Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Setembro 25, 2021

“Voo Colorido”

É o novo livro de poemas da médica Maria Manuel Menezes.

O Jornal Tornado torna público que a médica-pediatra Maria Manuel Menezes, residente em Angola, após ter lançado em Lisboa e apresentado em Luanda (2017) o livro de poemas «Lua Mágica», e outros poemas em várias antologias de poetas, escreveu uma nova obra poética, editada pela Chiado Books, intitulada «Voo Colorido».

Com 102 poemas, como é referido no prefácio por Filipe CS, o inesperado «Voo Colorido», ainda não apresentado ao público, “.. não conhece barreiras nem fronteiras e desafia o outro lado da Poesia, o leitor, cada um de nós, a libertar-se também..”

Se alguém de mim gostar

Na terra, no mar, no ar..
se alguém de mim gostar
bem fico, em qualquer lugar.

Sentirem-me num vento que passa
sereno sopro que abraça,
sentirem-me no mar que se escuta
entre conchas de uma gruta,
sentirem-me no voo das asas
das aves que sobrevoam as casas.

Basta alguém de mim gostar
bem fico, em qualquer lugar!

(Maria Manuel Menezes)

 

Meninos Tristes

Não me perguntes se já vi um rosto triste,
De criança triste, triste mesmo triste.
Não me perguntes, és capaz de chorar.
Mas se me perguntares, eu vou contar…

Sobre aquele menino que não sorria,
Olhos vagos, lago parado d’água fria,
Lábios contraídos e vida azarada…
Quatro anos achados com nada.

Perguntei à jovem mãe negra,
-ele é triste assim por regra?.
– “O padrasto não o quer,
Não gosta de mulatos” disse a mulher.

Sobre aquele menino de 5 anitos,
Lágrimas fugindo-lhe dos olhitos,
perguntei: – oh tutor, porque ele é triste?
– “Atirado a quem o quisesse recolher” – e tutor, sorriste!

Para o primeiro apareceu uma terna avó,
Longe do padrasto demónio sem dó.
Para o segundo quis o futuro,
Que o amassem pais de coração puro.
Do menino negro que não ia à escola
Por ser albino vivia em gaiola,
Do menino Down ser explorado,
Tão dócil e tão mal amado.

Não me perguntes o que lhes aconteceu,
Crianças tristes sem lar, sem céu…
Não me perguntes, és capaz de chorar.
Mas se perguntares sou capaz de contar…

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -