Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Trump tenta obstruir a democracia

José Carlos Ruy, em São Paulo
Jornalista e escritor.

Desesperado ante o resultado cada vez mais provável de uma vitória de Biden na contagem contínua de votos em estados-chave, Trump entra com uma enxurrada de ações judiciais, incluindo uma na Pensilvânia que pede a suspensão da contagem das cédulas enviadas pelo correio da Filadélfia, que vão esmagadoramente para Biden.

por John Wojcik, em People’s World   | Tradução de José Carlos Ruy

Há relatos não confirmados de que a Suprema Corte da Pensilvânia anulou uma decisão de um tribunal local favorável ao Partido Republicano, mas apesar disso, a contagem continua na Filadélfia. No processo, o Partido Republicano alegou falsamente que seus observadores não tinham permissão para chegar perto o suficiente das mesas onde as cédulas eram contadas.

A contínua obstrução republicana do processo de contagem seguiu a convergência de apoiadores armados de Trump em um local de contagem de votos no Arizona na noite passada (5) e vem após as marchas de dezenas de milhares em todo o país que se manifestaram em defesa do voto e para exigir que cada voto ser contado.

O procurador-geral William Barr, como sempre o leal servidor de Donald Trump, juntou-se ao ataque à votação dizendo hoje em e-mails aos promotores que é perfeitamente legal, para o Departamento de Justiça, enviar tropas armadas para locais de votação onde há suspeitas de casos de fraude eleitoral. A lei proíbe especificamente ouso da força armada, mas isso, é claro, não é levado em conta pelo procurador-geral ou o presidente.

A tentativa sem precedentes de um presidente em exercício de interromper a contagem de votos em lugares onde está perdendo enquanto exige a continuação da contagem em lugares onde está à frente, juntamente com cenas de seus apoiadores armados intimidando contadores de votos é uma perigosa primeira vez na história dos EUA.

As turbas de Trump voltaram ao local do Arizona esta manhã (6) mas logo em seguida voltaram ao ônibus que trouxe a maioria deles. O estado já foi convocado por Biden por uma série de agências de notícias, incluindo a Fox News.

Enquanto isso, em todo o país houve e continua havendo manifestações de massa de eleitores exigindo que os resultados sejam respeitados. Uma ampla coalizão de forças determinadas a defender a democracia emergiu em todos os lugares e em várias seções do espectro político do país.

A campanha de Trump lançou uma série de processos na Pensilvânia, Michigan, Geórgia e Nevada. São menos sobre algo legítimo do que sobre criar uma imagem falsa para o público de um presidente lutando contra uma conspiração para removê-lo ilegalmente da Casa Branca.

A mídia social tem se animado com postagens e tweets de pessoas que acreditam nessas teorias da conspiração. O próprio Trump twittou esta manhã, “pare a contagem”, e alegou que as cédulas de Biden estão aparecendo magicamente em todos os lugares.

As mentiras não são novidade para um presidente que até os últimos minutos de sua campanha minimizou o aumento recorde de infecções por coronavírus e mortes ocorrendo em todo o país. Só ontem (5), pela primeira vez, houve mais de 100.000 novas infecções em um único dia. Houve mais de 1.000 mortes adicionais, desmentindo as afirmações de campanha de Trump de que o país está “dobrando a esquina” no controle do vírus.

Quando o país deveria se unir em torno de medidas de emergência para combater uma pandemia que se tornou pior do que nunca desde que começou na primavera passada, a tentativa do presidente de transformar uma eleição que está perdendo em uma história de conspiração e turbulência que corre o risco de tornar a pandemia ainda pior do que já está.

As alegações de Trump em vários de seus processos judiciais de que seus observadores eleitorais estão sendo impedidos de entrar nos centros de contagem foram confirmadas como falsas pela mídia que observou um número igual de observadores democratas e republicanos em todos esses locais.

A Associated Press ligou para Michigan e Arizona pelo democrata Joe Biden na quarta-feira (4). Nevada, Pensilvânia e Geórgia permanecem indecisos, mas com a pequena vantagem de Trump encolhendo rapidamente e com a campanha de Biden esperando uma vitória pelo menos na Pensilvânia e em Nevada, e possivelmente na Geórgia, onde, na manhã de quinta-feira (5) os candidatos tinham apenas três décimos de ponto de distância, com Trump na liderança. As boas votações nas áreas de Atlanta e Savannah, acreditam as forças de Biden, podem colocá-los no topo.

A campanha de Trump também tenta intervir, pela segunda vez, em um caso da Pensilvânia na Suprema Corte, que trata se as cédulas recebidas até três dias após a eleição podem ser contadas, disse o vice-gerente de campanha Justin Clark. As ações judiciais representam uma tentativa política de anular uma eventual vitória de Biden, levando os tribunais a rejeitarem votos perfeitamente legais simplesmente porque podem resultar em uma vitória de Biden.

Biden disse na quarta-feira (4) que a contagem deve continuar em todos os estados, e acrescentou: “Ninguém vai tirar nossa democracia – nem agora, nem nunca.”

Cada vez mais, parece que até o círculo íntimo de Trump acredita que ele perdeu a eleição. As táticas da campanha de Trump agora não são normais para uma campanha que acredita ter vencido.

“O que torna essas charadas especialmente patéticas é que enquanto Trump exige recontagens em lugares que já perdeu, ele está simultaneamente envolvido em tentativas infrutíferas de impedir a contagem em outros estados nos quais está a caminho da derrota”, disse a campanha de Biden.

Os funcionários eleitorais continuaram a contar os votos em todo o país, o processo normal no dia seguinte à votação. Ao contrário dos anos anteriores, os estados enfrentavam uma avalanche de cédulas de correio motivadas pelo medo de votar pessoalmente durante uma pandemia. Pelo menos 103 milhões de pessoas votaram cedo, por correio ou pessoalmente, o que representa 74% do total de votos expressos na eleição presidencial de 2016.

A campanha de Trump, jogando quase tudo contra a parede e esperando que grudasse, continua a exigir a suspensão da contagem em Michigan, um estado que ele já perdeu claramente.

A vitória de Biden na Pensilvânia parece ser iminente. O “Philadelphia Enquirer” já saiu com uma manchete dizendo: “Disputa mudando para Biden”.

Funcionários da campanha de Biden expressam confiança de que acabarão por prevalecer naquele estado com vantagem de 100.000 votos. As cédulas pelo correio do condado de Erie, um condado vermelho (republicano) onde Trump ganhou há quatro anos, mostrou agora uma grande vantagem para Biden.

O senador democrata Bob Casey (Pensilvânia) disse nesta manhã: “Ainda estamos contando, e minha avaliação é que o presidente perderá a Pensilvânia por 100.000.” Isso seria mais do que Barack Obama teve no estado em qualquer uma de suas eleições.

Não houve relatos de fraude ou qualquer tipo de preocupação com voto na Pensilvânia. O estado teve 3,1 milhões de cédulas pelo correio, que levam tempo para serem contadas, e um pedido permite que sejam recebidas e contadas até sexta-feira, se o carimbo do correio for de 3 de novembro. O procurador-geral da Pensilvânia, Josh Shapiro, disse a um entrevistador da CNN que o processo de Trump movido contra aquele estado era “mais um documento político do que um documento legal”. “Há transparência nesse processo. A contagem continua. Há observadores acompanhando essa contagem, que continuará ”, disse.

A grande mídia, em um esforço para reprimir os teóricos da conspiração nas redes sociais que veem uma trama para roubar a eleição de Trump, têm se esforçado para relatar objetivamente o que está acontecendo nos centros de contagem. A AP, por exemplo, informou que observadores eleitorais de ambos os lados estavam presentes em abundância no principal local de contagem em Detroit.

Na quarta-feira, em um importante local de votação em questão, o TCF Center em Detroit, o serviço de imprensa relatou que os observadores bipartidários se registraram em uma mesa perto da entrada do Hall E do centro de convenções e passearam entre as mesas onde o processamento de votos estava ocorrendo. Em alguns casos, eles chegaram juntos em um grupo, relatou a AP, e se reuniram para uma discussão antes de se espalharem.

Policiais uniformizados de Detroit estavam presentes para garantir que todos estivessem se comportando. “Esta é a melhor operação de contagem de votos ausentes que Detroit já teve”, disse à imprensa um policial de plantão. “Eles estão contando os votos com muita eficiência, apesar das táticas obstrutivas dos republicanos.”

O advogado de campanha de Biden, Bob Bauer, disse que se Trump for à Suprema Corte, “ele enfrentará uma das derrotas mais embaraçosas que um presidente já sofreu na mais alta corte do país”.

Ninguém deve presumir que os juízes de direita, que têm maioria no Supremo Tribunal, não irão eventualmente intervir em nome de seu patrono, Trump. Os juízes podem decidir entrar na disputa sobre a prorrogação de três dias para votos de ausentes se eles forem cruciais para o resultado na Pensilvânia, por exemplo.

O presidente continuou a tweetar uma tempestade hoje. “Pare a fraude”, ele tuitou em uma descrição do que aparentemente pensa sobre o processo democrático de contagem de votos.


por John Wojcik, Editor-chefe de “People’s World  |   Texto em português do Brasil, com tradução de José Carlos Ruy

Exclusivo Editorial PV (Fonte: People’s World) / Tornado


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -