Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Setembro 18, 2021

Medir os primeiros 100 dias de um presidente remonta ao New Deal

Franklin D. Roosevelt não planejava se colocar sob escrutínio. Em vez disso, ele tinha em mente medir as conquistas do New Deal dos primeiros 100 dias de uma sessão especial do Congresso naquele ano.

por Robert Speel, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Durante os primeiros 100 dias de Joe Biden como presidente, ele assinou 11 projetos de lei.

Um deles foi o proeminente Ato do Plano de Resgate Americano de 2021, destinado a proporcionar amplo alívio econômico e aumentar a distribuição das vacinas covid-19. Outra lei, não tão ampla, adicionou gergelim à lista de alérgenos para requisitos de rotulagem de alimentos. Um terço permite que senadores dos EUA e comitês do Senado compartilhem funcionários.

A maioria das novas leis federais remanescentes este ano diz respeito a outras medidas de alívio pandêmica ou a questões de saúde pública.

Outras propostas políticas do presidente Biden estão esbarrando no bloqueio conhecido como Senado dos Estados Unidos, o que pode explicar por que ele também assinou 60 ações executivas que não requerem a cooperação do Congresso. Muitos deles inverteram as políticas de seu antecessor.

Mas de onde surgiu a tradição de usar os primeiros 100 dias de um presidente para avaliá-lo?

 

Criando o conceito

A ideia começou em 1933 com Franklin D. Roosevelt. FDR não planejava se colocar sob escrutínio. Em vez disso, ele tinha em mente medir as conquistas do New Deal dos primeiros 100 dias de uma sessão especial do Congresso naquele ano.

Em um bate-papo de 24 de julho, FDR referiu-se aos “eventos de aglomeração dos 100 dias que haviam sido dedicados ao início das rodas do New Deal”.

Nas décadas seguintes, jornalistas, historiadores e cientistas políticos continuaram a prática de buscar realizações nos primeiros meses de uma presidência.

Durante esses 100 dias, a FDR recebeu muitos projetos de lei importantes no Congresso para combater a crise econômica da Grande Depressão. Essas contas criaram a Administração de Obras Públicas e o Corpo de Conservação Civil para fornecer oportunidades de trabalho, a Federal Deposit Insurance Corp. para garantir depósitos bancários e a Autoridade do Vale do Tennessee para fornecer eletricidade rural. Essa onda de atividade tornou-se o padrão pelo qual os futuros presidentes seriam julgados. A maioria foi curta.

Em um estudo de 2001, os cientistas políticos John Frendreis, Raymond Tatalovich e Jon Schaff determinaram que os presidentes que seguiram a FDR não chegaram perto de seus níveis de sucesso em ver projetos de lei propostos serem aprovados em lei tão cedo em suas administrações. Os autores atribuíram isso a mudanças no Congresso que atrasaram o processo legislativo.

Vamos considerar como os presidentes se saíram.

 

Truman para Clinton

Após a morte da FDR, os primeiros 100 dias de Harry Truman foram focados nas batalhas finais da Segunda Guerra Mundial, com a rendição da Alemanha ocorrendo menos de um mês após Truman tomar posse.

Os primeiros 100 dias de Dwight Eisenhower foram igualmente dominados pela política externa, incluindo a morte do líder da União Soviética Joseph Stalin e as negociações para acabar com a Guerra da Coreia.

John Kennedy assumiu o cargo com uma agenda ambiciosa, que incluía a criação do Corpo de Paz, mas seus primeiros 100 dias são provavelmente mais lembrados pela desastrosa invasão da Baía dos Porcos de Cuba.

Os primeiros 100 dias de Lyndon Johnson foram consumidos em grande parte por lidar com as consequências do assassinato de Kennedy, mas a LBJ também usou o período e o legado de Kennedy para começar as bases para aprovar grandes direitos civis e a guerra contra a legislação sobre a pobreza.

Enquanto Richard Nixon também promoveu uma ambiciosa agenda doméstica na Casa Branca, seus primeiros 100 dias não continham grandes conquistas. Nixon disse aos repórteres: “Eu não conto nem os dias nem as horas, e nunca pensei em termos de 100 dias. Eu planejo para o longo prazo. Mais tarde, foi revelado que ele havia ordenado um bombardeio secreto do Camboja durante o período.

Os primeiros 100 dias de Gerald Ford são mais lembrados por sua cerimônia de posse após a renúncia de Nixon, quando ele anunciou que “nosso longo pesadelo nacional acabou”. Ele perdoou Nixon um mês depois por qualquer crime que o ex-presidente tivesse cometido no cargo.

Jimmy Carter também teve um começo inauspicioso. Possivelmente por causa de sua inexperiência em Washington, ele pediu ao Congresso para perseguir vários objetivos políticos domésticos diferentes, muitos dos quais nunca foram aprovados em lei. Talvez mais lembrado dos primeiros meses de Carter seja seu discurso da Casa Branca para declarar que a política energética e os esforços para acabar com a dependência americana do petróleo eram o “equivalente moral da guerra”.

A administração de Ronald Reagan tirou a lição de seu antecessor imediato de que era melhor focar em uma ou duas questões domésticas durante os primeiros 100 dias. Reagan passou seus primeiros meses como presidente promovendo uma agenda de cortes de impostos e gastos, embora esses não tenham sido aprovados em lei até agosto de 1981, quatro meses depois. Os primeiros 100 dias de Reagan como presidente também foram notáveis pela tentativa de assassinato feita contra ele, o que limitou seus esforços políticos durante parte do período.

Os primeiros 100 dias de George H.W. Bush como presidente foram em grande parte uma continuação das políticas da presidência Reagan. Eles foram notados na época por serem relativamente tranquilos, com uma batalha no Congresso sobre um secretário de defesa e o derramamento de petróleo da Exxon Valdez no Alasca dominando as notícias políticas.

A maior notícia política durante os primeiros 100 dias de Bill Clinton foi provavelmente o fracasso de seu pacote de estímulo de aumentos de gastos domésticos para superar uma obstrução republicana no Senado, embora o orçamento eventual que resultou ajudou a direcionar os Estados Unidos para superávits orçamentários no final da década. O primeiro mês de Clinton também incluiu a assinatura da Lei de Licença Médica e Familiar, o início de um debate sobre o serviço de gays nas forças armadas e a criação de uma força-tarefa sobre a reforma nacional da saúde, presidida por Hillary Clinton.

 

O século 21

George W. Bush assumiu o cargo em janeiro de 2001 depois que um resultado eleitoral disputado na Flórida levou a uma decisão da Suprema Corte de 5 a 4 que essencialmente o tornou presidente. Em um país politicamente dividido, a estratégia de Bush parecia ser evitar controvérsias e construir seu capital político, com suas principais propostas legislativas no período de tempo envolvendo cortes de impostos e reforma educacional.

Por causa da crise econômica que começou durante os últimos meses de Bush como presidente, os primeiros 100 dias de Barack Obama no cargo foram dominados pela aprovação da Lei Americana de Recuperação e Reinvestimento, um pacote de investimentos em estímulo econômico que, por algumas medidas, foi ainda maior do que os aprovados nos 100 dias da FDR em 1933. Durante uma entrevista à CBS “60 Minutes” em novembro de 2008, Obama chegou a dizer que estava lendo sobre os 100 dias da FDR como exemplo.

Durante os primeiros 100 dias de Donald Trump no cargo, seu principal sucesso político foi a confirmação de Neil Gorsuch à Suprema Corte. Os primeiros 100 dias de Trump também apresentaram mau funcionamento do governo. Protestos maciços saudaram suas tentativas de proibir a entrada de cidadãos de certos países islâmicos nos EUA e suspender a entrada de refugiados, e juízes federais bloquearam as proibições. A revogação prometida por Trump e a substituição da Lei de Cuidados Acessíveis fracassaram.

Biden já tem uma conquista legislativa significativa durante seus primeiros 100 dias, o American Rescue Plan Act. Ele também usou seus poderes como presidente para acelerar a distribuição de vacinas COVID-19, voltar ao Acordo de Paris sobre mudanças climáticas e revogar algumas das medidas fronteiriças de Trump e a permissão para o oleoduto Keystone XL. Entre os dilemas que enfrentou está um grande número de crianças que buscam asilo nos Estados Unidos na fronteira com o México.

Biden propôs um plano de infraestrutura abrangente, novas políticas de mudança climática, reformas de imigração e justiça criminal e reformas policiais, entre outras promessasde campanha que ele quer cumprir. Enquanto a FDR na década de 1930 poderia contar com as maiorias democratas no Congresso para votar muitas das ideias propostas pelo presidente em lei, Biden não foi capaz de realizar o mesmo até agora.

As atuais pequenas maiorias democratas na Câmara e no Senado em Washington, e uma obstrução do Senado agora usada para parar quase todas as legislações significativas, impediram Biden de ser capaz de igualar o nível de realizações da FDR durante seus primeiros 100 dias.

Se Biden quiser durante seu primeiro ano como presidente para igualar um nível fdr de realização presidencial, provavelmente será necessário negociar acordos com pelo menos 10 republicanos do Senado. Ou Biden precisará persuadir um grupo de democratas do Senado muito relutantes a abandonar o poder de obstrução de uma vez por todas.


por Robert Speel, Professor associado de Ciência Política, Campus Erie, Penn State   |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -