Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

A era da intolerância

Beatriz Aquino
Formada em Publicidade e Propaganda. É escritora e atriz de teatro. Nascida no Brasil a viver em Portugal.

O início do Século XXI, do terrorismo islâmico à pandemia, e o virus contra os efeitos da liberdade e da globalização na Sociedade da Informação

Por Thales Guaracy

Sinopse

Em “A Era da Intolerância”, que está sendo lançado nesta quinta feira, 29 de julho, o jornalista e cientista social Thales Guaracy coloca em perspectiva a história do início do Século XXI, do atentado às torres gêmeas em Nova York à pandemia do coronavírus – duas décadas que marcam o fim do capitalismo industrial e o surgimento da Sociedade da Informação, com seus avanços, conflitos, incertezas e dramas.

À luz dos acontecimentos econômicos, políticos e sociais, dentro e fora do Brasil, Guaracy identifica o fator comum a fenômenos como a expansão do fundamentalismo religioso, do radicalismo político, da xenofobia e das rivalidades nacionais, que reacenderam o clima da antiga Guerra Fria.

Analisa os males surgidos com a revolução tecnológica, incluindo a concentração de renda, o desemprego, a informalização da economia e a exclusão social. Mostra a explosão da miséria e a consolidação do crime organizado nos países em desenvolvimento, o conflito da imigração nos países desenvolvidos e a dificuldade crescente dos enfraquecidos Estados nacionais para formular políticas públicas capazes de reduzir o estresse social.

Esse cenário deu início a uma resposta conservadora e nacionalista também planetária contra a liberdade e a globalização, que sofreu seu maior abalo com o cataclisma pandêmico, elevando a crise à dimensão das pragas bíblicas. A era de liberdade sem fronteiras passou a ser confrontada com um reacionarismo que poderia ser apenas um espasmo de morte do passado ou uma guinada para o surgimento de regimes totalitaristas.

O estado de tensão espalhou-se desde a microfísica social – da multiplicação de correntes de ódio nas redes digitais à popularização de esportes apologéticos da violência. Como sempre, a intolerância é transmitida do plano individual para a sociedade e vice-versa, instrumentalizada de forma a proteger ou justificar a prevalência de grupos de interesse, diante da escassez no presente e da incerteza quanto ao futuro. Dessa vez, porém, ganhou força exponencial por uma combinação do crescimento popupalcional com o surgimento de sofisticados instrumentos criados pela liberdade. Especialmente as redes sociais, onde a intolerância, assim como um vírus, ganhou o “ambiente ideal para proliferar”.

Num planeta colocado frente aos desafios da superpopulação, da ameaça climática e da crise econômica estrutural, acentuada pela paralisação e o medo coletivo gerados pelo coronavírus, “A Era da Intolerância” aponta para os perigos dessa outra pandemia planetária, cevadora do ódio, do conflito, da arbitrariedade e da violência em potencial. E as soluções, de forma a proteger e avançar nas conquistas da igualdade, da liberdade e outros valores humanistas sobre os quais se fundam as sociedades democráticas.

História da inseminação do passado no presente, ou ensaio sobre o equilíbrio orgânico da civilização, “A Era da Intolerância” afirma o princípio de que somente a liberdade pode resolver os problemas criados pela própria liberdade. E resulta numa obra para figurar não somente na galeria das grandes reportagens históricas como também dos ensaios essenciais ao entendimento e a criação de soluções para a sociedade, hoje e em todos os tempos.

 

O autor

Thales Guaracy

Thales Guaracy é jornalista e cientista social, formado pela Universidade de São Paulo (USP). Ganhador do Prêmio Esso de Jornalismo Político, foi editor dos principais veículos de comunicação brasileiros, como Veja e Exame, e lançou a versão brasileira da revista americana de negócios Forbes. Como autor, publicou best sellers como o Sonho Brasileiro e A Conquista do Brasil 1500-1600 (Ed. Planeta, 2016), hoje na quinta edição, lançado pela Planeta também em Portugal. Seu livro mais recente é A Criação do Brasil 1600-1700 (ed. Planeta, 2018). É também autor de obras de ficção como Anita (Editora Record, 2017, Editora Quatro Estações, Lisboa) e Amor e Tempestade (Suma de Letras, 2009).

 

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -