Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Junho 22, 2021

Palestina: A Irlanda envia um sinal

Jenny Farrel
Nascida em Berlim, vive em Dublin, na Irlanda, desde 1985. É professora no Galway Mayo Institute of Technology, especialista em poesia irlandesa e inglesa, bem como na obra de William Shakespeare. Escreve para Culture Matters e Socialist Voice, órgão do Partido Comunista da Irlanda. É amiga e colaboradora do Vermelho e da Rádio Peão Brasil

Parlamento em Dublin condena unanimemente a anexação de terras palestinas por Israel.

Em unidade histórica, o parlamento irlandês aprovou na noite de quarta-feira por unanimidade uma moção do partido de oposição de esquerda Sinn Féin (SF) sobre a anexação de Israel à terra palestina. O Ministro Conservador das Relações Exteriores Simon Coveney disse que a moção sobre o assunto era “um sinal claro da profundidade dos sentimentos na Irlanda”. “A escala, o ritmo e a natureza estratégica” da ação dos assentamentos israelenses indicavam que se tratava de “anexação de fato”. A Irlanda foi agora o primeiro Estado da UE a dizer isto publicamente, disse ele. Agora o governo espera enviar uma mensagem para a “comunidade mundial”.

Contra a política de assentamentos

A moção do Sinn Féin afirma que a anexação de território é uma grave violação do direito internacional e condena o recente e contínuo deslocamento forçado das comunidades palestinas dos territórios ocupados. Ela também pede ao governo que conclame Israel a cessar todas as atividades de estabelecimento e a respeitar o direito coletivo de autodeterminação do povo palestino como um todo.

O porta-voz do Sinn Féin para assuntos exteriores John Brady disse: “Ao dar este passo, a Irlanda reconhece a declaração do Conselho de Segurança da ONU e da Assembléia Geral da ONU sob o direito internacional – que Israel é culpado do crime de anexação. E que a anexação de fato é tanto um crime internacional como a anexação de jure”. O deputado Mairéad Farrell falou do direito dos palestinos à autodefesa.

O Partido Trotskista Antes do Lucro tinha proposto uma emenda à moção, pedindo ao governo que expulsasse o embaixador israelense e impusesse sanções de longo alcance a Tel Aviv. Embora o Sinn Féin tenha apoiado estas propostas em princípio, ele rejeitou estas emendas com o argumento de que elas comprometeriam a grande unidade parlamentar. O Ministro das Relações Exteriores Coveney pediu uma emenda condenando as “ações violentas do Hamas” e “a resposta desproporcional e indefensável de Israel”. Isto foi adotado.

Durante anos, tem havido uma oposição generalizada na Irlanda à política de colonatos de Israel nos territórios ocupados. Em julho de 2018, a Câmara dos Lordes Irlandesa aprovou um projeto de lei proibindo a importação de bens de territórios palestinos ocupados por Israel. A moção, apresentada pela senadora independente Frances Black, tinha como objetivo “o comércio e o apoio econômico aos assentamentos ilegais em territórios ocupados sob o direito internacional”, que foram condenados como ilegais pela Irlanda e pela UE. Apesar da aprovação na Câmara dos Lordes, a implementação deste projeto de lei tem sido repetidamente entravada pelo governo. A decisão de quarta-feira representa, portanto, um marco que poderia ser usado para impor outras medidas, como o boicote de produtos dos territórios ocupados.

Solidariedade

A líder do Sinn Féin Mary Lou McDonald disse na quarta-feira: “Hoje condenamos a anexação ilegal e contínua de terras palestinas pelos ocupantes israelenses. Hoje condenamos o deslocamento ilegal de famílias e comunidades palestinas (…) Hoje somos solidários com o povo palestino e afirmamos seu direito inalienável às suas casas, à sua terra, à sua pátria e ao seu direito à autodeterminação”. O caso da Palestina, disse ele, é “o teste ácido para a comunidade internacional”. O mundo está com o povo palestino oprimido e ocupado, ou fornece álibis e justificativas para o ocupante israelense e violador da lei”? O povo irlandês, disse ele, está com a Palestina. “A grande questão agora”, continuou McDonald, “é se nosso governo aqui em Dublin, a família europeia de nações e toda a comunidade mundial internacional estão preparados para agir”.


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos