Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

Sísifo sou

Poema inédito de Olga Santos

Sísifo sou

Sísifo sou
Arrasto pedras na alma
São de jade,
São de âmbar,
São da força do universo.
Quisera pousá-las – LIVRE! –
Em solo firme de amor
Erguer-(TE) um trono etéreo
De paixão reinventada
Mas os deuses são cruéis
(Que deus me condenou?)
E a minha pena eterna.
Meu amor, contra os deuses
Não posso aliviar minh’ alma…
E em suplício infernal
Em instável caminhada
Carrego o fardo maldito
Com que a velha Parca
Me fadou.

 

Ilustração: Sísifo – Quadro do pintor Tiziano, pintado entre 1548 e 1549, que está exposto no Museu do Prado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorA invenção do amor
Próximo artigoAbril
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -