Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Dezembro 2, 2021

Abril

Poema inédito de Alice Coelho

Abril

Tenho a liberdade nos cabelos plantada
Em perfume inalada e fardas de crença
Flores enfiadas em cano de espingarda
E a esperança gravada num desespero
De anos passados em cânticos gloriosos
Sem sangue, sem espada, gritos furiosos

Tenho a liberdade nos cabelos plantada
A saudade das ruas de Lisboa invadidas
E um Abril adormecido em peito de fada
Com cravos vermelhos em mãos cheias
A democracia nas vozes do povo eleita
A frustração que é sentir que não foi feita

Tenho a liberdade nos cabelos plantada
Em vestido de luto num corpo desfalecido
À espera de um mês de Abril rejuvenescido

Receba regularmente a nossa newsletter

Contorne a censura subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorSísifo sou
Próximo artigoCidadão do Mundo
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -