos engenheiros da própria Embraer, ela é a única empresa capacitada a concorrer com a Airbus no segmento de 150 a 220 passageiros no futuro próximo, uma vez que, com o fracasso de projeto do 737-MAX, a Boeing não tem mais esta capacidade”, diz.

O presidente da Abradin avalia que, por estar em desvantagem na disputa com a rival francesa, a compra da Embraer passou a ser uma prioridade para Boeing, e não só a divisão de jatos comerciais, mas todo o corpo de projetistas, que são os mesmos que projetam aeronaves militares e executivas.

“Como está também no pacote, a ELEB, subsidiária da Embraer que fabrica trens de pouso, com ela a Boeing ganhará capacidade de projetar e desenvolver trens de pouso, um dos ‘calcanhares de Aquiles’ de seus aviões”, enfatiza.

Valporto alerta ainda que a divisão de projetos militares da companhia brasileira ficará seriamente comprometida, uma vez que “não existe diferença entre corpo de projetistas de aeronaves militares e civis”. Ele observa que os técnicos são os mesmos que projetam asas e fuselagens para aviões civis e militares e que, portanto, dizer que a Embraer ficará com estes segmentos é uma falácia. “Com a perda do setor de projetos, ela perderá a capacidade de projetar e desenvolver qualquer tipo de aeronave”, observou.

“Como se não bastasse, o acordo prevê ainda a transferência, também, da linha de produção do novo jato de transporte militar da Embraer, o KC-390, para os Estados Unidos. É interessante notar que a Boeing não garantiu a venda de um único avião KC-390, não apresentou uma única encomenda, mas vai transferir a linha, de propriedade do governo brasileiro, da FAB, para os EUA bem como se apossará das licenças de propriedade da FAB”, denuncia.


Fonte: Hora do Povo   | Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -