Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Fevereiro 24, 2024

Viver não é de graça

“Há uma tristeza em nós que sobrevive sempre às maiores alegrias.
Sombra e melancolia são partes inseparáveis de nós”.

Herdeiros de um sem número de experiências em processos de sucessivos renascimentos – no corpo e no abandono dele – temos impregnados no nosso Inconsciente profundo das nossas existências humanas, extratos e evocações de realidades vividas das memórias pretéritas que todos carregamos. Essas lembranças subtis exercem uma influência, não apenas ao nível dos comportamentos e das ocorrências do dia a dia, mas a um nível de uma (in)consciência tal, que perante a complexa trilogia – Espírito, perispírito e matéria – se torna difícil viver em plena e permanente alegria e em plena e permanente satisfação.

À exceção dos conflitos e das perturbações que têm origem tão somente na vida atual, a manifesta maioria tem origem nas jornadas infelizes que hoje recordamos por entre automatismos psicológicos, em transferência. Assim, as insatisfações, os mais variados traumas, as fobias, os complexos, a consciência de culpa, os dramas pessoais, só poderão ser explicados através das reencarnações, de uma para outra.

Deste modo, o que dantes era exclusivamente atribuído a fatores patológicos, físicos, a denominada Escola Transpessoal, enquadrada na Psicologia do mesmo nome, tratou e trata de estudar e abranger as perceções extra sensoriais, para além da área da consciência, oferecendo valiosíssimos recursos para a própria psicoterapia.

Seres em impermanência, muito embora fazendo parte de um todo, todos e cada um nós andamos e nos encontramos aqui sozinhos.

Espíritos em evolução, enquanto na Terra ou em qualquer outro lugar da Vida Cósmica, a Vida continua plena de trabalho e de esperança, obedecendo aos Planos Divinos e às Leis que supervisionam o Universo. De nós depende exclusivamente, onde quer que estejamos, o nosso próprio progresso e as nossas próprias conquistas.


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anterior
Próximo artigo
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -