Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 6, 2022

A Ford vai mais que duplicar o seu investimento em veículos eléctricos

Nélson Abreu, em Los Angeles
Nélson Abreu, em Los Angeles
Engenheiro electrotécnico e educador sobre ciência e consciência. Descendente de Goa, nasceu em Portugal, e reside em Los Angeles.

A Ford planeia ter 40 modelos híbridos e totalmente eléctricos disponíveis até 2022 e aumentar as despesas para US$ 11 mil milhões – mais do dobro do objectivo anteriormente anunciado. Os fabricantes de automóveis nos EUA e na Europa enfrentam pressões crescentes dos consumidores e investidores para reduzir as emissões de carbono. As rápidas melhorias na tecnologia das baterias que carregam mais rápido e que têm maior capacidade estão a tornar-se competitivas em termos de custos.

A Tesla foi uma das primeiras empresas a mostrar que um carro pode proporcionar uma experiência superior apesar de ser eléctrico. O custo do ciclo de vida dos veículos eléctricos está a aproximar-se da paridade com os veículos de combustão interna, sem o estigma dos combustíveis fósseis numa época de mudanças climáticas.

Os fãs do Tesla recentemente conduziram um Modelo S mais de 1.000 km com uma única carga. O Chevy Bolt alcança 383 km com uma carga. A Toyota também investe em hidrogénio, mais um prego no caixão dos combustíveis fósseis.

Recentemente, a Grã-Bretanha juntou-se a uma crescente lista de países apenas eléctricos, estipulando que todos os carros novos devem ser zero emissões até 2050. As companhias de frete comercial e as empresas de frete estão se movendo em direcção a veículos automáticos eléctricos. Os avanços tecnológicos já colocam em questão se a propriedade do carro será tão prevalente no futuro com a criação do “transporte como serviço.”

Essa tendência também provocou uma corrida para o lítio para carros, bem como para o armazenamento de energia em larga escala para as redes eléctricas do século XXI, o que poderia trazer riquezas para lugares como o Chile e até Portugal. Esses países podem considerar o estabelecimento de fundos soberanos como a Noruega e o Alasca que beneficiaram da era da energia fóssil.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Boa pergunta

VER…

Além Tejo (1)

- Publicidade -