Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Julho 7, 2022

O cuidado merece respeito

Vítor Burity da Silva, Angola
Vítor Burity da Silva, Angola
Ph.D em Filosofia das Ciências Políticas. Pós Doutorado em (Educação e Psicologia). Doutor Honorário em Literatura e Filosofia. Professor Honorário de Filosofia da Educação. Professor Catedrático. Investigador da Universidade de Évora. Membro da Sociedade Portuguesa de Filosofia. Membro da Associação Portuguesa de Escritores. Escritor.

O cuidado merece respeito, mas o medo assusta o silêncio. Rasgar as entranhas cuspindo no sepulcro, varrendo da memória todos os sentidos, esconder atrás da porta tudo, não venha o diabo e engole-nos, e assim, escondidos, temos medo.

Assustamo-nos. Prefiro o respeito. Cuidado é amar. Ralhar é medo. A gente discute, entende que isso salvará da cruz Jesus, mas não, acredita, as estratégias fomentam resultados que não apenas salvar ou não morrer deste jacto de febre que voa até rastejar.

Nada é imprevisível dizem tantos, este movimento estava previsto dizem outros, e todos falam do que sabem e inventam caso nada saibam. Fomentar conluios de confusão valoriza o comércio a que interessa. Quem ganhará com esta febre que não se vê?

A maioria sairá a perder. Pouco vencerão mesmo que não morram. Nem sempre a morte faz terminar a vontade de viver. O que é realmente viver? (uma viagem protegida pelo divino até ao céu, abraçado pelo sagrado, em paz).

É importante não haver medo!

É importante ser cuidadoso.

Diferenças talvez existam nestas duas pequenas frases.

Não irei falar nem uma palavra sequer sobre o que pensam. Todos pensarão como entenderem, sei que o que mais existe neste momento são imensos Nostradamus.

Não me assusto com o medo, habituado que estou a compartilhar com eles anos a fio neste universo inverso de sabedorias avulsas, coisas oferecidas em cada esquina como se o sol repousasse sereno sobre os nossos corpos crispados de vontade. A vontade não se conta nem se soma. Existe e pronto.

É muito bonito estar recolhido. Verdade. É muito bem facilmente alguém entender de todas as maravilhas desse recolhimento. E quantos desses recolhimentos irão matar? A depressão enfraquece como dizem esses especialistas, e daí, basta uma gotícula perdida de um orvalho vagabundo e já tudo está consumido. Morreu por fraqueza o infeliz.

De medo?

De cuidado?

Ou farto de ter que ter medo e ter que ter cuidado e tudo junto é o fogo que arderá até aos últimos minutos. Tanta coisa faz de facto morrer. Por isso a mortalidade desde sempre.

O cuidado merece respeito. O medo assusta.


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorEstado de emergência
Próximo artigoEpifania
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Boa pergunta

VER…

Crónica de Trump

- Publicidade -