Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

O significado do fim dos anos Trump para a infância americana e global

A presidência de Donald Trump foi marcada por um clima tóxico de hiper-masculinidade agressiva, onde as mulheres eram frequentemente insultadas, intimidadas, ridicularizadas e assediadas.

por Mayurika Chakravorty, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

No empolgante discurso da vitória de Kamala Harris em novembro de 2020, a vice-presidente eleita dos Estados Unidos se dirigiu diretamente às crianças do país – mas primeiro, ela falou especificamente para as meninas:

“Embora eu possa ser a primeira mulher neste escritório, não serei a última, porque cada menina assistindo esta noite vê que este é um país de possibilidades.”

Muitas meninas (e meninos) provavelmente assistiram com muita atenção enquanto o mundo contemplava o significado histórico da vitória de Harris como a primeira mulher negra e de origem sul-asiática a ser eleita vice-presidente. Alguns pais atestaram a importância daquele momento e a esperança e inspiração que ele trouxe.

A conquista de Harris também marcou uma virada para a infância nos Estados Unidos – e no mundo?

A presidência de Donald Trump foi marcada por um clima tóxico de hiper-masculinidade agressiva, onde as mulheres eram frequentemente insultadas, intimidadas, ridicularizadas e assediadas. Os comentários e tweets de Trump às vezes eram excessivamente sexistas, desculpados como meras brincadeiras de vestiário por seus seguidores, mas descobriram que ” enraizaram perigosamente uma ideologia de difamação e objetificação das mulheres” por um pesquisador.

As decisões políticas conservadoras e regressivas da administração Trump afetaram desproporcionalmente as mulheres de cor, junto com qualquer outra pessoa que não pertencesse à ordem heteronormativa da elite branca.

Um estudo quantitativo recente explorou a correlação entre o aumento de crimes de ódio motivados por motivos raciais após a eleição de Trump e a deterioração da saúde mental em jovens universitárias. Os estudiosos também apontaram que as políticas excludentes do Trump, como a proibição da imigração e a separação das crianças de seus pais na fronteira entre os Estados Unidos e o México, prejudicavam a “segurança e o bem-estar das crianças” e visavam principalmente crianças de origens racializadas e marginalizadas.

 

Menina sitiada

Na encruzilhada entre a misoginia e as políticas anti-crianças, a juventude americana, sem surpresa, foi sitiada durante os anos Trump, ameaçando sufocar o espírito da estátua de Fearless Girl em frente ao Wall Street Bull no distrito financeiro de Nova York.

Nesta foto de março de 2017, a estátua da Fearless Girl ostenta um chapéu rosa, um símbolo de oposição à presidência de Trump. (AP Photo / Mark Lennihan)

Quando se trata da iconografia cultural da infância, poucos podem se comparar à confiança, desafio e coragem exalados pela estátua de Kristen Visbal, instalada na véspera do Dia Internacional da Mulher em 2017.

Simboliza uma resiliência audaciosa nas meninas – nos Estados Unidos e em todo o mundo – que não pôde ser suprimida mesmo durante o mandato de Trump.

A poetisa e ativista Maya Angelou escreveu certa vez como “adoraria ver uma jovem sair e agarrar o mundo pela lapela”. Durante a presidência de Trump, as meninas enfrentaram o desafio de Angelou, enfrentando desafios constantes às suas políticas injustas e imprudentes – desde questões de gênero e raça até imigração e mudança climática.

A ativista feminina Malala Yousafzai tem sido uma crítica vocal de Trump. Departamento de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido

Malala Yousufzai, a jovem ativista pela educação e laureada com o Nobel do Paquistão, criticou a atitude discriminatória de Trump em relação aos muçulmanos e chamou seus apelos à proibição da imigração de “trágicos” e “cheios de ódio” em 2015, antes mesmo de ser eleito.

Ela também criticou publicamente o sexismo de Trump e mais tarde o chamou pela separação cruel, injusta e desumana de mais de 2.000 crianças de seus pais na fronteira EUA-México.

 

Meninas contra trunfo

A ativista climática adolescente Greta Thunberg também enfrentou Trump. Enquanto ela castigava os líderes mundiais por falta de fibra moral para enfrentar a mudança climática no Fórum Econômico Mundial em Davos, Trump notoriamente a acusou de ter problemas de controle da raiva.

Quanto mais Trump zombava dela e zombava dela, mais Thunberg aumentava a aposta, valentemente devolvendo tuíte por tuíte até que Trump perdesse a eleição e ela usasse seus próprios insultos contra ele.

Quando o governo Trump renegou a promessa de controle de armas após tiroteios em massa, uma crítica contundente veio de Naomi Wadler, na época com 11 anos.

Naomi Wadler, uma estudante do ensino fundamental da Virgínia, fala durante o comício March for Our Lives em apoio ao controle de armas em Washington, DC, em março de 2018

Ela falou por todas as “ meninas afro-americanas cujas histórias não chegam à primeira página de todos os jornais nacionais ” e seu lenço laranja é agora um artefato na exposição virtual chamada Girlhood: It’s Complicated no National Museum of American History em Washington, DC

É claro que quando meninas e mulheres jovens estão na vanguarda dos principais movimentos com seu compromisso incansável com a justiça e a equidade, e à medida que formam uma coalizão formidável que transcende fronteiras e culturas, as velhas estruturas do patriarcado e da misoginia podem ser desafiadas e, esperançosamente, desmanteladas.

 

Impacto de trunfo

Quando Trump venceu as eleições nos Estados Unidos em 2016, um educador ofereceu um kit de ferramentas estratégicas aos pais de meninas nos Estados Unidos para sobreviverem à sua presidência . Na esteira de sua candidatura à reeleição em 2020, a questão da infância havia entrado na arena do debate político – um vídeo intitulado Girl in the Mirror , lançado pelo conservador e anti-Trump Lincoln Project, exortou os eleitores americanos a imaginar o impacto de outro mandato presidencial marcado pela misoginia e sexismo em meninas e mulheres jovens.

Felizmente, os EUA e o mundo foram poupados desse resultado.

A poetisa americana Amanda Gorman lê um poema durante a 59ª inauguração presidencial no Capitólio dos Estados Unidos em 20 de janeiro de 2021

Também foi apropriado que a posse do presidente Joe Biden e do vice-presidente Harris apresentasse a poderosa poesia de uma jovem talentosa, Amanda Gorman, que corajosamente afirmou da varanda do Capitólio dos Estados Unidos:

“… No entanto, o amanhecer é nosso

Antes que soubéssemos

De alguma forma nós fazemos isso

De alguma forma, nós resistimos e testemunhamos …

O novo amanhecer floresce à medida que o libertamos

Pois sempre há luz,

Se apenas nós formos corajosos o suficiente para ver isso

Se ao menos sejamos corajosos o suficiente para ser isso. ”


por Mayurika Chakravorty, Instrutora do Departamento de Inglês e Instituto de Estudos Interdisciplinares (Estudos da Infância e da Juventude), Carleton University, no Canadá   |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -