Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Junho 19, 2024

Tavira: Do lado de lá da Ria

Descubra as ilhas formosas e seguras de braço dado com o sapal

As mais calmas águas da costa algarvia situam-se a oriente. No coração do Sotavento, as praias do concelho de Tavira têm nas suas artérias o Parque Natural da Ria Formosa.

Este Algarve banhado por mar cálido e sol prazenteiro possui uma linha costeira com mais de 18 quilómetros. Ao largo da cidade, onde o Gilão se perde de vista, a Praia das Quatro Águas, ou Ilha de Tavira, é uma das mais ritmadas. No pico do Verão, dezenas de veraneantes rumam à procura do vasto areal que divide o espaço com o parque de campismo e de merendas, instalados sob a pequena mata de pinheiro manso. A proximidade da ria encadeia a vista que alcança as salinas e vislumbra o único arraial existente no País (Arraial Ferreira Neto), que em tempos acolheu pescadores da faina do atum e suas respectivas famílias. Hoje é imóvel de interesse público e faz parte de uma unidade hoteleira que alberga a memória em núcleo museológico.

De vigia

Lugar de canais, rasos de maré e sapais, as ilhas-barreiras estendem-se pela Terra Estreita, Barril e Homem Nú. Do cais de Santa Luzia, típica ilha piscatória, onde descansam alcatruzes para a captura do polvo e coloridas embarcações locais de pesca artesanal, parte o ferry que desfila pelo labiríntico sistema lagunar e oferece o que de melhor tem a avifauna da reserva. Aqui, onde a língua de areia se estreita, a natureza tenta conciliar-se com o bem-estar e demais actividades náuticas. Optar pelo isolamento e dunas despovoadas ou alugar toldos e espreguiçadeiras com serviço de apoio bar são duas possibilidades, onde as pessoas com mobilidade reduzida são sempre bem-vindas.

O original cemitério de âncoras na Praia do Barril recorda os tempos de luta entre o homem e o peixe aprisionado nas redes

Mais popular, a Praia do Barril é famosa pelas suas edificações da antiga armação do atum, adaptadas à utilização turística. O original cemitério de âncoras recorda os tempos de luta entre o homem e o peixe aprisionado nas redes. Para lá chegar pode optar pelo percurso pedestre ou pelo vagaroso «pouca-terra-pouca-terra», o mini-comboio que alegra miúdos e graúdos.

Ideal para os amantes do sossego, e sem esquecer os adeptos do naturismo, a Praia do Homem Nú conserva o lado mais selvagem da costa do Sotavento algarvio. A pé, a partir do Barril, ou à boleia com algum fortuito pescador, a travessia destina-se aos mais aventureiros. O deleite é entre praias de areias alvas e finas, uma subida às dunas para apreciar o barrocal que se espreguiça a norte e ela lá está… com a sua biodiversidade vencedora onde o sapal serpenteia rigoroso.

A nascente da Ilha de Tavira surge a tranquila Ilha de Cabanas, também separada por um braço da Ria Formosa. Tem acesso por barco e na entrada do pequeno porto, espreita o antigo forte de São João da Barra, construção poligonal dos séculos XVII/XVIII, que preserva porta e praças de armas, poço e tanques de pedra, capela e casa do governador. Esta estrela de muralhas que vigia o mar foi construída para defender a barra de acesso ao porto de Tavira, acabando por ficar sem funções militares após o assoreamento da ria e desvio da barra para nascente. Recentemente adaptado para Turismo de Natureza está também classificado como imóvel de interesse público.

Lugar de canais, rasos de maré e sapais, as ilhas-barreiras estendem-se pela Terra Estreita, Barril e Homem Nú

Nos limites do concelho encontra ainda a vizinha Ilha da Conceição, frente à vila do mesmo nome, onde pode desfrutar de um areal isolado que chega também por barco.

Pego do Inferno

A sete quilómetros de Tavira, na freguesia de Santo Estêvão, pode admirar a beleza da queda de água da ribeira da Asseca. De seu nome Pego do Inferno, a lagoa verde mediterrânico, é uma cascata rodeada de árvores e arbustos, que oferece mergulhos refrescantes nos meses de Verão. Recentemente submetido a obras de requalificação, o Pego do Inferno é uma alternativa às enchentes da época balnear.

Reza a lenda que há muitos anos, uma carroça e os seus ocupantes se despenharam na lagoa. Os cadáveres dos ocupantes da carroça e os animais que a puxavam nunca foram localizados. Como os mergulhadores não conseguiram encontrar o fundo, chamaram então ao local Pego do Inferno. Outras histórias referem a existência de túneis que ligam o Pego ao rio Gilão e ao Guadiana.

Praia do Lacém

Bem perto da Ilha de Cabanas, esta pequena praia de ria insere-se em plena paisagem agrícola. Entre hortas, vinhas e pomares de sequeiro, o acesso faz-se por um pequeno caminho rural que acompanha uma ribeira temporária, ao longo da qual se desenvolve densa vegetação ribeirinha, com canavial e silvas. Deixe a EN 125, seguindo na direcção do Lacém entre por uma via de terra batida e sinta o intenso cheiro a maresia e vaza.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anterior
Próximo artigo
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -