Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Dezembro 6, 2022

“Mundo voltará a crescer em 2017 e é preciso combater desigualdade”

Segundo Lagarde, “a Alemanha presidirá o G20 e se empenhará em medidas e em reformas estruturais, aumentando a capacidade de resistência das economias maiores”.

Já a China, segundo Lagarde, “continuará a mudar o modelo econômico de exportação para a demanda interna” e vários países asiáticos e sul-americanos “ajudarão em um aumento da dinâmica jovem”.

A diretora do FMI também fez suas previsões para o governo do presidente eleito dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, que começará no próximo dia 20. “A nova administração dos EUA terá foco na reforma fiscal das empresas e nos investimentos de infraestrutura”.

Lagarde ressaltou, no entanto, que haverá “desafios” neste ano, em que foram criados pelos “fatores políticos que influenciaram 2016”, e que “uma distribuição da renda mais igualitária” é de extrema importância.

“O FMI acredita que uma distribuição da renda mais igualitária representa não apenas uma boa política social, mas também uma boa política econômica”, escreveu a diretora na publicação alemã, acrescentando que “nos últimos 20 anos, a renda dos 10% mais ricos da população cresceu 40%, enquanto os mais pobres quase não ganham”.

Na contramão até mesmo do que diz o insuspeito FMI, o Brasil de Michel Temer tem anunciado reformas e iniciativas que pesam sobre os mais pobres e preservam os privilégios dos mais ricos.

Texto original em português do Brasil

Nota do Director

Reproduzimos este artigo ao abrigo de um acordo de cooperação Portal Vermelho / Tornado.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -