Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Julho 4, 2022

Robert Ballagh, The Thirtieth of January

Jenny Farrel
Jenny Farrel
Nascida na República Democrática Alemã, vive na Irlanda desde 1985; Ela é professora, escritora e editora. Ela escreveu um livro sobre o Romantismo Revolucionário Inglês e uma introdução marxista às tragédias de William Shakespeare. Ela escreve para a imprensa comunista na Irlanda, Grã-Bretanha, Estados Unidos, Alemanha, Brasil e Portugal e editou antologias de escrita da classe trabalhadora na Irlanda

Robert Ballagh acaba de revelar a expressão artística no Domingo Sangrento em Derry, há 50 anos, claramente alude a Goya’s The Third of May. A referência é clara: Goya pinta a execução de espanhóis em solo espanhol pelo exército francês, Ballagh o assassinato de irlandeses em solo irlandês por soldados britânicos.

O domingo sangrento foi um ponto de inflexão no conflito da Irlanda do Norte. Destruiu o movimento de direitos civis que havia trazido o regime sectário e repressivo sindicalista para o centro das atenções internacionais no final dos anos 60 através de manifestações pacíficas.

Em 13 de agosto de 1969, o governo trabalhista britânico havia enviado tropas britânicas, inicialmente para pôr fim aos sangrentos ataques de quadrilhas sectárias às comunidades nacionalistas.

No entanto, quando os Conservadores ligados à União chegaram ao poder com Heath em junho de 1970, isto levou a um aumento da repressão, culminando com a internação sem julgamento em agosto de 1971.

Robert Ballagh, detalhe

Antes do massacre de 14 manifestantes desarmados em Derry, quando o internamento sem julgamento foi introduzido em agosto de 1971, o Regimento de Pára-quedistas matou dez manifestantes, incluindo uma mãe e um padre, no massacre de Ballymurphy. Um plano elaborado em Londres pelos principais círculos governamentais visava quebrar a resistência, “punindo coletivamente” a comunidade católica no norte da Irlanda.

Os manifestantes em Derry, em 30 de janeiro de 1972, exigiram direitos civis e o fim da internação. O acordo entre o Constable Chefe e a Associação de Direitos Civis da Irlanda do Norte (NICRA) era que a marcha pacífica ocorreria em uma área católica e que o IRA não mostraria uma presença armada. Os conservadores e seus aliados sindicalistas estavam cada vez mais enraivecidos com protestos pacíficos. Um ataque a tal manifestação poderia ser retratado internacionalmente como uma luta contra o “terrorismo”. E assim o massacre foi planejado por Heath e oficiais militares superiores e realizado por 16 soldados do Primeiro Batalhão do Regimento Britânico de Pára-quedistas (1Para). Até o momento, nenhuma acusação foi apresentada contra os culpados.

O título da pintura de Robert Ballagh, The Thirtieth of January, torna clara a conexão com o trabalho de Goya, assim como a própria imagem. Se Goya dá o horizonte de Madri como o local das execuções de 1808, em Ballagh’s é Derry.

Em ambas as pinturas, o foco está voltado para as vítimas. É o rosto deles que nós vemos, não o dos soldados. Enquanto Goya escolhe o momento da execução, Ballagh pinta uma cena imediatamente após o início do massacre. Ele nos mostra duas vítimas, uma moribunda, a outra moribunda. Pessoas desesperadas, claramente reconhecíveis, correm em nossa direção – uma imagem de imprensa que deu a volta ao mundo. O Padre Daly segura um lenço branco, manchado de sangue, ansioso para proteger essas pessoas, para puxar a primeira vítima, a Jackie Duddy, fatalmente ferida, para a segurança. Eles também seguram lenços brancos manchados de sangue, enfatizando o protesto pacífico que foi lançado em sangue. Na pintura de Goya, também, um monge, junto com outros, está ao lado do insurgente. Lembrando que o Padre Hugh Mullan, foi morto a tiros no Massacre de Ballymurphy, ele é uma figura complexa.

Outra vítima em primeiro plano é envolta em um pano branco ensanguentado. O branco associa paz, inocência e martírio e lembra ao espectador a brilhante camisa branca do homem da pintura de Goya. O morto é flanqueado à direita por um grupo de soldados armados sem rosto, enquanto outro soldado se ajoelha ao lado do cadáver à esquerda. A maneira como os soldados seguram seus rifles no nível da cintura, eles atiram ao acaso sem mirar. Para aqueles familiarizados com os acontecimentos do dia, o soldado da esquerda sugere o “Soldado F”, que ajoelhou-se para atirar em Barney McGuigan enquanto ele acenava um lenço branco no alto de sua cabeça numa tentativa de ajudar o moribundo Patrick Doherty. O “soldado F” foi responsável por uma série de assassinatos a sangue frio e foi o único soldado acusado, só para ser absolvido mais tarde.

Os manifestantes estão desarmados. Dois cartazes no chão são claramente visíveis. Eles exigem direitos civis e o fim da internação. Uma faixa para os direitos civis ocupa o centro superior do quadro, com o mesmo título.

O quadro não se refere apenas aos Goya, mas também à Guernica de Picasso, ela própria inspirada nos Goya, e também testemunha do assassinato da população indígena por invasores estrangeiros. A Ballagh também optou por uma pintura monocromática. A mão direita do homem morto ainda segura a ponta quebrada do cartaz, muito parecido com o homem morto na pintura de Picasso ainda agarra a espada quebrada. A única cor é o sangue.

No canto esquerdo, sob o pé do soldado ajoelhado, pode-se ver uma folha de papel com o nome de código militar do massacre, Operação Previsão, datada de 30 de janeiro de 1972, assinada pelo Major-General Robert Ford: “Concluo que a força mínima necessária para alcançar a restauração da lei e da ordem está no tiroteio de líderes selecionados entre os jovens hooligans de Derry”. Ballagh não deixa dúvidas de que os assassinatos foram ordenados ao mais alto nível. A este respeito, também, a pintura vai mais longe do que qualquer inquérito jamais foi feito.

A história da arte e a história contemporânea estão ligadas. O domingo sangrento faz parte da história mundial do colonialismo, da ocupação e da resistência. A pintura de Robert Ballagh mostra isso, assim como a necessidade da arte.


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorStreet art em Sampa
Próximo artigoStreet art em Sampa
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

A impostora

Titãs cantam: “Comida”

Além Tejo (1)

UNITA desmente MPLA

- Publicidade -