Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

Requiem pelo “Sistema Global”

José Mateus
Analista e conferencista de Geo-estratégia e Inteligência Económica

O modelo global saído da II Guerra Mundial (e em que ainda, por enquanto, vivemos) tem (ou tinha…) características próprias e inéditas. Tudo isto está, porém, morto ou moribundo.

Para clarificação do que aqui se fala, destaquem-se três dessas características: primo, os USA financiavam o sistema global (tendo para isso de se endividar); secondo, os USA garantiam e pagavam a segurança global do sistema e, portanto, o seu funcionamento; tertio, os USA abriam totalmente o seu mercado interno aos derrotados da II Guerra (Alemanha, Japão, etc.) garantindo assim a sua recuperação e desenvolvimento.

Claro que o Estado americano é, como todos os Estados, um “monstro frio” e, portanto, não foi por simples altruísmo que montou um sistema com estas características.

Fê-lo por considerar que essa era uma forma interessante de garantir a defesa dos interesses nacionais norte-americanos. E, antes de mais, os seus interesses geopolíticos no enfrentamento bipolar com a (falecida) União Soviética, naquilo que se chamou de Guerra Fria.

Desaparecido o quadro geopolítico em que o sistema fora criado, as lideranças políticas em Washington levaram anos a interiorizar as mudanças verificadas e a conseguir analisá-las, tirar conclusões e agir em consequência. O “11 de Setembro” funcionou aqui como um factor de reforço do adiamento dessas conclusões, servindo para desviar atenções para questões que, sendo dramáticas, não eram as mais importantes. Se Bin Laden não foi pago, por algum interessado, para isso, bem o poderia ter sido…

É nestes anos de hesitações e escassa clareza estratégica de Washington que a China (depois de obter com Clinton a sua entrada na OMC) se fortaleceu, através de uma estratégia geoeconómica nacional-mercantilista, e ganhou músculo para procurar ocupar o lugar da União Soviética como o grande perturbador continental do sistema e desafiar a potência marítima garante do sistema, os USA.

Com modos de elefante em loja de porcelanas, Trump olhou para todo este quadro e considerou que este sistema global já não defendia os interesses nacionais norte-americanos, se tinha tornado disfuncional e que, portanto, não havia razões para que tudo continuasse na mesma e os USA pagassem uma coisa que não lhes servia.

Trump soube ainda encontrar uma eficaz narrativa política para comunicar com o eleitorado e garantir o apoio de uma maioria (ou da maior minoria) da opinião pública americana.

O que Trump está a fazer não é uma mera guerra económica com a China (ou outros), não é sequer um rearranjo de alianças. É muito mais do que isso. É a construção de um novo modelo para o sistema global. E é, neste processo, nas suas guerras políticas, económicas e militares, mais ou menos híbridas, que se vão definir as novas alianças e suas formas.

A imensa ambição e a avidez de poder da China colocaram Pequim na posição que outrora (entre 1945 e 1990) foi a de Moscovo, a posição de líder das potências continentalistas desafiando a hegemonia da potência marítima. Teria funcionado no quadro construído no pós-II Guerra. O tal quadro que Trump dá mostras de considerar que já não serve… O coronavírus e a guerra-espectáculo da 5G, por maior que seja o seu impacto, são meros epifenómenos neste cenário.

 

Como diria “o camarada Mao”, a contradição principal da situação governa todo o resto. E Mao não hesitaria (mesmo que o não dissesse, como era seu hábito…) em identificar como contradição principal do presente o enfrentamento China-USA. Tal como não hesitaria em tipificar essa contradição principal como uma “contradição com o inimigo” (e não como uma “contradição no seio do povo”).

Leiam (ou releiam) o “Da Contradição” e vejam o que o “camarada Mao” diz da resolução das contradições com o inimigo. O Xi Jinping já leu e releu…

 


Exclusivo Tornado / IntelNomics

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -