Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Maio 24, 2022

Os seguidores dos donos das causas sociais

Juntou os seus seguidores à mesa da negociação para a distribuição de um lugar na citada como se fosse o dono da casa.Acontece que não é o dono da casa.

A casa foi tomada de assalto há muito por alguém que teima em lhe segurar a chave até ao limite e dá instruções precisas ao porteiro para que os personagens escolhidos se acomodem nos sofás, uns. No vão da escada, outros. E, amontoados, os restantes.

Depois de tudo composto, o dono da casa, recolhe-se ao silêncio espiritual dos inocentes satisfeito por a si ter convertido todos os que na casa se atropelam por nada sendo que, sempre que uma ou outra briga extravasa as paredes da casa, a sua presença é reclamada e a subserviência reposta.

Depois de tudo em ordem no quadro da ordem estabelecida a poeira levantada acomoda-se incomodada pela sua disputa na falta de qualquer coisinha para minguar a fome de um lugar no sofá de um poder assente numa paz podre.

Uma paz inquinada de vícios antigos em que a palavra dada nunca foi honrada e que por isso só acreditam nela os que dela se serviram para recônditos interesses por mais insignificantes que tenham sido sabido que é ser o interesse ajustado à medida do interesseiro.

Dar cambalhotas. Fazer o pino. Torções e contorções. E demais exercícios. Desde que sejam feitos com fins terapêuticos e de prevenção para uma saúde melhor num corpo harmonioso e consciente dos seus limites são exercícios em que se pretende articular a mente com o espaço físico afim de consolidar toda a estrutura óssea em que assenta o cérebro dando azo à razão.

Quando os exercícios acima referidos não visam o objectivo sequente, a razão tende a diluir-se naquilo que vale como regra social:

  • Conveniência;
  • Oportunismo;
  • Falta de dignidade na verticalidade do carácter;
  • Ignorância;

Ignorância naquilo que é factor elementar primordial para voltarem a ser tidos pela cidadania em geral como personagens credíveis em cargos públicos de que resultam políticas gerais do interesse comum e por isso colectivo.

A espinha dorsal de uma organização política ou outra que se pauta por valores que fazem o Homem acreditar no futuro não pode ser um amontoado de ossos que não sabe qual é o seu lugar anatómico.

E que a única coisa que sabe é não olhar a meios para atingir os fins que cada um pretende para si. Como se o corpo do que quer que seja não necessite de uma estrutura central de suporte à sua volumetria, ao seu peso e à sua resistência.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -