Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Janeiro 22, 2022

O Vendedor

O Vendedor, do iraniano Asghar Farhadi

“Farhadi embrenha-nos numa narrativa densa de culpa e redenção”, escreveu Paulo Portugal na peça publicada no Jornal Tornado em 22 de Maio de passado, Elle podia mesmo ser o Joker da Palma de Ouro, e enviada do Festival de Cannes.

Estando agora o filme em exibição em Portugal pareceu-nos oportuno recordar o que Paulo Portugal disse sobre ele:

“… Farhadi oferece um drama familiar em Forushande, um filme que oferece uma leitura cruzada, desde logo nas possibilidades das traduções conhecidas. O título inglês The Salesman, refere-se à proximidade que o filme tem com a peça Death of a Salesman (Morte de Um Caixeiro Viajante), de Arthur Miller, e cuja trama acaba por ter alguma influência no decorrer e desfecho do filme, ainda que a peça seja apenas aflorada de uma forma muito ténue; já a tradução francesa, Le Client aborda um aspecto mais ligado ao filme e que se lida mais de perto com a violação que já antecipámos, mas também não dissemos se existiu ou não.

É precisamente isso que trata o filme. Que começa com a necessidade de um casal sair de casa devido a uma derrocada eminente, graças a obras no terreno contíguo, forçando-os a habitar um apartamento emprestado, onde vivera uma prostituta.

Ela é Rana (Taraneh Alidoosti), uma actriz numa companhia de teatro, e o marido Emad (Shahab Hosseini), professor, mas também actor na mesma companhia. Numa noite Rana abre a porta a alguém que não sabia dos novos inquilinos… Não sabemos exactamente o que aconteceu, mas entre Rana e Emad as personagens de marido e mulher que interpretam na peça confundem-se com as da vida real num novelo inesperado e que resultará numa nova aresta do conflito familiar.

Afinal de contas houve ou não uma violação? Foi premeditada ou tratou-se de um engano? São essas as nuances sobre as quais Farhadi se debruça, mas são também elas que reforçam mais essa componente de um guião que se sobrepõe à acção, como de resto sucedeu com o brilhante Uma Separação (2011) e anteriormente em About Elly (2009) e mais recentemente com O Passado (2013), apresentado aqui em Cannes.

A partir do momento em que a vida das personagens na peça é afectada pela realidade, passamos a viver numa espécie de limbo entre Miller e Farhadi, mas também entre todo o peso moral da classe média iraniana actual. Que apesar de viver já com algum conforto, percebe os seus limites morais, bem como os da censura que é referida de uma forma subtil, ainda que directa.

Mesmo assim, sentimos que alguns momentos são apenas ocupados com alguns diálogos menos imprescindíveis que em Uma Separação, ou quando um filho do casal entra em cena e passa a ser o alvo na nossa atenção…”

E agora, podemos acrescentar uma nota que Paulo Portugal não podia, à data do escrito, referir: “O Vendedor” acabou por arrecadar dois importantes prémios em Cannes – o do melhor argumento e do o melhor actor.

Vídeo

Ficha técnica

Título: O Vendedor

Título original: Forushande

Realização: Asghar Farhadi

Argumento: Asghar Farhadi (inspirado na peça ‘Death of a Salesman’ /Morte de um Caixeiro-Viajante, de Arthur Miller)

Fotografia: Hossein Jafarian

Interpretação: Shahab Hosseini, Taraneh Alidousti, Babak Karimi, Farid Sajjadi Hosseini, Mina Sadati, Maral Bani Adam, …

País: Irão, França

Ano: 2016

Duração: 125’

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -