Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Dezembro 9, 2021

Paralisia do sono: Ataque demoníaco, loucura ou condição natural?

Nélson Abreu, em Los Angeles
Engenheiro electrotécnico e educador sobre ciência e consciência. Descendente de Goa, nasceu em Portugal, e reside em Los Angeles.

A paralisia temporária do corpo imediatamente após o despertar ou, com menos frequência, imediatamente antes de adormecer assusta milhares de pessoas por todo o mundo. O que realmente causa a paralisia do sono?

Não há explicação definitiva ou consenso geral. Em parte porque na ciência é difícil estabelecer causas de fenómenos. É mais fácil estabelecer correlações estatísticas. Por outras palavras, podemos dizer que existem certas coisas que parecem estar relacionadas à paralisia do sono. Essa correlação poderia ser uma causa de paralisia do sono ou o contrário.

 Acontece no cérebro?

As experiências não “acontecem no cérebro.” São experiências internas, subjectivas (conhecidas na filosofia como qualia). No entanto, podem ser correlacionadas com eventos biológicos. Existem também diferentes paradigmas entre cientistas. Existe um paradigma predominante que leva os cientistas a acreditar que todos os fenómenos mentais são causados ​​por processos biológicos. Há uma crescente minoria de cientistas que estão abertos à possibilidade de que mente ou consciência não seja necessariamente resultado da biologia. A consciência pode ser vista como um princípio vital que anima ou até causa a biologia. Mesmo que exista um gatilho biológico ou mecanismo por trás da paralisia do sono, isso não significa que a experiência se reduza à biologia. A nossa experiência é subjectiva e interna à consciência. Em outras palavras, enquanto a paralisia do sono são seja necessariamente imaginária, ela ainda pode ter gatilhos e correlações biológicas. Dito isto, se houvesse um mecanismo de algum tipo, onde poderia ser encontrado?

O prof. Kevin Nelson (Universidade de Kentucky, EUA) corroborou estatisticamente que a experiência fora do corpo está correlacionado com a paralisia do sono. A maioria dos vivenciadores de experiência fora do corpo tiveram paralisia do sono em algum momento e vice-versa. Por esse motivo, o Dr. Nelson suspeita que o córtex temporo-parietal poder estar relacionado à paralisia do sono, pois esta região do cérebro é importante para integrar a informação dos olhos, ouvidos e resto do corpo que contribuem para a orientação e posição do eu no espaço (propriocepção). Ele ressalta que a estimulação elétrica desta região produz experiências fora do corpo, como mostra o prof. Olaf Blanke (Suíça). O prof. Blanke relatou o uso de electrodos para estimular o cérebro de uma mulher que teve epilepsia para encontrar a origem das suas convulsões. Estimular o giro angular de seu córtex direito repetidamente fez com que ela relatasse percepções parecidas com a projeção da consciência ou experiência extracorpórea.

Para começar a entender como esses distúrbios têm efeitos tão assustadores, é importante saber como funciona o ciclo do sono. O sono pode ser dividido em quatro estágios durante os quais sua actividade cerebral, frequência cardíaca e taxa respiratória diminuem a velocidade. Normalmente, um padrão de sono normal é organizado: acordado, estágio 1, 2, 3, 4, 3, 2, REM (rapid eye movement ou movimento ocular rápido); Este ciclo leva cerca de 90 minutos. O sono REM é caracterizado por cintilações oculares. O primeiro período REM dura cerca de 10 minutos, aumentando gradualmente o ciclo, até cerca de uma hora. O sono REM é quando os sonhos mais vividos e lembrados são pensados ​​para ocorrer. Os batimentos cardíacos podem aumentar durante este estágio e os músculos podem contrair ocasionalmente (mioclonia).

Durante o sono REM, o controle da maioria dos músculos do corpo é interrompido (excepto a respiração e o movimento dos olhos, claramente). Esta paralisia temporária protege os sonhadores de se ferirem, agindo inconscientemente nos seus sonhos. Como se paralisa o corpo? Dois produtos químicos no cérebro, GABA (ácido gama-aminobutírico) e glicina, que sinalizam entre células cerebrais, são responsáveis ​​por desligar os neurónios que permitem que os músculos sejam activos.

Geralmente, o controle muscular reaparece antes de recuperar a consciência. Se você acordar antes que um ciclo de sono REM esteja completo, o seu corpo pode não recuperar a função regular em sincronia com a sua mente. A paralisia do sono, em seguida, pode ser considerada uma forma de intrusão no sono REM (intrusão REM). Por que é uma condição temporária e aparentemente involuntária? O leve tempo fora de sincronização de um processo natural, ocorrendo durante a noite, poderia explicar isso.

A ciência demonstra que a paralisia do sono normalmente não é patológica e é uma porta de entrada para experiências interessantes como a experiência extracorpórea, que por sua vez também é reconhecida como natural e saudável relacionada ao insight (resolução criativa de problemas) e redução de dor. Para a maioria dos cientistas, tratam-se de experiências ilusórias, mas para uma minoria, um vislumbre além do cérebro e da matéria. No entanto, estão todos de acordo: não se trata de um episódio psiquiátrico nem de um ataque demoníaco.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -