Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 26, 2021

Trump quer uma Suprema Corte de direita

José Carlos Ruy, em São Paulo
Jornalista e escritor.

As consequências para os trabalhadores, bem como para mulheres, pessoas de cor e o resto dos EUA serão importantes, pois um juiz nomeado por Trump pode tornar irrelevantes os potenciais “votos decisivos” no Tribunal Superior ao consolidar uma maioria de direita indicada pelo Partido Republicano.

por Mark Gruenberg, em People’s World   | Tradução de José Carlos Ruy

Quando a Suprema Corte dos EUA abrir um novo mandato, na primeira segunda-feira de outubro, a ação importante mais não será algum caso individual, mas uma cadeira vazia envolta em preto.

A cadeira é a que foi da falecida juíza Ruth Bader Ginsburg, a velha defensora dos direitos das mulheres, dos trabalhadores, das pessoas de cor e outros que nossa nação frequentemente deixou para trás. Ginsburg, um dos três juízes judeus do tribunal, morreu enquanto o sol se punha, no dia 18, para inaugurar o Rosh Hashanah, o Ano Novo Judaico. Enquanto os oito juízes restantes se prepam para ouvir os casos, a guerra em curso ocorrerá sobre se aerá o atual ocupante do Salão Oval, Donald Trump ou seu oponente, o candidato democrata à presidência Joe Biden, quem nomeará o juiz que ocupará a cadeira que Ginsburg deixou vaga.

Em suma, embora os juízes ouvirão um caso em 10 de novembro decidindo o destino dos cuidados de saúde pelo Affordable Care Act (ACA) para todos, a decisão principal será sobre a identidade e ideologia do substituto de Ginsburg, com consequências enormes para os trabalhadores.

Se os republicanos que dominam no Senado vencerem, haverá uma votação rápida sobre a candidata de Trump, que tudo indica será uma mulher de extrema direita, aprovada pela chamada Sociedade Federalista e aplaudida por evangélicos conservadores, interesses empresariais, o 1% de homens brancos, anglo-saxões e protestantes . Essa votação de derrapagem rápida ocorrerá mesmo que, há quatro anos, o líder da maioria republicana Mitch McConnell (Kentucky), tenha impedido audiências, muito menos uma votação, sobre a nomeação pelo presidente democrata Barack Obama do juiz federal Merrick Garland para suceder o juiz conservador Antonin Scalia, que morreu naquele fevereiro – não em setembro – nove meses antes da eleição de novembro, e não dois, como agora.

“Deixe o povo ter voz”, disse McConnell então. Agora, o bajulador de Trump mudou de opinião, é claro, embora ainda faltem dias para a eleição.

Se os republicanos perderem e Biden vencer as eleições de novembro e tiver a chance de fazer a escolha, seu indicado terá perfil muito diferente do ideológico que a direita radical exige. Biden não divulgou uma lista de candidatos potenciais.

As consequências para os trabalhadores, bem como para mulheres, pessoas de cor e o resto dos EUA serão importantes, pois um juiz nomeado por Trump pode tornar irrelevantes os potenciais “votos decisivos” no Tribunal Superior ao consolidar uma maioria de direita indicada pelo Partido Republicano.

Os sindicatos geralmente fazem campanha para pressionar os senadores a adiar a indicação para depois da posse do novo presidente. E votos em uma nova justiça se tornaram um assunto de campanha.

Há boas razões para isso, e o líder da minoria Charles Schumer (Democrata, Nova York), as lançou em um discurso afiado dias após a morte de Ginsburg.

“O direito dos trabalhadores de se organizar e negociar coletivamente por salários justos em um momento de crescente desigualdade de renda está em jogo”, disse ele.

“Todos os direitos que poderiam ser desfeitos por uma maioria conservadora no tribunal” incluem “o direito de entrar em um sindicato, casar com quem você ama, exercer livremente o seu direito de voto, o direito de um pai com um filho com câncer não assistir, desamparado, enquanto seu filho ou filha sofre sem assistência médica adequada.”

“Esta vaga… coloca tudo – tudo – em jogo.”

Trump divulgou listas de candidatos que consideraria para a cadeira mais alta do país. Dois ele nomeou, os senadores direitistas Ted Cruz (Republicano, Texas) e Josh Hawley (Republicano, Missouri), que se afastaram da eleição e preferem esperar para concorrer à presidência em 2024.

Um terceiro senador republicano na lista de Trump, Tom Cotton (Arkansas), disse que pode considerar entrar para o tribunal. E o próprio Trump prometeu nomear uma mulher.

Mas homem ou mulher, o próximo juiz se juntará aos outros para lidar com as questões importantes que Schumer mencionou, provavelmente junto com as consequências da própria eleição. E se o nono juiz assumir no tribunal antes de 10 de novembro, ele ou ela decidirá também sobre a ACA (Affordable Care Act -Lei de Proteção e Cuidado ao Paciente). Esse é o maior caso dos 31 que os juízes tem em sua pauta até agora.

Opondo-se à ACA estão os “estados vermelhos” (republicanos) liderados pelo Texas, o governo de Trump, a maioria republicana do Senado e os interesses da direita. O procurador-geral da Califórnia Xavier Becerra (Democrata) e uma coalizão de políticos do “estado azul” (democratas) lideram sua defesa. E os democratas da Câmara de representantes aderiram.

O peso de um novo nono juiz no destino da ACA foi melhor resumido em um tweet de James Beryllis, um leitor do site do    “Washington Post”, depois que leu uma matéria citando democratas do Senado dizendo que não podem impedir uma votação na escolha de Trump. O artigo não disse se eles poderiam reunir os votos contra o indicado de Trump.

“Em 10 de novembro, a agora conservadora Suprema Corte ouvirá o caso de desmantelamento do ACA, incluindo a cláusula sobre condições pré-existentes. Se você sofre de diabetes, câncer, doenças cardíacas, asma ou qualquer outra condição crônica, seu seguro de saúde o abandonará como um mau hábito. Trump não tem plano de substituição”, escreveu Beryllis.


por Mark Gruenberg, Dirige o escritório de People’s World em Washington. É editor do Press Associates Inc. (PAI), um serviço imprensa sindical, também em Washington   |   Texto em português do Brasil, com tradução de José Carlos Ruy

Exclusivo Editorial PV (Fonte: People’s World) / Tornado


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -