Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 24, 2021

O muro militar marroquino no Sahara Ocidental

Desde a construção da Grande Muralha pelos chineses entre os séculos 3 e 17, nunca os homens se deram a tanto trabalho para erguer uma barreira artificial com 2.720 quilômetros de comprimento.

O “muro de areia”, também conhecido por de “muro da vergonha”, é o mais longo da era moderna. Ele vai de Lebaaj, no sudeste da fronteira com Marrocos, a El Guerguerat, no Oceano Atlântico, no extremo sudoeste do Sahara Ocidental, para dividi-lo em dois e impor o domínio colonial.

Após três anos de guerra e apesar da intervenção direta da França ao seu lado, a Mauritânia retirou-se da parte sul do Sahara Ocidental que ocupava, pondo fim às suas reivindicações sobre a parte sul do Sahara Ocidental e à sua aliança militar com Marrocos da ocupação ilegal do território desde 1975. Graças ao bom conhecimento do campo de batalha e à eficácia das táticas de guerrilha empreendidas, os saharauis conseguiram por um curto período de tempo chegar à periferia da capital de El-Aaiun, sabotar a cinta de  transporte de fosfato em Boucraa, que permaneceu inativa por 6 meses, libertou várias zonas e aldeias saharauis e continuou a expandir o cenário operacional até 500 km no interior de Marrocos quepermaneceu sozinho na arena do conflito. Marrocos, a fim de salvar seu exército de uma derrota retumbante, especialmente após a aniquilação das suas unidades de elite como Ouhoud, Zelagha, 3 RIM … etc, apelou aos seus aliados, notadamente em Tel Aviv, Washington e Paris, que sugeriram uma nova estratégia militar para o conflito: defesa por meio de bermas  defensivas (muros de areia).

Estas muralhas destinavam-se principalmente a proteger o exército marroquino, cidades e áreas sensíveis, criando uma concentração de forças e atrasando qualquer tentativa de ofensiva saharaui, deixando tempo para uma resposta adequada, mas também para privar o exército saharaui das vantagens táticas oferecidas pelo fator surpresa , para separar e cortar todas as comunicações entre os saharauis de ambos os lados do muro e, finalmente, para garantir a usurpação dos recursos naturais e o estabelecimento de colonos marroquinos.

Esta linha de “defesa” militar, erguida por Marrocos graças a especialistas militares israelitas, assessores franceses e americanos e generosos financiamentos da Arábia Saudita e dos países do Golfo, é o resultado de seis fases sucessivas de construção de 1980 a 1987.

O seu nome poderia evocar uma certa fragilidade, mas a parede é uma fortificação de taludes de areia ou pedra, dupla ou tripla, com 2,5 m de altura e 1,5 m de profundidade. O muro estende-se ao longo de altos pontos topográficos (como picos e montanhas), protegido por bunkers, valas, trincheiras anti-tanque, arame farpado e repleto de 8 a 10 milhões de minas terrestres, o que torna o Sahara Ocidental uma das áreas mais minadas do mundo. A parede é monitorada por sistemas de detecção eletrónica (radar) e guardada por mais de 120.000 soldados marroquinos equipados com armamentos sofisticados.

As forças de ocupação marroquinas posicionadas no muro do Sahara Ocidental representam uma parte significativa do exército real marroquino e  estão distribuídas de norte a sul em três grandes setores (Oued Draa, Saguia el Hamra e Oued Edahab  compostos por 4 ou 5 subsetores que levam os nomes geográficos das regiões das suas localizações. A estrutura da parede é geralmente composta por duas linhas de defesa: a primeira é formada por uma série de pontos de apoio e pontos de observação que são guardados por unidades setoriais de infantaria e a segunda linha de defesa onde estão unidades de resposta rápida.

Ponto de apoio (PA): É a maior unidade tática operacional na primeira linha de defesa da parede; estende-se por uma frente de 300 a 400 metros na frente na qual estão colocados arame farpado e campos minados. A profundidade do PA é de 100-200 metros e geralmente consiste de 100-110 homens. A distância entre os pontos de apoio, também chamados de bases, é de cerca de 4 a 5 quilômetros. O papel do PA é frustrar, com as forças de intervenção rápida (FIR) em profundidade, qualquer ataque do adversário para além da guarda diária e habitual, bem como a manutenção de todo o sistema defensivo.

Ponto de observação (PO): É uma pequena unidade tática, subordinada ao Ponto de Apoio (PA), dotada quase das mesmas barreiras defensivas e estando na mesma linha a uma distância de 2 a 2,5 km deste. A distância entre dois pontos de observação é de 400-500m. Esta estrutura é habitualmente guardada por 30 a 40 militares cuja missão é monitorizar a situação quotidiana do sistema de obstáculos à sua frente, como examinar o estado dos campos minados e detectar possíveis infiltrações, entre outros.

Forças de intervenção rápida: São geralmente constituídas por esquadrões blindados (tanques), regimentos de infantaria mecanizada e grupos de artilharia, a uma distância de 6 a 8 km da primeira linha onde se encontram o (PA) e o (PO) e com quem se encontram para coordenar respostas a ameaças. Enquanto os postos de comando ficam por trás das tropas de resposta rápida, em locais seguros, altamente fortificados e estratégicos. A cobertura aérea do muro também é garantida a partir de bases aéreas nas cidades ocupadas de El Aaiun, Dakhla e outras cidades no sul de Marrocos.

A primeira consequência deste muro de separação é a divisão física do povo saharaui, entre os que fugiram dos bombardeamentos e dos massacres do exército marroquino, para viver em campos de refugiados no sul da Argélia, em liberdade, mas longe das suas casas e em condições difíceis, e aqueles que vivem nos territórios ocupados, sob ocupação feroz, expostos a todos os tipos de repressão e violação dos direitos humanos.

Além da segregação da população local, do desmembramento de famílias e dos efeitos psicológicos e sociais que daí advêm, há o problema das vítimas de minas terrestres que muitas vezes são civis inocentes que são feridos ou mortos. Para a construção destes muros, as forças marroquinas arrancaram milhares de árvores nas áreas adjacentes e exploraram irracionalmente os materiais locais (madeira, areia, pedra, etc.). Os soldados marroquinos  envolveram-se na caça selvagem de alguns animais locais raros. Eles também proibiram as pessoas de usar as poucas fontes de água adjacentes ou de pastar os  seus rebanhos nas proximidades.

O envolvimento de altas patentes das forças marroquinas, estacionadas no muro, no contrabando de mercadorias proibidas, na imigração ilegal e no tráfico de resina de cannabis (haxixe), foi comprovado através de vários relatórios e eventos, o que constitui uma ameaça. para a segurança de toda a região. O muro marroquino serve também de cobertura ao estado de sítio quotidiano nas cidades saharauis ocupadas, ao extermínio dos saharauis, à implantação de colonos marroquinos e ao saqueio dos recursos naturais do Sahara Ocidental, que se tornou assim uma grande prisão isolada do mundo exterior. A persistência desta parede pouco conhecida contamina o meio ambiente, ameaça o desenvolvimento humano e urbano do território e representa um desafio à autodeterminação e à paz.

Apesar do sofrimento indizível infligido à população civil e dos efeitos negativos causados por este muro, que viola de forma flagrante todos os direitos humanos fundamentais (artigos 23-52-53 da Quarta Convenção de Genebra), a comunidade internacional ignora-o, não o condena e permanece indiferente à construção e manutenção destes muros bem como à persistência da sua manutenção e do seu reforço contínuo com armas e equipamento militar graças ao financiamento concedido a Marrocos por instituições internacionais como a União Europeia (UE) para o combate à pobreza e imigração ilegal.

A ausência de condenação e impunidade e o apoio de certos poderes do Conselho de Segurança encorajou Marrocos na sua rebelião contra o direito internacional. Este comportamento irresponsável foi manifestado em novembro de 2020 pela violação do cessar-fogo em vigor há 30 anos e a construção de um novo muro de separação de 50 km na área de El Guergarat, sob a vigilância passiva da MINURSO. (Missão da ONU para a organização do referendo no Sahara Ocidental).

No entanto, é importante notar que ao longo do tempo este sistema “defensivo” de muros tornou-se ineficaz, especialmente quando o exército saharaui se adaptou gradualmente na década de 1980 a novas tácticas através da guerra de atrito. (assédio, infiltração, assaltos, emboscadas, etc.), que permitiu aos combatentes saharauis realizar grandes ofensivas, que visavam os muros marroquinas durante os anos 1984-1989. Ataques sucessivos ao Muro da Vergonha demonstraram a sua vulnerabilidade no combate tático. A guerra de desgaste gerou, para além dos danos materiais e pessoais, um clima de instabilidade psicológica e permanente tensão entre os militares marroquinos, pela simples razão de que não sabem quando, como e onde serão atacados. o que acentuou fenômenos como deserções, altercações, assassinatos, insubordinação, consumo de drogas, etc. Esses fenômenos são típicos de um exército desmoralizado.

Marrocos percebeu que sua estratégia de sistema de defesa estática e semilinear dispersou as forças marroquinas numa frente de mais de 2.720 km de extensão, resultando na perda de todas as iniciativas ofensivas com o único propósito de manter as suas posições defensivas. Some-se a isso o alto custo de manutenção desses muros (2 milhões de euros por dia) que a frágil economia marroquina não conseguiu suportar, apesar do apoio dos seus aliados e do dinheiro que recebeu dos países do Golfo que financiavam a guerra no Sahara Ocidental , e que estavam  a começar neste período a se afundar nos seus próprios problemas.

Ficou claro para o rei de Marrocos Hassan II que ele não poderia resolver o conflito pela força militar, e aceitou então o projeto de paz da ONU para iniciar negociações e um acordo de cessar-fogo com a Polisário em 6 de setembro de 1991.

Após o colapso do processo de paz no final de 2020, os saharauis, que confiaram na comunidade internacional e suportaram décadas de espera para explorar todas as vias pacíficas, foram obrigados a voltar a pegar em armas para defender os seus legítimos direitos. Estamos a preparar-nos para uma segunda fase da guerra de libertação. Apesar do desequilíbrio de forças, Marrocos não conseguiu derrotar o território saharaui e anexar à força militar antes do cessar-fogo de 1991. Contamos acima de tudo com a justiça da nossa causa, a vontade de sacrifício, a moral dos nossos combatentes e o bom conhecimento do campo de batalha, além da sua experiência e iniciativa de ataque e uso de táticas de guerra revolucionária e de atrito, contra o exército real de ocupação marroquino, que se esconde atrás de frágeis muralhas espalhadas por um vasto território que lhe é estranho.

 

Versão EN


por Sellami Ahmed, Professor

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -