Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Agosto 3, 2021

Perdi-te

Poema inédito de Alice Coelho

Perdi-te

Fiquei sem sol
Sem luz do luar
Sem lanterna no farol
Sem estrela a cintilar
Perdi metade de mim
Outra metade escureceu
Fiquei à beira do fim
Na tua voz que emudeceu
Perdi-te
Sem tempo de te agarrar
Sem a mão para estender
Sem um grito para parar
Sem vida para te devolver
Fiquei ao relento
Sem eira nem beira
Sem alento
Sem almoço nem ceia
Perdida pela rua
Vestida de saudade
Despida de alma nua
A recordar a tua infância
Numa revolta com ânsia


Nota de edição
A equipa que produz o Tornado associa-se à dor da autora neste momento de profunda tristeza.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorOntem
Próximo artigoDepois de ver Xenos, de Akram Kahn
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -