Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 27, 2021

Venda de veículos a gasolina e diesel em França só até 2040

Nélson Abreu, em Los Angeles
Engenheiro electrotécnico e educador sobre ciência e consciência. Descendente de Goa, nasceu em Portugal, e reside em Los Angeles.

Um dia depois da Volvo anunciar que iria limitar o uso do motor de combustão interna e durante uma visita à Europa pelo presidente Trump, o ministro francês do ambiente, Nicolas Hulot, disse que a França deixaria de lançar novas licenças de exploração de petróleo e gás natural.

Ontem, anunciou que iria parar de usar o carvão para produzir electricidade até 2022 e que proibirá novos carros a gasolina e diesel até 2040. A França pretende tornar-se neutra em carbono até 2050.

A França enfrentou algumas críticas de o seu plano não ser suficientemente ambicioso, mas é a direção certa considerando que é um importante país de fabricação de automóveis. A Noruega planeia vender apenas carros elétricos a partir de 2025, e a Índia planeia fazê-lo até 2030. A Irlanda acabou de abolir o fracking terrestre.

Enquanto a Noruega quer libertar os seus próprios cidadãos de combustíveis fósseis, continua a ser um dos maiores produtores de petróleo do mundo e está a acelerar a produção para exportação. Assim, mesmo que o país tente reduzir as emissões e limpar o seu próprio índice de carbono em casa, faz o contrário no exterior (o petróleo e o gás representam 12% do PIB e um terço das suas exportações).

Apesar de algumas contradições, os líderes europeus estão a expressar determinação para a agenda ambiental durante a visita do Sr. Trump à Europa para a reunião do G20. Esta expressão de resolução dos governos pode induzir as empresas a dedicar mais recursos ao desenvolvimento de veículos elétricos e incentivar os investidores a colocar dinheiro em empreendimentos de transporte limpos.

O movimento francês também pode pressionar a Alemanha e outros países europeus a promover veículos elétricos e desencorajar combustíveis fósseis – especialmente se a França lançar políticas eficazes de incentivo.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -