Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

O Tao do Dow: Consciência e Economia

Nélson Abreu, em Los Angeles
Engenheiro electrotécnico e educador sobre ciência e consciência. Descendente de Goa, nasceu em Portugal, e reside em Los Angeles.

Para alguns, a consciência pode parecer um assunto abstracto, desprovido de consequências práticas para o que a maioria das pessoas valoriza no seu dia a dia. Por exemplo, o que tem a ver com o Produto Interno Bruto a possibilidade sugerida pelas experiências de quase-morte que a realidade poderia se estender além do domínio material?

As notícias financeiras discutem o PIB, as taxas de juros, o valor das acções, o preço do petróleo e outros parâmetros numéricos. No entanto, sob todos esses assuntos aparentemente objectivos, encontramos fluxos de informação em uma luta de poder entre vários agentes e grupos de interesses. Aqui, reinam as intenções, as estratégias, as acções, as reacções, as palavras, as interpretações, os prognósticos, os modelos da realidade… Estes são, por sua vez, baseados em atitudes e padrões de comportamento, que são, em última instância, enraizados no que valorizamos ou priorizamos de acordo com a nossa natureza individual e como respondemos, ou afectem a cultura geral (inconsciente colectivo, zeitgeist, campo mórfico, campo de informação, noosfera ou holothosene).

Se a consciência individual muda como resultado de experiências transformadoras espirituais ou culturais, a sua mudança de paradigma pode reflectir sobre o que valorizam: ao invés de coisas materiais e poder sobre outros, pode dar-se mais valor a experiências enriquecedoras, o conhecimento, a auto-superação, cidadania e relacionamentos. Tais experiências transformadoras podem levar-nos a promover a cooperação e o aumento do bem-estar e da boa vontade para os outros como a si mesmo.

Um paradigma colaborativo pós-materialista, não-reducionista, centrado no potencial humano associado a tais experiências transpessoais, certamente resultaria em um sistema económico muito diferente de modelos falhados no passado e modelos actuais em crise.

Quando a humanidade tirou a primeira imagem da Terra do espaço exterior, revelou-se a beleza de seu lar, seu navio espacial e a ignorância da divisão e do ecocida. Como consumidores, as pessoas em países desenvolvidos são menos apáticas para o trabalho infantil e escravo e práticas anti-ecológicas, responsabilizando as empresas para um padrão ético mais elevado. O compartilhamento, a conectividade e a neutralidade da Internet, uma vez experimentadas, mostram que vale a pena lutar e as pessoas não estão dispostas a renunciar a elas para servir interesses particulares. Em vez disso, estão interrompendo velhas formas de ser e fazer, através do compartilhamento de idéias, recursos e criações.

À medida que a consciência colectiva evolui, a economia – muitas vezes como resultado plantada por alguns pioneiros de consciência e visão, resultado de nossa própria evolução intelectual e espiritual e por crises e outros eventos que nos marcam, acelerados pela tecnologia de conectividade. A economia está enraizada no comportamento humano – os pensadores mais influentes da economia, de Adam Smith a Karl Marx, entenderam isso.

À medida que a tecnologia assume mais e mais empregos que antes eram realizados por seres humanos, atributos como criatividade e inovação tornam-se mais valiosos. Por outro lado, os meios de produção e sua riqueza associada estão cada vez mais concentrados em uma população menor. Mais e mais pessoas estão se tornando redundantes para a produção económica. Os avanços tecnológicos e os benefícios sociais que podem prolongar a qualidade e a duração da vida são muitas vezes bastante dispendiosos. Isso está forçando as sociedades a avaliar, não o preço do ouro (que é parcialmente objectivamente e parcialmente subjectivamente determinado), mas o valor de uma vida humana. O valor de um ser humano é determinado pela sua acumulação, despesa ou produção de riqueza?

No final de contas, o dinheiro é um depósito de valor. O problema é que ao ser incapaz de colocar um valor ao que não tem preço como o ar puro e o amor, acaba por assinalar um valor de zero. Mas, no futuro, a economia poderá recompensar e reconhecer quem melhora as condições e cuida dos demais e da natureza.

O dinheiro pergunta a uma sociedade: O que é realmente importante na vida? Você defenderá apenas a sua própria segurança a curto prazo? Tentativa de garantir a sua adesão em elites corporativas, locais ou nacionais que defendem seu próprio poder e liberdades?

Com bases tributárias menores, as pessoas são menos capazes de confiar em estados-nação e estão procurando cada vez mais contribuir com a comunidade para a segurança humana, porque a nossa conectividade garante que o problema de outra pessoa se torne seu problema mais cedo ou mais tarde. Como podemos fomentar a liberdade e o potencial individuais, sem cuidar da liberdade e do potencial dos outros?

Os mais elevados princípios humanos valorizam a dignidade, a virtude, a liberdade, o conhecimento, as relações, o potencial humano e o bem-estar. Nossas acções mostram que nossos valores nem sempre estão de acordo com nossos princípios. Por que não? Este é o domínio da ciência da consciência e dos campos académicos aliados como psicologia, sociologia, antropologia, história, filosofia, neurociência, ciência política.

Prof. Ernâni Lopes

O Prof. Ernâni Lopes, ex-Ministro das Finanças de Portugal e um dos grandes responsáveis pela integração Europeia, já avisava antes de falecer em 2010 que a perda de valores poderia levar ao definhamento da Europa. No programa Plano Inclinado (SIC), declarou que para o pais melhorar o plano económico, a nação teria que estudar as camadas mais profundas da economia.

Antes do PIB e taxas de juro, estão fluxos de informação, que por sua vez surgem de um jogo de poder entre os vários actores e grupos de interesse. Para melhorar os resultados (menos corrupção, bem estar generalizado), temos que ir ainda mais a fundo e estudar os valores, as atitudes e os padrões de comportamento. Como podemos ter mais exigência, excelência, dureza, seriedade, honra, conhecimento, trabalho e honestidade no governo, se não são condições generalizadas nas populações, perguntara prof. Lopes, um dos mais concentuados economistas de uma geração.

Apontou para uma camada do processo económico ainda mais profunda: a da inteligência, vontade e energia. Para uma economia Europeia mais saudável em 2025, é preciso uma consciência mais saudável o mais cedo possível. A economia – assim como todos os sectores da civilização – emerge da consciência, o estudo cientifico do qual se torna imperativo nesta era de crise ecológica, econômica e sócio-política em que os limites do actual paradigma materialista-reducionista mostra indícios de esgotamento.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -