Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Julho 7, 2022

O trabalho de todo mundo fica mais suave com a arte de John Lennon e Tom Jobim

Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo
Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo
Jornalista, assessor do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo

Nesta edição não poderia deixar de prestar homenagem a dois dos maiores talentos da música do século 20.

John Lennon foi assassinado no dia 8 de dezembro de 1940, aos 40 anos. Prova que a facilidade em ter armas só faz mal para a humanidade. Tom Jobim morreu no mesmo dia em 1994, de insuficiência cardíaca aos 67 anos, em Nova York, Estados Unidos.

Perdas irreparáveis para a cultura, para a música e para a alegria. Ambos fizeram da arte as suas vidas e com delicadeza e muita poesia levaram felicidade para as pessoas. Porque é impossível não parar para se deleitar com suas notas musicais e poemas e ao mesmo tempo pensar sobre o que estamos fazendo de nossas vidas e com o planeta.

Duas músicas dos gigantescos talentos que ao menos tangenciam o tema trabalho. Ouça sem moderação nenhuma, o coração, o corpo e o cérebro agradecerão em demasia.

 

Power to the People, de John Lennon

Power to the People

Poder para o Povo – Tradução

Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo, agora

Diga que quer uma revolução
Melhor começarmos agora mesmo
Bem, levante-se
E vá para a rua

Cantando o poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo, agora

Um milhão de trabalhadores, trabalhando por nada
É melhor você dar a eles o que merecem
Nós temos que te derrubar
Quando chegarmos na cidade

Cantando o poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo, agora

Preciso perguntar, camaradas e irmãos
Como vocês tratam as suas próprias mulheres em casa
Ela tem que ser ela mesma
Para que possa se libertar

Cantando o poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo, agora
Agora, agora, agora, agora
Bem, poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo, agora
Sim, poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo, agora
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo
Poder para o povo, agora

 

Sabiá, de Chico Buarque e Tom Jobim

Sabiá

Vou voltar!
Sei que ainda vou, vou voltar
Para o meu lugar
Foi lá e é ainda lá
Que eu hei de ouvir
Cantar uma Sabiá
Cantar o meu Sabiá

Vou voltar!
Sei que ainda vou voltar
Vou deitar à sombra
De uma palmeira que já não há
Colher a flor que já não dá
E algum amor
Talvez possa espantar
As noites que eu não queria
E anunciar o dia

Vou voltar!
Sei que ainda vou, vou voltar
Não vai ser em vão
Que fiz tantos planos
De me enganar
Como fiz enganos
De me encontrar
Como fiz estradas
De me perder
Fiz de tudo e nada
De te esquecer

 

You Never Give Me Your Money, de John Lennon e Paul McCartney

You Never Give Me Your Money

Você Nunca Me Dá Seu Dinheiro – Tradução

Você nunca me dá seu dinheiro
Você só me dá seu papel engraçado
E no meio das negociações
Você entra em crise
Eu nunca te dou o meu número
Eu eu só te mostro minha situação
E no centro das investigações
Eu entro em crise
Fora da faculdade, dinheiro gasto
Não vejo um futuro, não pago aluguel
Todo o dinheiro se foi, sem lugar pra ir
Nenhum trabalho nas costas
Manhã de segunda, volto para trás
Num lento caminhão amarelo, sem lugar pra ir
Mas oh, essa sensação mágica, sem lugar pra ir
Mas oh, essa sensação mágica
Sem lugar pra ir
Em um sonho doce
Pego as malas e entro numa limosine
Brevemente nós vamos pegar a estrada para cá
Pisando no acelerador e limpando as lágrimas
Um sonho doce
Se tornou realidade hoje
Se tornou realidade hoje (se tornou sim)
Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete
Todas as boas crianças vão para o céu
Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete
Todas as boas crianças vão para o céu

 

Águas de Março, de Tom Jobim

Águas de Março

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol
É peroba do campo, é o nó da madeira
Caingá candeia, é o Matita-Pereira

É madeira de vento, tombo da ribanceira
É o mistério profundo, é o queira ou não queira
É o vento ventando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da cumeeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira
É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
Passarinho na mão, pedra de atiradeira

É uma ave no céu, é uma ave no chão
É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão
É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto um desgosto, é um pouco sozinho

É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto
É um pingo pingando, é uma conta, é um conto
É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
É a luz da manhã, é o tijolo chegando
É a lenha, é o dia, é o fim da picada
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
É o projeto da casa, é o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama

É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um resto de mato na luz da manhã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

É uma cobra é um pau, é João é José
É um espinho na mão, é um corte no pé
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um passo, é uma ponte, é um sapo é uma rã
É um belo horizonte, é uma febre terçã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

Pau, pedra, fim, caminho
Resto, toco, pouco, sozinho
Caco, vidro, vida, oh, noite, morte
Passo, anzol
São as águas de março fechando o verão

É a promessa de vida no teu coração





Texto em português do Brasil


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

VER…

Boa pergunta

Crónica de Trump

- Publicidade -