Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Dezembro 4, 2021

Versos

Delmar Gonçalves, de Moçambique
De Quelimane, República de Moçambique. Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora (CEMD) e Coordenador Literário da Editorial Minerva. Venceu o Prémio de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em 1987; o Galardão África Today em 2006; e o Prémio Lusofonia 2017.

Poema de Delmar M. Gonçalves

“Versos”

Quando souberes
de que lixeira
nascem os versos solitários
sem vergonha,
como uma flor seca na cerca
como um cacto espinhoso
como um cogumelo venenoso
um grito de fúria
sangue a jorros
alcatrão com cheiro fresco
ácaros entranhados em lençóis
bolor escondido na parede…
Então sim
a poesia já soa fervente
rebelde, terna, doce
para meu gáudio

 

In “Entre Dois Rios com Margens”

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -