Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Fevereiro 8, 2023

Um tiro no porta-aviões alemão

António Garcia Pereira
António Garcia Pereira
Advogado, especialista em Direito do Trabalho e Professor Universitário

Tal comentário, conforme me foi elucidado no referido mail, destinava-se “a ser publicado num primeiro momento no site do Público ainda na própria 6ª-feira e só depois na edição de Sábado do Jornal em papel”.

trabalho
António Garcia Pereira, Advogado

Elaborei e enviei então o meu comentário, cuja recepção foi pelo referido jornalista confirmada e até agradecida, pela sua prontidão, às 14h39 da mesma 6ª-feira.

Passou todo o dia de 6ª-feira e não vi nem uma linha do meu texto aparecer, pelo menos na parte pública do site do Público. Chegou-se a Sábado e, apesar de na edição em papel terem sido publicados comentários de diversas outras pessoas, o meu continuou a ser omitido.

Chegou-se a 2ª-feira, 27/6, e nada continuou a ser publicado, pelo que, por mail das 9h49, pedi explicações sobre o que se teria passado ao jornalista Tiago Luz Pedro.

Mas o silêncio ensurdecedor do Público continuou, tornando assim absoluta e definitivamente clara a censura praticada relativamente a um texto claramente contrário aos ditames do imperialismo germânico e aos interesses dos seus ideólogos e servidores.

Após inúmeras diligências telefónicas, na 3ª-feira, 28/6, lá se apanhou o dito jornalista que balbuciou que pusera no site o texto que lá não está e que depois entrara de folga, e não sabia o que se passara com a edição escrita!?…

Consumada a apagada e vil tristeza desta censura, aqui vai então o texto cortado pelo “lápis azul” do Público.

submarino

O “BREXIT” – Um rotundo Não ao império Germânico

A vitória da saída da União Europeia (por 51,7% contra 48,3%) no referendo levado a cabo no Reino Unido assume uma enorme importância, a vários níveis.

Antes de mais, o facto de a questão da saída (tal como a da entrada…) na UE ter sido submetida ao basilar princípio democrático da consulta popular, num referendo, que aliás contou com a participação de quase três quartos (72%) dos cidadãos. Na verdade, numa Europa onde, a começar por Portugal, partidos e dirigentes políticos que nunca pediram, nem nunca como tal se apresentaram a sufrágio, o voto do Povo para promoverem a entrada dos respectivos países na então CEE e mais tarde na União Europeia, bem como na União Económica e Monetária (ou Zona Euro) e antes tomaram essas decisões sempre nas costas do Povo, fazer-se um referendo para que o mesmo Povo diga se quer entrar, ou se quer permanecer, naquelas instituições, é de fazer estarrecer por completo tais partidos e dirigentes, que de democráticos afinal só têm (quando têm) o nome.

Depois, a circunstância de o “sim” à saída da União Europeia ter vencido numa campanha marcada pelas contínuas e maciças operações de intimidação e de intoxicação da opinião pública levadas a cabo pelos grandes interesses económico-financeiros e pelos políticos e opinion makers ao seu serviço.

Na verdade, desde os “mercados” (designação eufemística dada aos grandes especuladores financeiros) e grandes bancos e instituições financeiras, até aos donos de grandes empresas (como a Toyota, a Range Rover e outras), passando pelos chamados dirigentes das chamadas “instituições europeias” bem como pelos governantes nacionais e pelos comentadores e opinadores oficiais, todos, sem excepção, vociferaram as maiores ameaças e procuraram por todos os meios intimidar os eleitores do Reino Unido.

O “socialista” alemão e Presidente do Parlamento Europeu Martin Schulz afirmou que se a “saída” ganhasse, teria que “haver consequências”, até para “evitar que outros possam seguir esse caminho perigoso”. O Presidente do Conselho Europeu Donald Tusk e o Presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker advertiram insistentemente que a saída do Reino Unido seria um processo perigoso, complexo e moroso.

Os “especialistas” e os “economistas” do costume debitaram, com o habitual ar “científico” que os caracteriza, consecutivas previsões de quebras monumentais do PIB e de grave crise económica, financeira e social para o Reino Unido. E o próprio porta-voz do governo francês, o “socialista” Sthéphane Le Foll, ameaçou que se os britânicos votassem pela saída da UE logo se lhes acabariam as ajudas agrícolas e o acesso ao mercado único.

Tão curioso quanto significativamente, uma vez conhecido o resultado favorável à saída, eis que os ditos Martin Schulz, Jean Claude Juncker, Donald Tusk e o holandês Mark Rutter (da presidência rotativa holandesa) logo se apressaram a fazer um comunicado conjunto a exigir agora – não vá o exemplo, que nunca esperaram, contagiar outros países… – que o Reino Unido saia da União Europeia “o mais rapidamente possível, por muito doloroso que o processo possa ser”.

Ou seja, o que ontem – para efeitos de tentar arrastar os eleitores – era necessariamente lento, arrastado e difícil, hoje, para efeitos de procurar desesperadamente evitar que outros países europeus sigam o exemplo do Reino Unido, já deve ser feito expedita e rapidamente!

Finalmente, o real significado desta expressão de vontade dos povos britânico e irlandês é que estes já há muito compreenderam que a União Europeia não é a Europa e que, ao contrário do que pensa François Hollande (o qual – recorde-se ainda e uma vez mais – o primeiro acto oficial que praticou logo após a sua eleição foi, com um conservador patriota como De Gaulle às voltas na tumba, ir a Berlim prestar vassalagem a Angela Merkel…), a dita UE não é sequer a partilha da Europa pela França e pela Alemanha, mas antes o controle pelo poderio germânico de todos os países europeus, muito em particular os da zona euro, a começar pela própria França.

A saída do Reino Unido da União Europeia, decidida democraticamente pelo seu povo em referendo, representa e significa, pois, uma violenta bofetada nos demagogos, oportunistas e ameaçadores políticos pró-Alemanha, um magnífico (e, pelos vistos subversivo…) exemplo para os restantes países europeus e, sobretudo, um rotundo “Não!” ao império germânico!

Nota da Edição: artigo entretanto publicado no Público online

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -