Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

O Fracasso Total do G7

José Mateus
Analista e conferencista de Geo-estratégia e Inteligência Económica

Acabou muito mal este G7 com o fracasso total desta reunião no Canadá. O jovem Trudeau tem ainda muito que aprender e deve estar agora a roer as unhas perguntando-se como conseguiu ser tão ingénuo e dar a Trump uma oportunidade para atirar para o cesto dos papéis o comunicado final da reunião. Que tanto trabalho tinha dado a fazer! 


O assédio de Merkel a um imperturbável Trump… A tempestade veio mais tarde.

Certo, o comunicado só servia para salvar a face mas, enfim, já era alguma coisa… Permitia Merkel, Macron e outros dizer que apesar das divergências alguma coisa tinham conseguido. Trudeau, com as suas posteriores e ingénuas declarações estragou tudo. Os que já tinham feito o seu “show”, como Macron, ficaram a nadar em seco.

Esta reunião do G7 correu mal e acabou pior. Resta saber se o próprio G7 não acabou mesmo nesta cimeira do Canadá.

Os tweets de Trump em resposta às declarações de Trudeau

Logo nos “preliminares”, Trump tinha lamentado a ausência da Rússia, nesta reunião. Expulsa em 2014, depois da sua “recuperação” da península da Crimeia. Os outros seis membros (Canadá, Japão, Inglaterra, Itália, França e Alemanha) não seguiram Trump nesse lamento. Primeira grande divergência exposta. Os jornais, sempre a ver apenas o que lhes é agitado diante dos olhos, disseram que Trump abria assim mais uma cisão com os aliados. A questão, porém, é outra. É saber o que é e para que serve este G7.

Este G7 já não é o que, em tempos idos, foi: a reunião das 7 grandes economias mundiais. Está reduzido a um encontro entre os USA e alguns seus aliados da Europa (três da União Europeia e um do Brexit), o Japão e o vizinho do norte, o Canadá.

Este encontro pode ser muito interessante para os “aliados” que vã o reunir-se com o “grande irmão” e responsável último (ou mesmo o único…) pela segurança militar e económica de todos eles. Mas é de uma reunião destas que Washington precisa?

Ao falar da Rússia, Trump parece estar a dizer que precisa de mais do que isto… Ou seja, este G7 já não é a reunião que era (porque o mundo mudou muito, por mais que isso desagrade a alguns…) e já não cumpre as funções para que foi, há décadas, criado, quando aqueles 7 eram, realmente as 7 grandes potências da economia mundial. Dito de outro modo, o verdadeiro G7 é agora outro e é disso que Trump está à procura… E não de umas conversetas e umas jantaradas com os aliados do costume.

Daí que, com o seu habitual jeito de elefante dentro de uma loja de finíssimas porcelanas, tenha metido a Rússia ao barulho. E não ter falado também da China ou da India foi uma sorte… Mas é claro que como a Alemanha (e os seus imensos excedentes comerciais na relação com os USA) era o seu principal alvo, foi da Rússia que falou. Tivesse o alvo sido o Japão e teria sido da China que falaria.

Em suma, este G7 é hoje um resíduo de outras eras, de um mundo do século passado. Obama, com o seu jeito subtil de advogado malandro, já tinha desvalorizado o G7 e quase o tinha substituído pelo G2 com a China. Num estilo oposto, Trump continuou agora a obra de Obama. Resta saber se, depois disto, o G7 volta a reunir-se.

Exclusivo Tornado / IntelNomics

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -