Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Dezembro 2, 2021

… Populismos

A prática continuada de descontextualização Histórica para dar ênfase ao que se diz também é uma prática populista. Ou, simplesmente, é ser-se populista!

Como acontece com os diversos analistas; comentadores; uma grande maioria dos jornalistas; e outros; que procuram a sua “janela de oportunidade” para conseguirem o protagonismo necessário que lhes seja útil para a concretização dos seus objetivos.

Acontece que essa prática continuada acaba por ser fastidiosa e por isso geradora de “anticorpos sociais” tendencialmente próximos da “vítima” visada transformando essa em em algo com necessidade de defesa. Coisa a que as gentes são atreitas por simpatia ocasional reativa que resulta em simpatia interativa e, afetiva.

Veja-se a conclusão generalizada na análise do resultado eleitoral da eleição Presidencial onde a abstenção de quase dois terços dos eleitores passou ao lado daquilo que aconteceu no Alentejo omitindo os opinantes o resto do País.

Esquecendo-se, os opinantes, que:

  • O Alentejo comunista era o Alentejo dos trabalhadores à jorna.
  • O Alentejo profundo que passava fome.
  • O Alentejo dos latifundiários com residência na linha de Cascais.
  • Meio século depois esse Alentejo deu lugar a um outro Alentejo com melhor qualidade de vida e uma classe média pujante.
  • As searas deram lugar ao Olival.
  • As herdades mudaram de dono.
  • A reforma agrária foi estrangulada no tempo.

Ou seja; as populações Alentejanas já não são as mesmas. A cultura local já não é a mesma. Os interesses coletivos já não são os mesmos.

Com a atual crise social os serviços em geral são os que mais sofrem sendo que são os que mais geram emprego o que quer dizer que com a pandemia estão paralisados e por isso a gerar desempregados.

Uma conjuntura de desespero onde as promessas populistas encontram adeptos com muita facilidade tal e qual o futebol arrasta multidões quando apresenta vitórias.

Importa por isso olhar o País à luz da sua realidade social atual sem julgar as populações que sofrem tão só porque alguns mataram o espírito de Abril ao longo de meio século de democracia. Assim sendo, o fascismo poderá estar de volta.

O que também acontece na Europa e no mundo perante a incapacidade das democracias em formar líderes políticos identificados com os povos que os elegeram…


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -