Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Janeiro 20, 2022

Não olhe para cima: Hollywood ilustra 5 mitos de rejeição à ciência

Todo filme de desastre parece começar com um cientista sendo ignorado. “Don’t Look Up” não é exceção – na verdade, o que importa é que pessoas ignorem ou neguem categoricamente as evidências científicas.

por Gale Sinatra e Barbara K. Hofer, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Leonardo DiCaprio e Jennifer Lawrence interpretam os astrônomos que fazem uma descoberta literalmente arrasadora e tentam persuadir o presidente a agir para salvar a humanidade. É uma sátira que explora como indivíduos, cientistas, mídia e políticos respondem diante de fatos científicos que são incômodos, ameaçadores e inconvenientes.

O filme é uma alegoria da mudança climática, mostrando como aqueles com o poder de fazer algo sobre o aquecimento global evitam deliberadamente agir e como aqueles com interesses adquiridos podem enganar o público. Mas também reflete a negação da ciência de forma mais ampla, incluindo o que o mundo tem visto com COVID-19.

A diferença mais importante entre a premissa do filme e a crise real iminente da humanidade é que, embora os indivíduos possam ser impotentes contra um cometa, todos podem agir decisivamente para parar de alimentar a mudança climática.

Conhecer os mitos que alimentam a negação da ciência pode ajudar.

Como psicólogos pesquisadores e autores de “Negação da ciência: por que acontece e o que fazer a respeito” , reconhecemos muito bem esses aspectos da negação da ciência.

Mito nº 1: Não podemos agir a menos que a ciência esteja 100% certa

A primeira pergunta que o presidente Orlean (Meryl Streep) faz aos cientistas depois que eles explicam que um cometa está em rota de colisão com a Terra é: “Então, quão certo é isso?” Ao saber que a certeza é de 99,78%, o chefe de gabinete do presidente (Jonah Hill) responde com alívio: “Ótima, não é 100%!” O cientista do governo Teddy Oglethorpe (Rob Morgan) responde: “Os cientistas nunca gostam de dizer 100%”.

Essa relutância em reivindicar 100% de certeza é um ponto forte da ciência. Mesmo quando as evidências apontam claramente em uma direção, os cientistas continuam explorando para aprender mais. Ao mesmo tempo, eles reconhecem evidências esmagadoras e agem de acordo com elas. A evidência é esmagadora de que o clima da Terra está mudando de maneiras perigosas por causa das atividades humanas, particularmente a queima de combustíveis fósseis, e tem sido esmagador por muitos anos.

Quando os políticos assumem uma atitude de “vamos esperar para ver” em relação à mudança climática (ou “sentar e avaliar”, como diz o filme), sugerindo que precisam de mais evidências antes de tomar qualquer atitude, muitas vezes é uma forma de negação da ciência.

Mito 2: realidades perturbadoras, conforme descritas por cientistas, são muito difíceis para o público aceitar

A frase do título, “Não olhe para cima”, retrata essa suposição psicológica e como alguns políticos a usam convenientemente como uma desculpa para a inação enquanto promovem seus próprios interesses.

A ansiedade é uma resposta psicológica crescente e compreensível às mudanças climáticas. Pesquisas mostram que existem estratégias que as pessoas podem usar para lidar de forma eficaz com a ansiedade climática, como ficar mais bem informadas e conversar sobre o problema com outras pessoas. Isso dá aos indivíduos uma maneira de controlar a ansiedade e, ao mesmo tempo, tomar medidas para reduzir os riscos.

Um estudo internacional de 2021 descobriu que 80% dos indivíduos estão realmente dispostos a fazer mudanças em como vivem e trabalham para ajudar a reduzir os efeitos das mudanças climáticas.

Mito nº 3: a tecnologia nos salvará, então não precisamos agir

Frequentemente, os indivíduos desejam acreditar em um resultado que preferem, em vez de enfrentar a realidade sabidamente verdadeira, uma resposta que os psicólogos chamam de raciocínio motivado.

Por exemplo, a crença de que uma única solução tecnológica, como a captura de carbono, consertará a crise climática sem a necessidade de mudanças nas políticas, estilos de vida e práticas pode ser mais baseada na esperança do que na realidade. A tecnologia pode ajudar a reduzir nosso impacto no clima; no entanto, a pesquisa sugere que os avanços provavelmente não ocorrerão com a rapidez necessária.

Esperar por tais soluções desvia a atenção das mudanças significativas necessárias na maneira como trabalhamos, vivemos e nos divertimos, e é uma forma de negação da ciência.

Mito 4: A economia é mais importante do que qualquer coisa, incluindo crises iminentes previstas pela ciência

Tomar medidas para desacelerar as mudanças climáticas será caro, mas não agir acarreta custos extraordinários – em vidas perdidas e também em propriedades.

Considere os custos dos recentes incêndios florestais no Ocidente. O condado de Boulder, Colorado, perdeu quase 1.000 casas em um incêndio em 30 de dezembro de 2021, após um verão e outono quentes e secos e pouca chuva ou neve recentes. Um estudo dos incêndios na Califórnia em 2018 – outro ano quente e seco – quando a cidade de Paradise pegou fogo, estimou os danos, incluindo custos de saúde e problemas econômicos, em cerca de US $ 148,5 bilhões.

Quando as pessoas dizem que não podemos agir porque a ação custa caro, elas negam o custo da inação.

Mito 5: Nossas ações devem sempre estar alinhadas com nosso grupo de identidade social

Em uma sociedade politicamente polarizada, os indivíduos podem se sentir pressionados a tomar decisões com base nas crenças de seu grupo social. No caso das crenças sobre a ciência, isso pode ter consequências terríveis – como o mundo viu com a pandemia COVID-19. Só nos Estados Unidos, mais de 825.000 pessoas com COVID-19 morreram, enquanto poderosos grupos de identidade desencorajam ativamente as pessoas de tomar vacinas ou tomar outras precauções que poderiam protegê-las.

Os vírus ignoram a filiação política, assim como a mudança do clima. O aumento das temperaturas globais , o agravamento das tempestades e o aumento do nível do mar afetarão todos em perigo, independentemente do grupo social da pessoa.

Como combater a negação da ciência – e as mudanças climáticas

Um cometa que se dirige para a Terra pode deixar pouco para os indivíduos fazerem, mas este não é o caso das mudanças climáticas. As pessoas podem mudar suas próprias práticas para reduzir as emissões de carbono e, mais importante, pressionar os líderes governamentais, empresariais e industriais a tomarem medidas, como reduzir o uso de combustível fóssil, converter para energia mais limpa e mudar as práticas agrícolas para reduzir as emissões.

Em nosso livro, discutimos as etapas que indivíduos, educadores, comunicadores científicos e formuladores de políticas podem seguir para enfrentar a negação da ciência que impede o avanço nesta questão iminente. Por exemplo:

  • Os indivíduos podem verificar suas próprias motivações e crenças sobre as mudanças climáticas e manter a mente aberta às evidências científicas.
  • Os educadores podem ensinar aos alunos como obter informações científicas e avaliá-las.
  • Os comunicadores científicos podem explicar não apenas o que os cientistas sabem, mas como o sabem.
  • Os formuladores de políticas podem tomar decisões com base em evidências científicas.

Como acadêmicos que trabalham para ajudar as pessoas a tomar decisões acertadas sobre problemas complexos, incentivamos as pessoas a consumir notícias e informações científicas de fontes externas ao seu próprio grupo de identidade. Saia de sua bolha social e escute e converse com outras pessoas. Olho para cima.


por Gale Sinatra e Barbara K. Hofer, em The Conversation |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Gale Sinatra Professora de Educação e Psicologia na Universidade de Southern California
  • Barbara K. Hofer Professora de psicologia emérita, Middlebury

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -