O Empreendedor

0
171

Os empreendedores são líderes natos, são pessoas criativas e com iniciativa, conseguem tomar decisões rapidamente e mantê-las, são visionários, trabalhadores esforçados e extremamente perspicazes, têm uma personalidade exigente e são extrovertidas, mas por outro lado são geralmente pessoas teimosas e impacientes.

Segundo Augusto Cury:

Ser um empreendedor é executar os sonhos, mesmo que haja riscos. É enfrentar os problemas, mesmo não tendo forças. É caminhar por locais desconhecidos, mesmo sem bússola. É tomar atitudes que ninguém tomou. É ter consciência de que quem vence sem obstáculos triunfa sem glória. É não esperar uma herança, mas construir uma história…. Quantos projetos você deixou para trás? Quantas vezes seus temores bloquearam seus sonhos? Ser um empreendedor não é esperar a felicidade acontecer, mas conquistá-la”.

As principais características de um empreendedor são:

  • Identificar e explorar oportunidades;
  • Pensar de forma diferente, com uma perspetiva diferente das coisas, adivinhando os problemas que os outros não veem ou que ainda não existem, descobrindo soluções antes mesmo de outros sentirem as necessidades;
  • Ao reparar no que os outros não veem, o empreendedor vê oportunidades que lhes escapam, ou às quais não atribuem relevância;
  • Gostar de assumir riscos, acreditar nos seus palpites e segui-los;
  • Aceitar o insucesso (embora nenhum empreendedor goste de falhar) sabendo que a possibilidade de fracassar é inerente ao risco que qualquer negócio comporta e que o insucesso deve ser encarado como uma possibilidade de aprender e evoluir;
  • Observar o que os rodeia, pois, a grande maioria das ideias e inovações bem-sucedidas foram desenvolvidas a partir de uma realidade próxima do empreendedor, no âmbito profissional, familiar ou lazer.

Antes de se querer tornar empreendedor faça as seguintes perguntas a si mesmo:

  • Que estilo de vida quer ter enquanto empreendedor?
  • Até que ponto quer que o seu negócio cresça, em termos de lucro e em termos pessoais?
  • Vai ter funcionários?
  • Quantas horas por semana vai trabalhar?
  • Está disposto a trabalhar 7 dias por semana? Durante quanto tempo vai aguentar este ritmo?
  • Vai precisar de um sócio? Se sim, consegue trabalhar com um?
  • Como vai sustentar a sua casa enquanto arranca o seu negócio?
  • Acha que há uma forma melhor de fazer as coisas?
  • Está insatisfeito no seu emprego?
  • Sente que o seu potencial não está a ser bem aproveitado pelos seus superiores?
  • Sente que faria as coisas de maneira diferente se a empresa fosse sua?

Motivações para empreender

Ser empreendedor é ser detentor de algumas características, como criatividade, proatividade, organização, responsabilidade, capacidade de liderança, gestão de talentos e trabalho em equipa, assumir riscos, controlar resultados, ter uma boa visão do futuro, saber aproveitar as oportunidades, ser agente da mudança, ser resiliente, saber ouvir, facilidade em comunicar e sobretudo encarar os fracassos como uma oportunidade de aprender e ser cada vez melhor.

Os empreendedores são líderes natos, são pessoas criativas e com iniciativa, conseguem tomar decisões rapidamente e mantê-las, são visionários, trabalhadores esforçados e extremamente perspicazes, têm uma personalidade exigente e são extrovertidas, mas por outro lado são geralmente pessoas teimosas e impacientes. Para se tornar no seu próprio chefe, é preciso mais do que sacrifício, é preciso trabalhar muito e de forma consistente e na maioria das vezes com pouco retorno imediato.

Para se ser um empreendedor de sucesso, é necessário ter muita paciência, ser paciente consigo próprio, com os seus funcionários e sobretudo com os seus clientes. As vendas podem não surgir tão depressa quanto pensa e segundo Emerson, o retorno do investimento nas pequenas empresas é em média de 18 meses e a empresa passa os primeiros 36 meses sem gerar qualquer lucro, pois só no quarto ano a empresa se tornará autossustentável. Se a empresa conseguir ultrapassar esta etapa deve de estar preparada, pois esta pode ser a experiencia profissional mais gratificante da sua vida (Emerson, 2016).

Podemos assim destacar dois tipos de empreendedores:

Figura 1 – Tipos de Empreendedores.
Fonte: Do autor (2017).

As oportunidades existentes para os potenciais empreendedores podem ser consideradas como fatores positivos, pois os benefícios daí resultantes constituem um valor acrescentado para os potenciais envolvidos.

Todos os que são empurrados para o empreendedorismo, são normalmente pessoas desempregadas. Assim, o empreendedorismo de necessidade torna-se um caminho mais penoso, pois corresponde a uma situação na qual a pessoa se encontra mais por força das circunstâncias do que propriamente por escolha ou vocação.

 

Competências do empreendedor

As razões pessoais para ser empreendedor geralmente são as mesmas entre aqueles que resolvem dispor do seu capital e do seu próprio tempo na abertura de um pequeno negócio. Entre outros motivos está o desejo de ser o patrão de si próprio, de conquistar a tão desejada independência financeira. Estas são as razões principais para os novos empreendedores iniciarem um negócio, de uma forma tão “romântica” e superficial que os poderá levar ao fracasso.

O facto de se tornar empresário vai criar uma série de inúmeras novas responsabilidades ao empreendedor, significa que estará disposto a enfrentar o comando do dia-a-dia do negócio, adaptar-se a si próprio, à família e ao seu estilo de vida, às condições que a sua empresa vai exigir e isso nem sempre é fácil. Também terá de converter o cliente no seu principal foco, pois se não se alinhar com as suas expetativas e necessidades dificilmente poderá ter sucesso.

É normal que todo o empreendedor queira obter lucros, mas para uma empresa ser financeiramente viável é preciso que um conjunto de fatores estejam em sintonia, de forma a criar condições para que a empresa lucre e dê retorno, o que nem sempre acontece a curto prazo. A ideia de ficar rico quando se abrem portas é muito remota, para não dizer impossível. Para uma empresa dar certo é necessário realizar um plano de negócio detalhado, analisar o mercado e oferecer ao cliente algo diferenciador.

Assim sendo podemos organizar as competências de um empreendedor em 4 grandes dimensões:

Figura 2 – Competências Relacionais do Empreendedor.
Fonte: Do autor (2017).

 

Competências Pessoais

 As competências pessoais são o resultado da formação pessoal, da personalidade e das atitudes, ajudando a compreender o empreendedor enquanto ser humano.

  • Honestidade – A imagem de credibilidade do empreendedor, e o ponto-chave para que seja aceite por todos os stakeholders[1] como parceiro de negócio.
  • Capacidade de enfrentar riscos – (Ambição, espírito de iniciativa, criatividade). Quando um negócio está a nascer, muitas das vezes sem a certeza de que vai ser um sucesso e com necessidade de ultrapassar um sem número de desafios, é a atitude do empreendedor, de aceitar riscos, de trocar soluções mais estáveis pela ambição, de construir a diferença e de utilizar a sua criatividade e espírito de iniciativa, que vai ser determinantes para o impulsionar, no desafio de transformar uma ideia num negócio de sucesso.
  • Autoconfiança – (Persistência, perseverança, resiliência). A autoconfiança, a persistência de continuar a acreditar no sucesso e a trabalhar, mesmo quando as experiencias inicias não são bem-sucedidas e a resiliência para enfrentar os desafios que vão surgindo são garantias do empreendedor em procurar o sucesso do seu negócio.
  • Autodisciplina-  (Pontualidade, autocontrole, organização). Ao assumir o papel de empreendedor, é necessário autodisciplina e organização para aplicar essas características de sucesso a si mesmo e à equipa, uma vez que ninguém o fará por si.
  • Capacidade de análise – No que diz respeito a projetos de empreendedorismo e inovação, a passagem da ideia ao negócio é muito dinâmica e a capacidade de análise e síntese vai ter um papel chave no desenvolvimento do projeto.
  • Poder de comunicação – Comunicar o negócio ao mercado e aos diferentes stakeholders, é a chave para que uma boa ideia se transforme num negócio de sucesso.

 

 Competências Relacionais

 Nesta dimensão o empreendedor deverá de ser capaz de conciliar a capacidade de empatia com a projeção.

  • Empatia – Capacidade de compreender os outros.
  •  Projeção – Capacidade de se focar nos objetivos.
  •  Capacidade de interação – Mantendo o foco nos objetivos e nos resultados, ser capaz de obter resultados trabalhando com um grupo.

 

Competências de Conhecimento

Esta dimensão agrupa um conjunto de conhecimentos, a que chamamos Know-how[2]. Muitos destes conhecimentos resultam da formação académica do empreendedor ou de um esforço individual de pesquisa e estudo.

  • Conhecimento de gestão empresarial – Quando o empreendedor transforma uma ideia em negócio está perante um quadro empresarial que precisa de ser gerido com atitude profissional. Como principal responsável pelo sucesso do negócio, o empreendedor deverá possuir uma boa formação em diversas áreas da gestão empresarial.

 

Competências Técnicas

  • Aplicação dos conhecimentos de marketing – Para além dos conhecimentos de marketing, o empreendedor deverá ser capaz de aplicar esses conhecimentos no desenvolvimento de plano operacional corrente.
  • Gestão por objetivos – Estabelecer objetivos ambiciosos e realistas é uma base fundamental para a motivação da equipa, para o planeamento coerente das atividades e para a avaliação do crescimento do negócio.
  • Planeamento, organização e método – É fundamental um bom planeamento das fases de implementação e das diversas atividades, bem como uma boa organização das tarefas.

 

Notas

[1] Definimos stakeholders como uma pessoa ou um grupo que tem interesse em uma empresa, negócio ou industria, podendo ou não ter feito um investimento neles. (Recuperado em 18 de Maio de 2017, de Envolvimento com os Stakeholders: Conceito)

[2] Definimos Know-how como sendo uma técnica, um conhecimento ou uma capacidade desenvolvida por uma organização ou por uma pessoa que se baseia na experiência acumulada. O Know-how constitui uma importante fonte de vantagem competitiva. (Recuperado em 25 de Maio de 2017 de Conceito de Know-How)

__

Por opção do autor, este artigo respeita o AO90