Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

Mas milhões então se conta como?

O desemprego aumenta a fome também, enquanto se concentram no oportunismo da pandemia, os males desfilam pela nossa realidade marcando a amarelo desespero a bandeira dos 45 anos de independência.

Estávamos na quarta classe, quando começamos a ter contacto direito com cálculos ” monstruosos” e o infinito parecia cada vez mais próximo, as ” contas mais difíceis eram contornadas com um simples NTS (Não tem solução)… Mais lá prá frente descobrimos que tudo tinha solução e o não tem remédio é para ir remediando… Nunca tive necessidade de memorizar quantos zeros tem o milhão… Pois tenho sempre a cabeça num turbilhão de cálculos para a sobrevivência… Mas hoje conta-se tudo aos milhões… Um retorno do tempo que todos os angolanos eram milionários e vivia-se em grande, cobertos por uma ilusão óptica, de um milagroso oásis destinado a quem sabia ficar calado.

“Ché menino não fala politica” alertava-nos a velha Chica enfeitada nos seus panos pretos luto… Enquanto enxaguava a roupa do patrão com lágrimas nostálgicas… E aos remendos a vida continuava suportando toda tristeza e no trago amargo acalmava a ansiedade… No balaio repleto de promessas eleitorais deambula pelas estradas a procura pelo menos de dois zeros para o pão dos seus…

Enquanto uns brincam aos milhões outros sobrevivem, lutando para destruir os grilhões da pobreza e do conformismo.

O amor à camisola rasgado, patriotismo vendido e hino sem coro.

O desemprego aumenta a fome também, enquanto se concentram no oportunismo da pandemia, os males desfilam pela nossa realidade marcando a amarelo desespero a bandeira dos 45 anos de independência.

Angola tu és capaz.

A fé foi castrada na promessa de divisão do dizimo, a convertendo almas em cifrões… O comboio para a terra prometida segue repleto de saques mentais e materiais, com a promessa do “vão gostar” … Como não gostar do paraíso? Como entrar num paraíso trancado? Tudo foi simplificado numa relação entre o homem e Deus… Sem mediadores, sem cobradores de imposto.

Angola é de todos nós.


A autora escreve em PT Angola


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -