Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Maio 24, 2022

Steve Jobs, Consciência e Design

Nélson Abreu, em Los Angeles
Nélson Abreu, em Los Angeles
Engenheiro electrotécnico e educador sobre ciência e consciência. Descendente de Goa, nasceu em Portugal, e reside em Los Angeles.

Parte do génio de designers como Steve Jobs é a compreensão de que as pessoas apreciam o “luxo” de uma experiência agradável ainda mais do que acumular coisas: os humanos são atraídos pelo encanto interno, subjectivo e irredutível de um bom design e são altamente receptivos à beleza.

A cor, o gosto, o amor, o prazer, a curiosidade, a motivação, a criatividade, o humor, a surpresa, a beleza e outras experiências subjectivas podem ter correlatos físicos, mas a nossa experiência não é física em si. A nossa realidade mais íntima, aquilo que conhecemos melhor e muitas vezes vale mais, não pode ser facilmente medido.

Considere a cor, por exemplo. A física, a engenharia e a arquitectura podem abordar a cor de uma maneira diferente (como uma frequência electromagnética, um sinal informático, ou um elemento estético). Podemos julgá-lo em termos puramente objectivos, mas o nosso julgamento de cor, espaços, formas, a nossa experiência do ambiente construído (ou de qualquer coisa da nossa realidade física) é algo inerentemente interno. A progressão é ver tudo o que consideramos “sólido” ou “físico” como uma extensão de nós mesmos – incluindo o ambiente construído.

Sensação de beleza

Por exemplo, quando admiramos um lindo pôr-do-sol, a sensação de beleza só existe no nosso microcosmo. No entanto, a visão (da forma e da cor do sol), embora facilitada pela física e fisiologia, é vivenciada internamente, assim como o calor que sentimos em nossa pele. O sol é particularmente interessante, pois a luz que atinge os nossos olhos e a pele teve que viajar por alguns minutos e depois processada por milissegundos antes da nossa consciência visual e táctil. No entanto, se estivéssemos concentrados em dirigir um veículo, os nossos olhos podem receber a mesma energia luminosa, mas sem a consciência do pôr-do-sol, muito menos impressionados por uma beleza que atribuímos.

Como sabemos que o sol existe? Baseamos a conclusão de que existe de forma objectiva no consenso de que outros também percebemos e compartilhamos experiências de sol semelhantes, embora não idênticas. Isso significa que baseamos a nossa percepção de uma realidade objectiva na observação subjectiva.

Na verdade, não há como provar que algo existe independentemente dos observadores, pois o nosso julgamento da realidade depende de alguma forma de observação ou medição, que é, em última instância, interna. Esta visão foi discutida por algumas das maiores mentes da história, como os físicos Bohr, Schoedinger, Pauli e Wigner. O estudioso da consciência suíço e físico Massimiliano Sassolli de Bianchi postula que as partículas estudadas pelos físicos simplesmente não existem. Elas “aparecem” na existência quando fazemos uma medida. Em outras palavras, são uma interpretação da nossa interacção com a realidade da nanotecnologia. Não há evidências de que existam como entidades reais, corpusculares além de conceitos que são independentes do processo observacional. Não vale a pena usar a mente para fazer ciência e tentar usá-la para negar a mente, sem a qual não podemos fazer ciência.

Tudo o que consideramos físico, incluindo o ambiente natural e construído e os nossos próprios corpos, é composto dessa mesma energia e, portanto, está intimamente ligado ao nosso microcosmo. A realidade externa não faz sentido sem a realidade interna, cada uma dando sentido à outra, actuando como dois aspectos complementares de uma realidade. O ambiente, o teatro está dentro de nós, somos nós, e, portanto, não somos entidades limitadas e localizadas.

Experiência interna

Jobs e outros entenderam que a experiência interna tem precedência. Certamente, um alto padrão de qualidade, excelente atendimento ao cliente e eficácia de um produto são altamente relevantes, mas o microcosmo do consumidor também responde ao facto de que outra pessoa leva tempo e esforço para alimentar os seus sentidos: quando é uma bela refeição, “Arte do café”, humor em dado momento de outra forma inexpressivo, ou a espectacular fachada de um prédio público. Em outras palavras, o design pode ser considerado uma maneira de honrar o facto de que somos mais do que os nossos corpos, pois reconhece as nossas dimensões intangíveis que nos separam das máquinas e da maioria dos animais pré-humanos.

Na verdade, vemos que, na medida em que a riqueza e a educação libertam mais indivíduos da luta pela sobrevivência, mais pessoas podem atender às suas necessidades mais elevadas, como já dizia Maslow. Com uma abundância de opções para os produtos no mercado, o sucesso favorece aqueles que empregam princípios de design, criam produtos, lugares e serviços que não só abordam um problema objectivo no espaço e no tempo, mas também consideram a experiência subjectiva do indivíduo. Há uma atenção crescente ao aspecto interno dos seres humanos que responde ao conforto, convivialidade, gosto, estética, senso de propósito, pertencimento, e status.

Arte e design são cada vez mais parte da nossa vida quotidiana, começando com as formas únicas com que nos manifestamos, como a forma como falamos, nos vestimos e resolvemos desafios pessoais ou profissionais. Também vemos que, juntamente com um aumento do nível de automação e análise realizados pelos computadores, vem uma relevância especial e vantagem competitiva para a intuição humana, criatividade e – sim – expressão artística, como pode ser testemunhado pela generalização do design. Já não é suficiente produzir uma caneta, um computador, um veículo, uma casa ou uma cadeira que funcione bem.

Arte e design usados ​​ao serviço de causas

Também encontramos arte e design usados ​​ao serviço de causas não comerciais: considere, por exemplo, como a Arte foi usada para transmitir melhor ideias importantes, como Liberdade, Direitos Humanos e Ecologia. A narração de histórias através de expressões criativas como a poesia, o drama, a música, a pintura, a escultura e a literatura – e os vídeos do YouTube cada vez mais virais – são muitas vezes mais eficazes (ou uma parte importante) de educar e efectuar a mudança, quando comparados a um artigo científico ou uma palestra prosaica.

Jobs tinha as suas falhas e os impactos negativos das práticas de fabricação de hoje e do vício electrónico, mas ele claramente procurava “inventar” o futuro. As suas experiências com estados alterados ajudaram-o a entender o mundo da consciência como algo que poderia ser atraído e também contribuir. As práticas de consciência podem ajudar-nos a sintonizar e desenvolver diferentes dimensões da consciência.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -