Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 5, 2022

Tem hoje início o 53º Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary

José M. Bastos
José M. Bastos
Crítico de cinema

A partir de hoje e até ao dia 07 de Julho a bela cidade termal da República Checa vai viver mais uma edição do seu festival de cinema.

Jumpman

Sueño Florianópolis

Ao contrário do que vai acontecendo por outras paragens, em que o número de filmes em competição vai aumentando ano após ano até chegar a uma quantidade que nos faz pensar que nem os membros do júri os conseguem ver todos, em Karlovy Vary a competição oficial centra-se em 12 filmes exibidos à cadência de duas obras por dia. Este ano os filmes concorrentes ‘Globo de Cristal’ e outros prémios principais do certame são os seguintes:

  • Brothers / Kardeşler de Ömür Atay (Turquia / Alemanha / Bulgária)
  • Domestique / Domestik de Adam Sedlák (República Checa / Eslováquia)
  • La disparition des lucioles de Sébastien Pilote (Canadá)
  • History of Love / Zgodovina ljubezni de Sonja Prosenc (Eslovénia / Itália / Noruega)
  • I Do Not Care If We Go Down in History as Barbarians / Îmi este indiferent dacă în istorie vom intra ca barbari de Radu Jude (Roménia / Rep. Checa / França / Bulgária / Alemanha)
  • Jumpman / Podbrosy de  Ivan I. Tverdovskiy (Rússia / Lituânia / Irlanda / França)
  • Miriam Lies / Miriam miente de Natalia Cabral, Oriol Estrada (Rep. Dominicana / Espanha)
  • Panic Attack / Atak paniki de Paweł Maślona (Polónia)
  • Redemption / Geula de Joseph Madmony, Boaz Yehonatan Yacov (Israel)
  • Sueño Florianópolis de Ana Katz (Argentina / Brasil / França)
  • To the Night de Peter Brunner (Áustria / Estados Unidos)
  • Winter Flies / Všechno bude de Olmo Omerzu (Rep. Checa / Eslovénia / Polónia / Eslováquia)

Esta lista suscita-nos algumas reflexões, a saber: a ausência de nomes muito sonantes do cinema contemporâneo, uma significativa maioria de filmes europeus e o elevado número de co-produções.

Desde sempre, e muito naturalmente, virado para o cinema dos países do leste da Europa, da programação da edição de 2018 consta, como habitualmente, a secção “East of the West”, também com doze obras a concurso de países como Rússia, Rep. Checa, Eslováquia, Croácia, Hungria, Polónia, Lituânia, Letónia, Bielorrúsia, Macedónia, Ucrânia, Alemanha e Irão. Curiosamente por via das co-produções também surge o nome dos Estados Unidos e um filme resultado da colaboração entre Grécia e Chipre.

Uma secção competitiva de Documentários (12 filmes), outras focadas em novos directores e novas linguagem e em filmes que de alguma forma se distinguiram  noutros festivais (secções “Another View” e  “Horizons”) são outros pontos de interesse desta mostra checa que não deixa também de lançar alguns relances sobre obras e criadores marcantes na história do Cinema. A evocação do checo-americano Milos Forman, recentemente falecido, será um dos pontos altos da programação.

Presenças de Portugal e do Brasil

O nome de Portugal e do Brasil aparecem em vários títulos da programação.

Desde logo o filme já referido da argentina Ana Katz,  Sueño Florianópolis, da secção oficial, que tem também produção brasileira.

Diamantino

As boas maneiras

Mas também,

  • Diamantino de Gabriel Abrantes, Daniel Schmidt (Portugal / França / Brasil), vencedor do Grande Prémio da Semana da Crítica no recente Festival de Cannes;
  • As Boas Maneiras de Juliana Rojas, Marco Dutra (Brasil / França);
  • Años Luz de Manuel Abramovich (Argentina / Espanha / Brasil
  • Zama de Lucrecia Martel (Argentina / Brasil / Espanha / França / Holanda / México / Portugal / Estados Unidos), actualmente em exibição em Portugal;
  • Benzinho de Gustavo Passos Pizzi (Brasil / Uruguai / Alemanha), prémio de melhor filme no Festival Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira;  e…

… o filme que tem levado a “guerra” entre Paulo Branco e Terry Gilliam para a praça pública e para os tribunais: The Man Who Killed Don Quixote de Terry Gilliam (Espanha / Bélgica / Portugal / Reino Unido). Tal como em Cannes, a actriz portuguesa Joana Ribeiro vai estar em Karlovy Vary para, com realizador, estar presente na exibição do filme.

Joana Ribeiro em “The man who killed don quixote”

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -