Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Setembro 18, 2021

Se a abstenção se organizasse podia governar o País

Quarenta anos a votar cada vez menos

abstenção transformou-se no maior partido em Portugal
Nas eleições legislativas de ontem, a abstenção transformou-se no maior partido em Portugal. Alcançou a percentagem mais elevada de sempre (43,07%) numa votação para a Assembleia da Republica, em 41 anos de democracia. Ultrapassou amplamente, em 6,24 %, a coligação/partido mais votado (Paf: PSD/CDS). Veja-se que estes 6,24% ficam apenas a dois pontos percentuais da quarta força política com assento parlamentar, a CDU. No entanto, nem só a abstenção subiu, em comparação com as legislativas de 2011.

O Bloco de Esquerda passou de 5,17% para 10,22, o PS tinha 28,05 e ficou com 32,38 e a CDU, com 7,9  em 2011, obteve 8,27. O PAN (Pessoas Animais e Natureza) alcançou um deputado, com 1,39%.

Já no ano de 2009 a abstenção tinha ultrapassado a votação dos partidos/coligações, tanto o PS que ganhou as eleições, como o PSD que ficou em segundo lugar.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -