Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Maio 24, 2022

O agravamento da desigualdade…

Eugénio Rosa
Eugénio Rosa
Licenciado em economia e doutorado pelo ISEG

O agravamento da desigualdade na repartição da riqueza criada em Portugal e a sua ocultação durante vários anos pelo crédito fácil

O gráfico 1, com dados do Eurostat, mostra de uma forma clara e sintética a evolução da parte da riqueza criada (PIB) que reverte para os trabalhadores soba forma de ”remunerações”, que inclui também as contribuições das empresas  para a Segurança Social e todas outras  despesas sociais das empresas entre 2006 e 2017, tanto em Portugal como nos países da Zona euro.

Gráfico 1- A Repartição da riqueza criada (PIB) em Portugal e nos países do euro

Os dados do Eurostat são claros, não deixam margens de dúvidas. Em 2006, apenas 46,8% da riqueza criada em Portugal revertia para os trabalhadores que representavam cerca de 84% da população empregada; em 2011, tinha diminuído para 46,3%, e no fim do governo de Passos Coelho / Paulo Portas / troika” tinha-se reduzido para 43,7%, tendo subido em 2017 para 44,3% mas continuando a ser inferior à média da Zona Euro que, em 2017, era 47,5%.

Mas o que os trabalhadores levam para suas casas, que são os “Ordenados e salários”, é muito menos. O gráfico 2 mostra a variação da percentagem que os “Ordenados e salários” representaram em Portugal num período de 20 anos (1996 a 2016).

Gráfico 2 – Percentagem que “ordenados e salários” representam do PIB em Portugal

Em 1996, antes do euro,  38,2% da riqueza criada no país (PIB) revertia para os trabalhadores sob a forma de “Ordenados e salários”; em 2002, ano em que efectivamente o euro começou a circular no nosso país, correspondia a 38,4%; a partir desse ano regista-se uma descida continua atingindo o seu valor mínimo em 2015 – 34,1% do PIB – tendo aumentado para 34,5% em 2016, ultimo ano em que o INE disponibilizou dados sobre “Ordenados e salários”.

E como se sabe, os “Ordenados e salários” são ainda sujeitos a descontos para a Segurança Social e CGA, e para o IRS. O que fica é ainda menos que os 34,5% do PIB. E tenha presente que os trabalhadores representam 84% da população empregada, mas revertendo para eles uma parcela final muito pequena da riqueza criada por eles. Os resultados da introdução do euro em Portugal não são brilhantes como os mostram os dados divulgados pelo Eurostat e pelo INE, contrariamente ao que firmou o ministro Mário Centeno de que o “euro devia ser um instrumento de prosperidade”.

Esta desigualdade na repartição da riqueza criada no nosso país foi durante vários anos disfarçada através de um enorme crescimento do crédito fácil concedido aos particulares, a um juro baixo, criando a ilusão de uma falsa riqueza e de um falso poder de compra. O gráfico 3, retirado do Boletim Económico de Dezembro de 2018 do Banco de Portugal, dá bem a ideia da enorme riqueza fictícia das famílias criada pelo crédito.

Gráfico 3 – Endividamento das famílias: instrumento utilizado para criar um falso poder de compra e paralisar a luta dos trabalhadores por uma melhor repartição do PIB Fonte: Boletim Económico – Dez.2018 – Banco de Portugal

Entre 1999 e 2009, mas particularmente após a entrada na Zona Euro, a divida dos particulares à banca explodiu, passando de 73% para cerca de 115% do Rendimento Disponível. Em euros, a divida das famílias, entre 1999 e 2009, subiu de cerca de 88.000 milhões € para cerca de 195.000 milhões € (+ 107.000 milhões €).

Tal como aconteceu em outros países, também em Portugal o credito fácil foi um  instrumento utilizado pelo poder económico e pelo poder politico dominante para dominar e desmobilizar os trabalhadores da luta por uma melhor repartição da riqueza criada por eles, pois funcionou como um garrote utilizado para paralisar os trabalhadores (não lutavam por uma melhor distribuição da riqueza, por  salários dignos,  para não correrem o risco de não  ter no fim de cada mês o dinheiro indispensável para pagar  os juros e o capital  do credito à habitação e para compra do carro, pois caso contrário, podiam perder a casa  viviam do carro que utilizavam ).A divida funcionou como uma ameaça indirecta constante que paralisava e iludia muitos trabalhadores.

Com a crise, e com o travão posto à concessão de crédito, o crédito às famílias deixou de crescer, diminuindo bastante como mostram os dados do gráfico anterior, e a ilusão de poder de compra fictício desmoronou-se e tornaram-se claras as consequências da desigualdade crescente da riqueza criada anualmente no país. Agora é muito mais difícil iludir a insuficiência dos salários, e as graves injustiças sociais existentes, de que é também prova a existência de mais de 1,7 milhões de portugueses a viverem abaixo do limiar da pobreza como o INE revelou recentemente. E a situação ainda poderá ser mais grave para as famílias se as taxas de juro do crédito à habitação já concedido, com as quais centenas de milhares de portugueses adquiriram a sua habitação, aumentarem o que desequilibrará ainda mais os orçamentos familiares. É urgente fazer uma melhor repartição da riqueza criada no país com salários e pensões mais dignos.


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -